Priorização das habilidades do engenheiro de produção demandadas pelo mercado da região norte do Brasil: uma análise da universidade e o mercado de trabalho / Prioritization of knowledge and skills demanded by the market production engineer of northern Brazil: an analysis of the university and the labor market

Gildemberg da Cunha Silva, André Luis Korzenowski, Mateus Dall’Agnol, Wagner Lourenzi Simões, Jaime Vieira do Espírito Santo Júnior

Abstract


O objetivo desse trabalho foi identificar competências, quanto conhecimento e habilidades, priorizadas nos cursos de engenharia de produção no Norte do Brasil, a partir da visão dos coordenadores de curso como também a visão dos gestores/empresários da região. A partir da aplicação desurvey com escala de likert e realização de procedimento estatístico, foram identificados conhecimentos e habilidades com diferenças significativas entre os respondentes (coordenadores de curso e gestores de empresas), para atuação do engenheiro de produção na Região Norte do Brasil e consequente leitura do perfil que o mercado necessita em função do priorizados nos centros de formação de engenheiro de produção da região.


Keywords


Região Norte do Brasil; Formação do Engenheiro de Produção; Educação em Engenharia

References


ABEPRO. Áreas e Subáreas da Engenharia de Produção. 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 de dez. de 2015.

ABEPRO. Grande Área e Diretrizes curriculares. 2001. Documento não concluído. Disponível em: . Acesso em: 15 de out. de 2014.

ABEPRO. Referências Curriculares da Engenharia de Produção. 2003. Disponível em: . Acesso em 22 de Nov. de 2015.

ABREU NETO, F. A. Princípios filosóficos constitutivos das tecnologias fordista e toyotista. 2005. Tese de Doutorado - Departamento de Filosofia do Direito, Moral e Política II (Ética e Sociologia). Universidade Complutense de Madri. 2005.

AMARO, A. A. Mercado de uva de mesa. In: Simpósio Mineiro de Viticultura e Enologia: Viticultura e Enologia Atualizando Conceitos, 1. Andradas: Minas Gerais, 2002.

Andersen, E. S. Lundvall, B. Small National Innovation Systems Facing Technological Revolutions: An Analytical Framework, Christopher Freeman and Bengt-ÅkeLundvall, Small Countries Facing the Technological Revolution, London: Pinter Publishers, 1988.

Barbosa, A. C. Q. Rodrigues, M. A. Um olhar sobre os modelos de gestão de competências adotados por grandes empresas brasileiras [Resumo]. Em Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (Org.), XXIX ENANPAD (p. 439). Brasília: ANPAD, 2005.

BARROS, L.; PAIVA, K. Impactos de Vivências Acadêmicas nas Competências Profissionais: percepções de egressos de um curso de mestrado em Administração. Teoria e Prática em Administração, João Pessoa, v. 3, n. 1, 2013.

BATALHA, M. O. Introdução à engenharia de produção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V.; VON LINSINGEN, I. Educação Tecnológica: enfoques para o ensino de engenharia. Florianópolis: EDUFSC, 2000.

BAZZO, W. A.; VON LINSINGEN, I.; PEREIRA, L.T. V. (Orgs.). Introdução aos Estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). Madri: OEI, 2003.

BERTO, R. M.V., NAKANO, D. N. Métodos de pesquisa na Engenharia de Produção. In: EncontroNacional de Engenharia de Produção, 18. Niterói, 1998.

BILLIS, S. H., ANID, N. M., Panero, M. A. Global Competency: Are Engineering Students Ready?American Society for Engineering Education, 2014.

BITTENCOURT. H. R.VIALI. L. BELTRAME. E. A engenharia de produção no Brasil: um panorama dos cursos de graduação e pós-graduação. Revista de Ensino de Engenharia, 2010.aqui estão faltando dados da revista

BOAHIN P.; W. H. A. HOFMAN.Perceived effects of competency-based training on the acquisition of professional skills.International Journal of Educational Development.n.36, pp. 81–89, 2014.

BORCHARDT, M. VACCARO, G. L. R. AZEVEDO, D. JR. J. P. O perfil do engenheiro de produção: a visão de empresas da região metropolitana de Porto Alegre. Produção, v. 19, n. 2, maio/ago. 2009.

BORGES, M. N. ALMEIDA, N. N. Perspectivas para engenharia nacional desafios e oportunidades. Revista de Ensino de Engenharia, v. 32, n. 3, 2013.

