A Indicação Geográfica da Cachaça: Um instrumento de desenvolvimento regional e de Inovação / The Geographical Indication of Cachaça: An instrument for regional development and innovation

Valdir Silva da Conceição, Angela Machado Rocha, Marcelo Santana Silva, Paula Meyer Soares, Jerisnaldo Matos Lopes

Abstract


O presente trabalho objetiva apresentar como o registro da Indicação Geográfica da cachaça se constitui fator de inovação. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica com a utilização de artigos, dissertações, teses, manuais e a legislação específica para a cachaça. O registro de uma Indicação Geográfica (IG) no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) se constitui em um fator importante para o detentor do registro e também para os usuários do produto ou serviço, uma vez que o mesmo garante a qualidade e originalidade. Além de preservar o saber-fazer, abre campo para inserção no mercado tanto interno como externo, garantindo a restreabilidade do produto, conferindo credibilidade e continuidade do negócio, que é um fator condicionante da inovação. O registro da IG de cachaça confere   à organização um determinado monopólio e também abertura de nicho específico, além de ter um papel relevante na valorização e proteção dos aspectos culturais, históricos, econômicos e sociais do país. A certificação do registro de uma IG, voltada para a tipologia bebida alcoólica, especificamente a cachaça, é entendida como uma inovação, porque o detentor do registro se insere no grupo que possuem produtos diferenciados em relação aos similares existentes no mercado, atestando que o mesmo possui qualidade intrínseca, identidade reconhecida no mercado, tendo sido o produto submetido a uma certificação rigorosa por órgão competente pertinente.


Keywords


Indicação Geográfica, Cachaça, Inovação, Desenvolvimento.

References


ALLAIRE, G.; SYLVANDER, B. Qualité spécifique et systèmes d’innovation territoriale. Cahiers d’Economie et Sociologie Rurales, n. 44, 1997.

BARBOZA, Ricardo Augusto Bonotto; MENEGHIN, Maria Cristina; SANTOS, Vitor Rocha dos; FONSECA, Sérgio Azevedo; FARIA, João Bosco. Efeito do envelhecimento na qualidade da cachaça produzida por pequenos produtores. Rev. Ciênc. Ext. v.6, n.2, p.46-56, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

BESSANT, J. Challenges in innovation management. In: SHAVININA, L. V. (Org.). The International Handbook on Innovation. Oxford: Elsevier Science, 2003. parte X, cap. 1

BRAGA, Marcus Vinicius Fernandes; KIYOTANI, Ilana Barreto. A cachaça como patrimônio: turismo cultura e sabor. Revista de Turismo Contemporâneo – RTC, Natal, v. 3, n. 2, p. 254-275, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

BRASIL. Lei 9.279, de 14 de maio de 1996. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

______. Decreto nº 9.658 de 28 de dezembro de 2018. Disponível em: . Acesso em 23 fev. 2019.

______. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. Luiz Otávio Pimentel (Org,) 4. ed. Florianópolis: MAPA/FUNJAB, 2014. 415 p. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2019.

BRUCH, Kelly Lissandra. Uma breve introdução à implementação das indicações geográficas no Brasil. Revista Jus Navigandi, 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

CALLON, M. Dos estudos de laboratório aos estudos de coletivos heterogêneos, passando pelos gerenciamentos econômicos. Sociologias, v. 10, n. 19, 2008.

CERDAN, C.; VITROLLES, D. Valorisation des produits d’origine : contribution pour penser le développement durable dans la Pampa Gaúcha au Brésil. Géocarrefour, v. 83, n. 3, 2008.

CORAL, Eliza; OGLIARI, André; ABREU, Aline França de. (Org.). Gestão integrada da inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. São Paulo: Atlas, 2008. 269 p.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor – práticas e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

EYMARD-DUVERNAY, F. L’économie des conventions entre économie et sociologie. In: STEINER, P.; VATIN, F. (eds.). Traité de sociologie économique. Paris: PUF, 2009.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 34ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

GURGEL, Viviane Amaral. Aspectos jurídicos da indicação geográfica. In: LAGES, Vinicius; LAGARES, Léa; BRAGA, Christiano. Valorização de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificações para competitividade nos negócios. Brasília: Sebrae, 2005. p. 45-58

INSTITUTO BRASILEIRO DA CACHAÇA. Notícias do IBRAC. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

______. Mercado interno. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

______. Informações à imprensa. 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

______. Mercado externo. 2019. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (BRASIL). Indicações Geográficas. Relação de Indicações Geográficas depositadas e concedidas atualizada em 5/02/2014. Disponível em:

. Acesso em: 24 fev. 2019.

KON, Anita. Ecossistemas de inovação: a natureza da inovação em serviços. RACEF, v. 7, n.1, ed. Especial, p. 14-27, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

MACCARI, Lauren Dal Bo Roncato. Certificação de cachaça: como diferenciar seu produto: conheça os procedimentos para agregar valor a sua cachaça por meio da certificação. Brasília: Sebrae, 2013. Disponível em: . Acesso em 23 fev. 2019.

