Um olhar para as emissões de gases de efeito estufa dos telhados das moradias do semiárido de Minas Gerais/ A look at greenhouse gas emissions from roof in semiarid region of Minas Gerais state

Luciane Cleonice Durante, Samira Gomes Alencar, Paulo Cesar Venere, Raoni Florentino da Silva Teixeira, Onélia Carmem Rossetto, Olivan da Silva Rabello

Abstract


Os insumos da indústria da construção civil envolvem processos produtivos com elevados gastos energéticos. A adoção de materiais construtivos disponíveis no local, bem como os de baixo processamento industrial, são indicadores de desenvolvimento sustentável, pois minimizam os recursos com energia e transporte, evitando consequentes emissões de gases de efeito estufa. Assim sendo, o objetivo deste estudo é analisar comparativamente a emissão de dióxido de carbono (CO2) proporcionada por Sistemas de Vedação Vertical (SVV) convencionais adotados nas moradias dos assentamentos da reforma agrária – de telhas de fibrocimento e cerâmica, associadas à forro de PVC - e a tipologia cascaje, uma telha de ferrocimento moldada no local da obra. A metodologia consistiu na elaboração da contabilidade das emissões de carbono dos SVVs analisados, desde o processo produtivo dos componentes até o transporte do seu local de fabricação até um assentamento na região do semiárido mineiro. Os resultados obtidos revelam a cascaje com 12 e 29% a menos emissão, comparado ao SVV de telha cerâmica e de fibrocimento, respectivamente. Desta forma, os resultados subsidiam projetos futuros que com foco nas habitações de baixo impacto ambiental em assentamentos da reforma agrária brasileira.


Keywords


Emissão de CO2. Cascaje. Telhas convencionais.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS – ABNT. NBR 15310. Componentes cerâmicos — Telhas — Terminologia, requisitos e métodos de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TECNICAS – ABNT. NBR 7581-1. Telha ondulada de fibrocimento. Parte 1: Classificação e requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2014.

BENITE, A. Emissões de carbono e a construção civil. Disponível em: . Acesso em: 23 de abr. 2019.

BRASIL. Decreto Legislativo nº 144, de 2002. Aprova o texto do Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, aberto a assinaturas na cidade de Quioto, Japão, em 14 de dezembro de 1997, por ocasião da Terceira Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2002. Disponível em: encurtador.com.br/syOPT. Acesso em: 06 de maio, 2019.

BRASIL. Lei nº 12.188, de 11 de janeiro de 2010. Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária - PNATER. Brasília, DF: Presidência da República, [2010]. Disponível em: encurtador.com.br/frs26. Acesso em: 23 de abr. 2019.

CAIXA ECONOMICA FEDERAL. CEF. SINAPI – Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil. Custos de Composição Analítico. Data da emissão: 15/04/2008.

CAIXA ECONOMICA FEDERAL. CEF. Cadernos técnicos de composições para argamassas. Versão 01. Vigência: 08/2019. Disponível em: http://www.caixa.gov.br/Downloads/sinapi-composicoes-aferidas-lote1-habitacao-fundacoes-estruturas/SINAPI_CT_MT1_ARGAMASSAS_v001.pdf

COSTA, B. L. C. Quantificação das emissões de CO2 geradas na produção de materiais utilizados na construção civil no Brasil. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2012.

HAMMOND, G. JONES, C. Inventory of Carbon e Energy (ICE). University of Bath, UK, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Censo 2010. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 11 jun. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Informaçõe sobre dados estatísticos nacionais. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: maio 2019.

INSTITUTO NACIONAL DA REFORMA AGRÁRIA. INCRA. Incra nos Estados - Informações gerais sobre os assentamentos da Reforma Agrária. Disponível em: http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php. Acesso em: 01 de mai. 2020.

LENGEN, V. J. Manual do arquiteto descalço. Porto Alegre: Livraria do arquiteto, 2004.

LIMA, E. M.; FERNANDES, R. T. V.; DANTAS, S. L. Quantificação de CO2 emitido decorrente dos materiais empregados na construção de uma residência unifamiliar. In: Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC’2018. Maceió, 2018.

MOYA, J. A., PARDO, N., MERCIER, A. Energy Efficiency and CO2 Emissions: Prospective Scenarios. 2010.

RANGEL, J. Bioarquitetura no Tibá: mais que um curso, uma experiência de vida. 27/06/2017. In: Sustentarqui. Disponível em: https://sustentarqui.com.br/curso-de-bioarquitetura-no-tiba/. Acesso em: Maio 2010.

SANTOS, F. P., BLASIUS, J. P., SILVA, P. L., KEMERICH, P. D. C. Quantificação das emissões de CO2 dos materiais utilizados na construção de uma residência em Caçapava do Sul/RS. In: XIV ENEEAmb, II Fórum Latino e I SBEA – Centro-Oeste, Brasília, 2016.

INTERNATIONAL STANDART ORGANIZATION. ISO 14040: Environmental Management – Life Cycle Assessment – Principles and Framework. 2009.

TAVARES, S. F. Metodologia de análise do ciclo de vida energético de edificações residenciais brasileiras. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) Universidade de Santa Catarina. Florianópolis, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-149

Refbacks

  • There are currently no refbacks.