BOYATZIS, R. E. The Competent Management: A Model for EffectivePerformance.Nova York: Wiley& Sons, 1982.

BRASIL, 2014. Norte lidera crescimento regional do país – Banco Central. Disponível em:< http://www.Brasil.gov.br/economia-e-emprego/2013/11/Norte-lidera-crescimento-regional-no-pais-informa-banco-central>. Acesso em: 22 de nov. de 2015.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Secretária-Geral do Exército. Centro de Documentação do Exército. Brigadeiro Jerônimo Coelho (Contribuição ao bicentenário de seu nascimento). 1973.

BRASIL. Norte lidera crescimento regional do país – Banco Central. Portal Brasil, 2014. Disponível em: < http://www.Brasil.gov.br/economia-e-emprego/2013/11/Norte-lidera-crescimento-regional-no-pais-informa-banco-central>. Acessoem: 14 dedez. de 2015.

BRYAN, A. Research Methods and Organization Studies.London: Unwin Hyman, 1989.

CABRAL, C. G. O Conhecimento Dialogicamente Situado: Historias de vida, valores humanistas e consciência critica de professoras do Centro Tecnológico da UFSC.2006, UFSC/Educação científica e tecnológica.

CARVALHO, A. M. C. Considerações sobre as contribuições dos ‘estudos criticos’ para a engenharia de produção. ABEPRO, 2010.

CARVALHO, I. M. V., Passos, A. E. M., Saraiva, S. B. C. Recrutamento e seleção por competência. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

CASSIOLATO, J. E. LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. Editora: Rio de Janeiro, 2003.

CAVALCANTE, C., Políticas Públicas para Inovação Tecnológica. III Fórum Nacio¬nal de Gestores de Instituições de Edu¬cação em Engenharia. Instituto Militar de Engenharia. Rio de Janeiro. 2013. Centro de Gestão e Estudos Estra¬tégicos - CGEE (2010). Livro Azul da 4ª Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia e Inovação para o De¬senvolvimento Sustentável – Brasí¬lia: Ministério da Ciência e Tecno¬logia.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais.São Paulo: Cortez, 1995.

CHRYSSOLOURIS, G.; MAVRIKIOS, D.; MOURTZIS, D. Manufacturing Systems: Skills & Competencies for the Future. Procedia CIRP 7, 2013.

CNE – Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Engenharia. Brasil, 2002.

CNI. Confederação Nacional da Indústria. Mapa estratégico da indústria 2013-2022. – Brasília : CNI, 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 de dez. de 2015.

CNI. Eixos Logisticos: Os Projetos Prioritários da Indústria. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 de nov. de 2015.

CONFEA. Resoluçãonº 1.010, de22 de agosto de 2005. 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 de set. de 2014.

CORREIA, A. M. M. GOMES, M. L. B. Habitat´s de inovação na economia do conhecimento: identificando ações de sucesso. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 2012 .

CORREIA, E. B. Geografia Econômica: inovação e periferia. Qual a relação no desenvolvimento local?Recife: Editora UFPE. 2012.

CORTINA, J. M. What is coefficient alpha? An examination of theory and application.Journal of Applied Psychology, 1993.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of test.Psychometrika. 1951.

CUNHA, F. M. A formação do Engenheiro na Área Humana Social: um estudo de caso no curso de engenharia industrial elétrica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Belo Horizonte: CEFET-MG, 1999.

CUNHA, G. D. Um panorama atual da Engenharia da Produção no Brasil. Porto Alegre, 2002.

CURADO, M. NASCIMENTO, G. M. O Governo Dilma: da euforia ao desencanto. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, v. 36, n. 128, p. 33 – 48, jan./ jun. 2015.

DEMAILLY.L..La qualification oulacompétenceprofessionnelledesenseignements. In: Revue Sociologie du Travail. France, Dunod, nº 3, 1987.

DU, X. SU, L. LIU, J. Developing sustainability curricula using the PBL method in a Chinese context.Journal of Cleaner Production. 2013.

DUTRA, J. S. Gestão por competências: Um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas (5. ed.). São Paulo: Gente, 2001.

DUTRA, J. S.; HIPOLITO, J. M. A.; SILVA, C. M. Gestão de pessoas por competências: o caso de uma empresa do setor de telecomunicações. Revista de Administração Contemporânea, v.1, jan.-mar. 2000.

