Desvantagens do desmame precoce e o papel do enfermeiro/ Disadvantages of early weaning and the role of nurses

Doralice Barbosa Vieira

Abstract


Desde tempos remotos, buscou-se encontrar substitutos ao leite materno para desmamar mais cedo as crianças já que os prejuízos dessa prática eram desconhecidos. Atualmente, o desmame precoce é tema de debates a nível mundial pois, anualmente acarreta mortes ou doenças em milhares de crianças, sendo que algumas destas só se refletirão na fase adulta da vida.  Metodologia e Objetivos: por meio de revisão bibliográfica, buscaram-se elucidar os motivos que levam as mulheres a desmamarem os filhos antes do tempo recomendado; quais as principais doenças e problemas no desenvolvimento dos infantes, incluso das parturientes, que essa prática pode desencadear; abordar as políticas e leis que, hoje, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde, asseguram as mães no sentido de manterem um aleitamento exclusivo nos primeiros seis meses de vida do bebê e, a partir daí, procederem ao desmame natural, mantendo o aleitamento alternado até pelo menos os dois anos de idade. Também buscou-se elucidar como o enfermeiro é essencial para acompanhar essa dupla e garantir que as recomendações dos órgãos de saúde sejam efetivadas. Dessa forma, por meio deste trabalho foi possível depreender que o sucesso da prevenção ao desmame precoce somente será alcançado com o esforço coletivo das famílias, os profissionais da área saúde, o Estado e pelo enfoque na conscientização de toda a sociedade.

 


Keywords


Desmame Precoce; Enfermeiro; Problemas; Amamentação; Bebê.

References


ALMEIDA, Jordana Moreira de; LUZ, Sylvana de Araújo Barros; UED, Fábio da Veiga. Apoio ao aleitamento materno pelos profissionais de saúde: revisão integrativa da literatura. Revista Paulista de Pediatria, 2015, 33(3):355-362. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rpp/v33n3/0103-0582-rpp-33-03-0355.pdf> (Acesso em 09.Out.2019).

ALVES, Elaine Aparecida. Fatores determinantes do desmame precoce: um estudo de revisão bibliográfica. 48F. Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família) – Universidade Federal de Minas Gerais. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Faculdade de Medicina. Disponível em:< https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3727.pdf> (Acessado em 10.Mar.2020)

BRASIL. Lei nº 13.509, de 22 de novembro de 2017. Dispõe sobre adoção e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil). Diário Oficial da União. 2017. Disponível:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13509.htm#art1> (Acessado em 24.Out.2019).

BRASIL. Lei Nº 13.257 de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm> (Acessado em 12.Abr.2020).

BRASIL, Lei nº 13.872, de 17 de setembro de 2019. Estabelece o direito de as mães amamentarem seus filhos durante a realização de concursos públicos na administração pública direta e indireta dos Poderes da União. Diário Oficial da União. Disponível: (Acessado em 10.Out.2019)

BUENO, Karina de Castro Vaz Nogueira. A importância do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade para a promoção de saúde da mãe e do bebê. 2013. 35 f. Monografia (Especialização em Saúde da Família) – Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde de Coletiva, Uberaba, Minas Gerais. Disponível:< https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4276.pdf> (Acesso em 10.Out.2019).

CASTILHO, Silvia Diez; FILHO, Antônio de Azevedo Barros. Alimentos utilizados ao longo da história para nutrir lactentes. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, 2010; 86(3):179-188. Doi:10.2223/JPED.1984 Disponível: (Acessado em 10.Out.2019).

CMULHER. Projeto de lei 1654/2019. Dispõe sobre o direito à amamentação em público, tipificando criminalmente a sua violação. Disponível:< https://observatoriocrianca.org.br/agenda-legislativa/temas/saude-recem-nascido/5793-camara-pl-1654-2019#tramite > (Acessado em 10.Out.2019).

FARIAS, Suelen; WISNIEWSKI, Danielle. Aleitamento materno x desmame precoce. Revista Uningá Review V.22, n.1, pp. 14-19 Abr–Jun.2015. ISSN online 2178-2571 Disponível:< http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1624/1235> (Acesso em 09.Out.2019).

