Enriquecimento proteico de barra de cereal com Chlorella vulgaris/ Protein enrichment of cereal bar with Chlorella vulgaris

Ana Paula Costa Câmara, Vitória Regina Lima do Nascimento, Fabiana Rodrigues de Arruda Câmara, Túlio de Araújo Nascimento, Robson Rogério Pessoa Coelho, Alexandra Simão do Nascimento, Leila Laise Souza Santos, Lupercio Luizines Cavalcanti Filho

Abstract


A microalga do gênero Chlorella é rica em micronutrientes, possui elevado teor de clorofila, proteínas, vitaminas, sais minerais e ácidos graxos, sendo considerada GRAS pelo FDA, podendo, portanto, ser utilizada como alimento sem causar risco à saúde humana. As barras de cereal são produtos que podem ser elaborados com uma diversidade de ingredientes nutricionais e funcionais capazes de atender consumidores preocupados com uma vida saudável. Neste estudo, a Chlorella vulgaris foi utilizada em diferentes concentrações no desenvolvimento de uma barra de cereal, trazendo inovação na utilização das microalgas no mercado. A C. vulgaris foi cultivada em meio orgânico e floculada sem adição de reagente químico, o perfil proteico da biomassa liofilizada foi obtido para estabelecer a quantidade de biomassa a ser adicionada nas barras, que foram submetidas à análise de composição centesimal e avaliação sensorial, incluindo atributos de aparência, sabor, textura e impressão global. O resultado do teor de proteínas da biomassa algal foi de 36,61 %. As barras de cereal enriquecidas com a Chlorella vulgaris apresentaram valores médios de proteína acima do encontrado em barra de cereal comercial (4 %), sendo 10,93 % no tratamento com adição de 8 g (T1) e 9,89 % com adição de 2,5 g de biomassa (T2). A formulação em T2 obteve resultados satisfatórios em todos os aspectos sensoriais avaliados, com índices de aceitabilidade superiores a 77,78 %, enquanto o T1 apresentou resultados insatisfatórios na análise sensorial. Deste modo, a adição da microalga C. vulgaris como fonte de proteína, se apresenta uma alternativa promissora e com caráter inovador na biotecnologia de alimentos.


Keywords


Microalga; Biotecnologia; Análise sensorial; Inovação.

References


ANDRADE, M. R. & COSTA, J. A. V. Cultivo da microalga Spirulina platensis em fontes alternativas de nutrientes. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 32, n.5,p. 1551-1556, 2008.

BAÚ, T.R.; CUNHA, M.A.A.; CELLA, S.M.; OLIVEIRA, A.L.J.; ANDRADE, J.T. Barra alimentícia com elevado valor proteico: formulação, caracterização e avaliação sensorial. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, Paraná, v. 4, n. 1, p. 42-51, 2010.

BICUDO, C.E.M., & MENEZES, M. Introdução: As algas do Brasil. In: FORZZA, R.C.(Org). Catálogo de plantas e fungos do Brasil. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Andrea Jakobsson Estúdio: Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. Vol. 1.

BRASIL, Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005, Agência Nacional De Vigilância Sanitária - Anvisa; Aprova O "Regulamento Técnico Para Produtos De Cereais, Amidos, Farinhas E Farelos", Diário Oficial da União, Brasília (DF), de 23 de setembro de 2005.

BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre Padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da união, Brasilia –DF.

CARDOSO, A.S.; VIEIRA, G. L. G.; MARQUES, A. K. O uso de microalgas para a obtenção de biocombustíveis. Revista Brasileira de Biociências, v. 9, n. 4, p. 542-549. 2011.

COSTA, E. B.; SILVA, D. C.; MONTEIRO, P. S.; ALMEIDA, M. E. F. Elaboração e análise sensorial de barras de cereais com farinha da casca de maracujá. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v.18, n.3, p.243-254, 2016.

DAMASCENO, I. A. M.; Desenvolvimento de barra de cereal enriquecida com biomassa de Arthospira platensis. Programa de pós-graduação em ciência e tecnologia de alimentos. Palmas- TO. 2016.

FARIA, A.C.E.A.; HAYASHI, C.; SOARES C.; FURUYA, W.M. Dinâmica da comunidade fitoplanctônica e variáveis físicas e químicas em tanques experimentais submetidos a diferentes adubações orgânicas. Acta Sci Biol Sci 2001; 23: 291-297.

FARIA, E. V.; YOTSUYANAGI, K. Técnicas de Análise Sensorial. Campinas: ITAL/ LAFISE, 2002. 116 p.

FREITAS, D.G.C.; MORETTI, R.H. Caracterização e avaliação sensorial de barra de cereais funcional de alto teor proteico e vitamínico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 26, n. 2, p. 318-324, 2006.

GARCIA, R.W.D.; CANESQUI, A.M. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. Alimentação e saúde nas representações e práticas alimentares do comensal urbano. 20 ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 306, 2005.

GRANADOS-MACHUCA C, BUCKLE-RAMÌREZ LF. Cultivo de las microalgas Monochrysis lutheri y Skeletonema costatum con nutrientes producidos por estercoles digeridos. An Inst Cienc del Mar y Limnol Univ Nal Auton México 1984; 11: 241-256.

GRIZOTTO, R. K.; MENEZES, H. C. Avaliação da aceitação de "chips" de mandioca. . Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 23, p. 79-86, 2003.

LITTLEPAGE, J. L. Oceanografia: manual de técnicas oceanográficas para trabalhos em laboratório e a bordo. EUFC, Fortaleza, Brasil, 100 pp. 1998.

LOURENÇO, S. O. Cultivo de Microalgas Marinhas – princípios e aplicações - São Carlos: RIMA, 2006. V.1, 588 p.

MENEZES, R. S.; LELES, M. I. G.; SOARES, A, T.; FRANCO, P. I. B. M.; FILHO, N. R. A. Avaliação da potencialidade de microalgas dulcícolas como fonte de matéria-prima graxa para a produção de biodiesel. Revista Química Nova, v. 36, n. 1, 10-15, 2013.

MUÑOZ-PEÑUELA, M., RAMÍREZ-MERLANO J. A., OTERO-PATERNINA, A. M., MEDINA-ROBLES, V. M, CRUZ-CASALLAS, P. E., VELASCO-SANTAMARÍA, Y.M. Effect of culture medium on growth and protein content of Chlorella vulgaris. Revista Colombiana de Ciencias Pecuarias, Medellín, v.25, n.3, p. 438-449, 2012.

PULZ O., GROSS W. 2004. Valuable products from biotechnology of microalgae. Appl Microbiol Biotechnol 65:635-48.

SAMPAIO, C. R. P.; FERREIRA, A. A.; CORREA, M. C. L. B.; PUMAR, M. Verificação da informação nutricional em rotulagem quanto à designação "light" de cereais em barra: uma pesquisa de mercado. In: Congresso Brasileiro de Nutrição (CONBRAN); Nutrição e Qualidade de Vida: enfrentando desafios. Anais, Campo Grande, 2004.

SILVA, D.M.S. ET AL. Estudo da secagem da fibra residual do maracujá. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 2, n. 1, p.15-28, 2008.

TEIXEIRA, C. M. L. L., KIRSTEN, F. V., TEIXEIRA, P. C. N. Evaluation of Moringa oleifera seed flour as a flocculating agent for potential biodiesel producer microalgae. Journal Applied Phycology. 24 :557–563, 2012.

TEIXEIRA, E.; MEINERT, E.M.; BARBETTA, P.A. Análise sensorial de alimentos. Florianópolis: Editora da UFSC, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-164

Refbacks

  • There are currently no refbacks.