DUTRA, J.S. Competências: Conceitos e Instrumentos para a Gestão de Pessoas na Empresa Moderna.São Paulo. Atlas: 2008.

EL HARBI, S., ANDERSON, A. R. Institutions and the shaping of different forms of entrepreneurship.The Journal of Socio-Economics, 2010.

FAÉ, C. S. RIBEIRO, J. L. D. Um retrato da engenharia de produção no Brasil. Revista Produção, 2005. Faltam dados da revista

FAISSAL, R., PASSOS, A. E. M., MENDONÇA, M. C. F., Almeida, W. M. C. Atração e seleção de pessoas. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

FAUL, F.; ERDFELDER, E.;LANG, A. G. BUCHNER, A., G*Power 3: a flexiblestatisticalpoweranalysisprogram for the social, behavioral, andbiomedical sciences.2007.Disponível em: . Acesso em: 24 de dez. de 2015. (vc jura que estava estudando no Natal?)

FAULKNER, W. The technology question in feminism: a view from feminist technology studies. In Women’s Studies Internacional Forum, v. 24, n. 1, 2001.

FERREIRA, J. In: NERI, A. (Org.) Gestão de RH por competências e a empregabilidade.5ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2010.

FLEURY, A. O que é Engenharia de Produção. In: BATALHA et al. (Org.) Introdução à Engenharia de Produção. RJ: Elsevier, 2008.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra cabeça caleidoscópico da indústria Brasileira. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

FLEURY, M. T. L.; Fleury, A. Construindo o conceito de competência Rev. adm. contemp.v.5, n. spe. Curitiba: RAC, Edição Especial 2001: 183-196, 2001.

FORZA, C. Survey research in operations management: a process-based perspective. InternationalJournalofOperations&Production Management, 2002.

FURLANETTO, E. L., NETO, H. G. M., NEVES, C. P. Engenharia de Produção no Brasil: Reflexões acerca da atualização dos currículos dos cursos de graduação. Revista Gestão Industrial, 2006.

GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

GARDNER, Howard. Inteligências: Um conceito Reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GAY. P. SALAMAN, G., REES, B. The conduct of management and the management of conduct: contemporary managerial discourse and the constitution of the competent manager. JournalofManagementStudies, 1996.

GEM. GEM Portugal 2010 Report. Portugal, 2010.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social.5.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

GIL, A. C.Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo, Editora Atlas S.A. 2002.

GÍLIO, I. Trabalho e educação: Formação profissional e mercado de trabalho. São Paulo: Nobel, 2000.

GÓMEZ, A. I. Pérez. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GONCZI, A. Competency-based learning: a dubious past - an assured future? In: Boud, D.; Garrick, J. (Orgs.). Understanding learning at work (p. 180-194).London: Routledge, 1999.

GORENDER. J. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo Brasileiro. In: A questão agrária hoje. 3.ed. Porto Alegre, Editora URGS, 2002.

GRECO, S. M. S. S. FRIEND. J. H.R. DUARTE, E. C. V. G. RISSETE, C. R. FELIX, J. C.

GUIMARÃES, T. A. A nova administração publica e a abordagem da competência. Revista Brasileira de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, p. 125 – 140, maio/jun. 2000.

GUSSO, D. A. NASCIMENTO, P. A. M. M. Evolução da formação de engenheiros e profissionais técnico-científicos no Brasil entre 2000 e 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 de dez. de 2015.

GUSSO, D. A.; NASCIMENTO, P. A. M. M. Contexto e dimensionamento da formação de pessoas técnico-científico e de engenheiros. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, v. 12, p. 23– 34, fev, 2011.

HAIR, J. BLACK, W. C. BABIN. B. J. ANDERSON, R. TATHAM, R. L. Multivariate data analysis. New Jersey: Pearson Prentice Hall Upper Saddle River, vol. 6, 2006.

HARBI, S. E.; ANDERSON, A. R. Institutions and the shaping of different forms of entrepreneurship.The Journal of Socio-Economics, v. 39, n. 3, p. 436-444, 2010.

HIRSCH, B. E., THOBEN, K. D. Requirements upon human competencies in globally distributed manufacturing.Computers in Industry, 1998.

IBGE. Análise dos Resultados. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 de set. de 2015.