MARINS, Maíra Freixinho. CABRAL, Danièle Hervé Quaranta. O papel da Indicação Geográfica como propulsor da inovação e do desenvolvimento local: caso Vale dos Vinhedos. Cad. Prospec.., Salvador, v. 8, n. 2, p. 406-414. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

MARQUES, Bartolomeu das Neves; BULCÃO, Camila Santos; LIMA, Ângela Maria Ferreira; LOPES, Jerisnaldo Matos; SILVA, Marcelo Santana. Artefatos de Couro de Ipirá: Potencial de Indicação Geográfica no Território da Bacia Do Jacuípe – Bahia. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 12, n. 5, p. 1598-1611, 2019.

DOI: http://dx.doi .org/10.9771/cp.v12i5 %20Especial.31018

MELLO, Janaina Cardoso de. Na trilha do INPI: registro de Indicação Geográfica (IG) e inovação no artesanato brasileiro. Ideia & Inovação, v. 2, n. 3 , p. 11-20, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

NIEDERLE, Paulo André. Controvérsias sobre a noção de indicações geográficas enquanto instrumento de desenvolvimento territorial: a experiência do Vale dos Vinhedos em questão. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 47., 2009, Porto Alegre. Anais eletrônicos. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

ODELLO, Luigi; BRACESCHI, Gian Paolo; SEIXAS, Fernanda Rosan Fortunato; SILVA, Alexandre Ataíde da; GALINARO; Carlos Alexandre; FRANCO, Douglas Wagner. Avaliação sensorial da cachaça. Quim. Nova, v. 32, n. 7, 2009, São Paulo. Disponível em: .

Acesso em: 23 fev. 2019.

OLIVEIRA, Ana Valéria de; TEIXEIRA, Charlhiene Calais; ANDRADE, Sabrina Jéssica Maura de. Aplicação de hidrociclone ao processo de produção da cachaça de alambique. 2017. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Engenharia Química) – Centro Universitário do Leste de Minas Gerais. Coronel Fabriciano, 2017. Disponível em: . Acesso em 24 fev. 2019.

OMPI - Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI). DL 101P BR - Geographical Indications-IG-4Va. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 4. ed. 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

PIMENTEL, Luiz Otávio. Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: Módulo II: indicação geográfica. 4. ed. Brasília: MAPA, 2014.

PNMA: 30 anos da Política Nacional de Meio Ambiente. Antonio Herman Benjamin, Eladio Lecey, Sílvia Cappelli, Carlos Teodoro José Hugueney Irigaray. (Org,). CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO AMBIENTAL,16. 2011. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

ROCHA, A. M; SOUZA, D. O; SILVA, M. S. Abacaxi de Itaberaba: A Pérola do Nordeste Baiano que Merece ser Protegido/Bahia, Revista INGI Vol.3, n.2, p.320-332. Abr/Mai/Jun, 2019. Disponível em: http://www.ingi.api.org.br/index.php/INGI/article/view/48/48

SCHOENINGER, Vanderleia; COELHO, Silvia Renata Machado; SILOCHI, Rose Mary Helena Quint. Cadeia Produtiva da Cachaça. Energ. Agric., Botucatu, vol. 29, n.4, p.292-300, outubro-dezembro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

SCHUMPETER, Joseph A. A Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

SEBRAE Agronegócio. Mudança do perfil do consumidor de cachaça avaliado na Expocachaça 2014. Disponível em: . Acesso em 24 fev. 2019.

______. Estudo de mercado da cachaça da Bahia. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

SLAPPENDEL, C. Perspectives on innovation in organizations. Organization Studies, V.17, n.1, p.108-128, 1996.

SORATTO, Alexandre Nixon; VARVAKIS, Gregorio; HORII, Jorge. A certificação agregando valor à cachaça do Brasil. Ciênc. Tecnol. Aliment. vol.27, no.4, Campinas, Oct./Dec. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TONIETTO, Jorge. Vinhos brasileiros de 4ª geração: o Brasil na era das indicações geográficas. Bento Gonçalves: Embrapa – Uva e Vinho, Comunicado Técnico, n.45, jun. 2003.

TONINI, Michelle ; PACHECO, Fábio Palczweski. Perspectivas da produção de cachaça no Brasil. Journal of Agronomic Sciences, Umuarama, v.3, n. especial, p.193-201, 2014. Disponível em: . Acesso em 24 fev. 2019.

VICENZI, Marlos Schuk; CARVALHO, José Márcio; THOMÉ, Karim Marini; MEDEIROS, Janann Joslin. Instituições de proteção da indicação geográfica (ig) no mercado internacional: o caso da tequila e os desafios para a cachaça. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 16, n. 1, p. 108-122, 2014.Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

ZAWISLAK, Paulo Antônio. Gestão da inovação tecnológica e competitividade industrial: uma proposta para o caso brasileiro. Organizações e Sociedade, Salvador, v. 2, n. 3, 1994. Disponível em: . Acesso em 25 fev. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-160

Refbacks

  • There are currently no refbacks.