GOMES, Juliane Monteiro de Figueiredo; CARVALHO, Maria Claudia da Veiga; FERREIRA, Francisco Ramão; et al. Amamentação no Brasil: discurso científico, programas e políticas no século XX. In: PRADO, SD., et al. orgs. Estudos socioculturais em alimentação e saúde: saberes em rede. [online]. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016. Sabor metrópole series, vol. 5, pp. 475-491. ISBN: 978-85- 7511-456-8. Disponível: (Acessado em 10.Ou.2019)

JURUENA, Gabrielle Seidl; MALFATTI, Carlos Ricardo Maneck. A história do aleitamento materno: dos povos primitivos até a atualidade. Revista Digital de deportes - Buenos Aires - Año 13 - Nº 129 - Febrero de 2009. Diponível: (Acesso em 08.Out.2019).

NEVES, Maria Cristina Ananias. Amamentação – um direito que ultrapassa os limites da lei. Revista dos Tribunais n.967.10 maio 2016. Direito Constitucional. Disponível: (Acessado em 09.Out.2019).

LAMOUNIER, Joel Alves; CHAVES, Roberto Gomes; REGO, Maria Albertina Santiago Rego; BOUZADA, Maria Cândida Ferrarez. Iniciativa Hospital Amigo da Criança – 25 anos de experiência no Brasil. Artigo de revisão. Revista paulista de Pediatria, vol.37 no.4 São Paulo Out./Dez. 2019. Print version ISSN 0103-0582 On-line version ISSN 1984-0462. Disponível em:https://doi.org/10.1590/1984-0462/;2019;37;4;00004> (Acessado em 12.Mar.2020).

MINISTÉRIO DA CIDADANIA, Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. Mulheres do Bolsa Família têm direito a benefício durante e depois da gravidez. Notícias – Benéficio Social. MDS março, 2016. Disponível em: (Acessado em 15.Mar.2020).

MINISTÉRIO DA ECONOMIA; Instituto Nacional do Seguro Social. Salário-maternidade: pago no caso de nascimento de filho ou de adoção de criança. Disponível em: (Acessado em 10.Mar.2020).

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria nº 604 de 10 de maio de 2017. Disponível: (Acesso em: 10.Out.2019).

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cadernos de Atenção Básica, no 23. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. – 2. ed. – Brasília. 184 p. Diponível: (Acesso em 10.Out.2019).

OMS – Organização Mundial da Saúde (World Health Organization). National implementation of the baby-friendly hospital initiative, 2017. WHO - Geneve; 2017. License CC BY-NC-SA 3.0 IGO. Disponível: (Acessado em 09.Out.2019).

PRATES, Lisie Alende; SCHMALFUSS, Joice Moreira; LIPINSK, Jussara Mendes. Amamentação: a influência familiar e o papel dos profissionais de saúde. Revista de Enfermagem UFSM. 2014. 4(2):359-367.Disponível:

ROCCI, Eliana; FERNANDES, Aurea Quintella. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014 jan-fev; 67(1): 22-7. Disponível:< http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n1/0034-7167-reben-67-01-0022.pdf> (Acessado em 10.Out.2019).

SANTOS, Geysa Mayara Rosa dos; COSTA, Sâmea Lanessa Batista; MENDONÇA, Brenda de Oliveira Monteiro; BARROS, Eda Jaqueline; et al. Mitos e crenças sobre aleitamento materno que levam ao desmame precoce nas estratégias saúde da família no município de Firminópolis-GO. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 4, 2015, p (179-202), 2014 ISSN 18088597 1. Disponível: (Acesso em 10.Out.2019).

SOUZA, Silvana; ARAÚJO, Rosalia; TEIXEIRA, Jules Ramon; et al. Aleitamento materno: Fatores que influenciam o desmame precoce entre mães adolescentes. Revista de enfermagem UFPE on line. Recife. 10(10):3806-13, out., 2016. Disponível: (acesso em 10.out.2019).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-162

Refbacks

  • There are currently no refbacks.