IBGE. Anuário Brasileiro da Educação Básica. Todos pela Educação. Moderna, 2013. Disponível em: . Acesso em 21 de nov. de 2015.

IBGE. Estados. 2015. Disponível em: . Acesso em 08 de dez. de 2015.

IBGE. Sinopse do Censo Demográfico 2010 - Brasil. 2010. Disponivel em: . Acesso em: 22 de nov. de 2015.

INEP. Acesso e Permanência ao Ensino Superior. Brasília, 2015.

INEP. Trajetória e Estado da Arte da Formação em Engenharia, Arquitetura e Agronomia/Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. – Brasília: Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira; Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, 2010.

JESIEK, B. K, ZHU, Q. Global Engineering Competencies and Cases.American Society for Engineering Education, 2013.

KLEIN-GARDNER, S. WALKER, A. AC 2011-1072: Defining Global Competence for Engineer-Ing Students. American Society for EngineeringEducation, 2011.

KOBER, Claudia Mattos. A qualificação profissional do ponto de vista de trabalhadores da indústria. [S.l.]: ANPED, 2002.

LAMUCCI, S. Estudo do Banco Mundial mostra Brasil como 7ª maior economia do mundo. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 de dez. de 2015.

LATTUCA,L. R. KNIGHT, D. B. BERGOM, I. M. AC 2012-3116: developing a measureofinterdisciplinarycompetence for engineers. American Society for EngineeringEducation, 2012.

LAUDARES, João Bosco; RIBEIRO, Shirlene. Trabalho e Formação do Engenheiro. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos, 2000. Faltam dados da revista

LE BOTERF, G. Desenvolvendo a competência dos profissionais. São Paulo: Artmed e Bookman, 2003.

LEVY-LEBOYER, C. Géstion de lascompetencias. EdicionesGéstion 2000, AS: Barcelona, 1997.

LINS, L. M. SALERNO, M. S. ARAÚJO, B. C. GOMES, L. A. V. NASCIMENTO, P. A. M.M. TOLEDO, D. Escassez de engenheiros no Brasil?.NovosEstudos, 2014.

Lucena, J. DOWNEY, G. JESIEK, B., ELBER, S. Competencies beyond countries: The re-organization of engineering education in the United States, Europe, and Latin America.Journal of Engineering Education 97: 433-447., 2008.

MACHADO, L. A institucionalização da logica das competências no Brasil. Pró – Posições. Campinas, v. 13n.1 p. 92 – 110. Jan. / Abr. 2002.

MAGDALENA, W.; UZIAK, J.; OLADIRAN, M. T.; BAEZA, C. C.; PAEZ, P. T. Industry Expectations of Mechanical Engineering Graduates. A Case Study in Chile.International journal of engineering education, vol. 29, ed. 1, pp. 181-192, 2013.

MAROCO, J. Garcia-Marques, T. Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas?Laboratório de Psicologia, 2006.

MÁSCULO, F. S. Um Panorama da Engenharia de Produção. ABEPRO. 2009. Disponível em: . Acesso: 19 denov.de 2015.

MASSON, M. A. C.; SERRA, E. G.; SARAIVA, S. B. C. Students’ Trajectories, Entrance Exams Processes and Pedagogical Practices: a Study on Institutional Practices, Professor-Students Relations and Academic Performance in Engineering Courses. 9 th International Conference on Engineering Education. San Juan. 2006.

McCLELLAND, D. C. Testing for Competence rather than Intelligence.American Psychologist, p. 1-14, jan. 1973.

MEC. Instituições de Ensino Superior e Cursos Cadastrados. Sistema e – MEC. Ministério da Educação, 2015. Disponível: http://emec.mec.gov.br/. Acesso em: 14/12/2015.

MIGUEL, P. A. C. Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. v.17, n.1. São Paulo, jan./abr. 2007.

MIRABILE, R. J. Everything you wanted to know about competency modeling.Trainning& Development, 1997.

NORONHA, D. P., Ferreira, S. M. S. P. Revisões da Literatura. In: Campello, B.S., Cendón, B.v. e Kremer, J.M. Fontes de Informação para Pesquisadores e Profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

NORONHA, D. P.; FERREIRA, S. M. S. P. Revisões da Literatura. In: Campello, B.S., Cendón, B.v. e Kremer, J.M. Fontes de Informação para Pesquisadores e Profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, p. 191-198, 2000.

OLIVEIRA, A. H. O. SILVA, M. L. N. S. CURI, N. NETO, G. K. SILVA, M. A. ARAUJO, E. F. Consistência hidrológica de modelos digitais de elevação (mde) para definição da rede de drenagem na sub-bacia do horto florestal terra dura, Eldorado do Sul, RS. R. Bras. CI. solo, 2012.

OLIVEIRA. V., BARBOSA. C., CHRISPIM. E. Cursosde engenharia de produção: crescimento e projeções. In: XXV ENEGEP, 2005, Porto Alegre. Anais.

PAIVA, K. C. M.; MELO, M. C. O. L. Competências profissionais docentes e sua gestão em universidades mineiras.In: EnGPR, 2, 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2009.

PARKINSON, A.The rationale for developing global competence. Online Journal for Global Engineering Education 4: 1-15. 2009.

PATON, R. A.; WAGNER, R.; MACINTOSH, R. Engineering education and performance: The German machinery and equipamentsector.International Journal of Operation & Production Management, 2012.

PEINADO, J. Fernandes, H. R. Estratégia, competências e desempenho em empresas de pet shop: evidências de um levantamento em Curitiba. R.Adm., São Paulo, v.47, n.4, p.609-623, out./nov./dez. 2012.

PEREIRA, M. A. C. Competências para o ensino e a pesquisa: um survey com docentes de engenharia química. UNESP: São Paulo, 2007.

PEREIRA, M. A. C. Gestão por Competências: Uma sistematização de estudos recentes no Brasil. In: XXII Simpósio de Engenharia de Produção. Bauru: Anais do XXII SIMPEP, 2005.

PIANA, MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

PINTO, F. M., GOMES, G. B. Seleção por competência: Ficção ou possibilidade? Psicol. Argum., Curitiba, v. 30, n. 71, p. 621-630, out./dez. 2012.

PIRES, Antonio J. F.A sustentabilidade ambiental e os cursos de graduação em engenharia de produção da UFSCAR(campus Sorocaba) e a EESC/USP: uma análise da sintonia de duas matrizes curriculares e as necessidades da indústria química segundo os indicadores de sustentabilidade ambiental recomendados pela ABIQUIM/Antonio Jorge Ferreira Pires. – Araraquara: Centro Universitário Araraquara, 2013.

PORTAL BRASIL. Norte lidera crescimento regional no País, informa Banco Central. 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 de dez. de 2015.

PRADO JUNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 1980.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G.The core competence of the corporation.Harvard Business Review, 1990.

RAMOS, M. N. A educação profissional pela pedagogia das competências e a superfície dos documentos oficiais. Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 80, set. 2002.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez. 2001.

RESENDE, P. & PAULA, G. Inovações modernizantes e novos requisitos da formação profissional: um estudo de caso na indústria automobilística Brasileira.In: XXIV ANPAD, Florianópolis, 2000.

RESNICK, L. Students performance portfolios, in psychology and educational practice, ed. Walbergandhaertel, McCutchan, p. 158-175, 1997.

RICARDO, E. C. Discussão acerca do ensino por competências: problemas e alternativas. Cadernos de pesquisa v. 40 n. 140, p. 605 – 628. maio/ago. 2010.

ROCHE. J. A dialética qualificação-competência: estado da questão. In: TOMASI, A. (org.). Da qualificação à competência pesando o século XXI. Campinas: Papirus, 2004. (p. 75-92).

ROPÉ, F. TANGUY, L. (Org.). Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, 1997.

SANDBERG, J. Human competence at work.Göteborg: BAS, 1996.

SANTOS, F. C. A. Potencialidades de mudanças na graduação em Engenharia de Produção geradas pelas diretrizes curriculares. Produção (São Paulo), São Paulo - SP, v. 12, n. 2, p. 26-39, 2003.

SANTOS, P. F. O desempenho profissional do engenheiro de produção : um estudo sobre suas competências e habilidades na visão das empresas. Dissertação de Mestrado. Universidade Metodista de Piracicaba. 2015.

SEBRAE. Critérios e Classificação de Empresas: MEI – ME – EPP. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 de dez. de 2015.

SENGE, P. M. A. A quinta disciplina. São Paulo: Best-Seller, 1993.

SHAGEEVA, F. T. KRAYSMAN, N. V. Gorodetskaya, I. M. Ivanov, V. G. Socio-psychologicalcompetenceof future engineers.American Society for Engineering Education, 2013.

SILVA, L. P. CECILIO S. A mudança no modelo de ensino e de formação na engenharia. Educação em Revista, Belo Horizonte, 2007.

SILVA, G. C. KORZENOWSKI, A. L. DALL’AGNOL, M. Engenharia de Produção no Norte do Brasil: As competências de ensino na visão dos coordendadores de curso. Espacios, 2016.

SILVEIRA, M, A. A formação do engenheiro inovador: uma visão internacional. Rio de Janeiro PUC-Rio, Sistema Maxwell, 2005.

SPENCER, L. M.; SPENCER, S. M. Competence at work: models for superior performance.New York: John Wiley& Sons, 1993.

STAL, E. , CAMPANARIO, M. de A. Empresas multinacionais de países emergentes: o crescimento das multilatinas. Economia Global e Gestão [online]. 2010.

STREINER, D. L. Being inconsistent about consistency: when coefficient alpha does and doesn´t matter.JournalofPersonalityAssessment. 2003.

SUFRAMA. Modelo de Zona Franca. 2015. Disponível em: . Acesso em 20 de nov. de 2015.

SVEIBY, K. E. A Nova Riqueza das Organizações. Gerenciando e Avaliando Patrimônios de Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TESSECINO . C. Z. SIMON. A. T. SANTOS. P. F. ALEXANDRE. R.Uma análise bibliométrica sobre a gestão do conhecimento na área de engenharia de produção. Revista de Ciência & Tecnologia, 2014.

TOMASI, A. Da Qualificação à Competência. Pensando o século XXI. Campinas, SP: Papirus, 2004.

UNESCO. Desafio e Estratégias. Brasília: UNESCO, 1999.

VERDI, A. R. SILVA, P. R. FRANCISCO, V. L. F. S. AMARO, A. A. BAPTISTELLA, C. S. L. Arranjo Produtivo Local: Identificação das possibilidades da viticultura na Região de Campinas. Agric. São Paulo, São Paulo, 2005.

VIEIRA, F. D. RODRIGUES, C. S. Os estudantes de engenharia e as suas intenções empreendedoras. Revista Produção Online, Florianópolis, SC, v.14, n. 1, p. 242-263, jan./mar. 2014.

WADE, H. National Instruments and The University of Manchester, School of Electrical and Electronic Engineering: a strategic partnership for engineering education.International Journal of Electrical Engineering Education, 2013.

WAGNER, J. A. Comportamento Organizacional: CriandoVantagem Competitiva. Ed. 2ª. SP: Saraiva, 2011.

WANG, Y.; QI, Z.; LI, Z.; ZHANG, L. Institute-Industry interoperation Model: an industry-oriented engineering education estrategy in China. Asia Pacific Educ. Rev., 12, 2011.

WARNICK, G. M. AC 2011-350: Global Competence: Its Importance for Engi – Neers Working a Global Environment. American Society for Engineering Education, 2011.

WEISS, Hugo. De Colônia a Nação. In.: ENCICLOPÉDIA DELTA DE HISTORIA DO BRASIL. Rio de Janeiro: Delta S/A, 1969.

WESTERA, W. Competences in Education: a confusion of tongues. In Journal of Curriculum Studies.33 V. 1, pp.75-88.2001.

WILKINSON, J. (Coord.). Perspectivas do investimento no agronegócio. Rio de Janeiro: UFRJ, Instituto de Economia, 2008/2009. 306 p. Relatório integrante da pesquisa “Perspectivas do Investimento no Brasil”, em parceria com o Instituto de Economia da UNICAMP, financiada pelo BNDES. Disponível em: . Acesso em 13 jan. 2015.

WITTORSKI, R.Da fabricação das competências. In A. Tomasi (Ed.). Da qualificação à competência: Pensando o século XXI (pp. 75-90). São Paulo: Papirus. 2004.

WOODRUFFE, C. Competent by any other name. Personnel Management, p. 30-33, 1991.

ZABALZA, Miguel A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. PortoAlegre: Artmed, 2004.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.

ZARIFIAN, P.O modelo da competência: Trajetória histórica, desafios atuais e propostas.São Paulo: Senac, 2003.

ZWILLINGER, D. & KOKOSKA, S. Standard probability and statistics tables and formulary.Boca Raton, Chapman & Hall/CRC, 2000. 554p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n1-113

Refbacks

  • There are currently no refbacks.