O conceito de integralidade para superar a segmentação das dimensões biológica, psicológica e social do HIV/ Aids / The concept of integrality to overcome the segmentation of the biological, psychological and social dimensions of HIV / Aids

Welligtelma Chagas Lima, Tatiane Dias de Moraes Rêgo, Thayane de Moraes Rêgo Ribeiro Pinto Barros

Abstract


 O presente trabalho é um ensaio de cunho teórico que discute os limites e possibilidades de superar o paradigma biomédico em saúde para tratar das doenças oportunistas em pessoas com HIV/AIDS. Para tanto, recorreu às contribuições de Minayo (1997), para tratar da dimensão sociocultural dos processos de saúde e doença; de Arthur Schafer (1991) e Bowser (2002), para tratar da dimensão sociocultural especificamente da AIDS; de Erving Goffman (1978), com o conceito de estigma; de Gregory Herek (1999), para tratar do estigma social no caso da AIDS; com Pereira (et. al. 2011), para apresentar o paradigma biopsicossocial; e, por fim, Kippax e Stephenson (2012), com a proposta de superar a distinção entre as dimensões social, psicológica e biológica nas abordagens em saúde. Apesar de não superar completamente as distinções entre as instâncias biológica, psicológica e social, por ser orientada para e pela prática e por não tratar tais instâncias de modo fragmentado, a noção de integralidade em saúde parece ser mais a mais avançada e promissora para a proposta do presente trabalho.


Keywords


Integralidade em Saúde. Paradigma biomédico. Doenças oportunistas. Paradigma biopsicossocial. Estigma.

References


AYRES, J.R.C.M. et al. Caminhos da integralidade: adolescentes e jovens na Atenção Primária à Saúde. COMUNICAÇÃO SAÚDE EDUCAÇÃO v.16, n.40, p.67-81, jan./mar. 2012

BARRETO, R.S. Estigma pode agravar sofrimento mental, revela pesquisa da ENSP. 2016. Disponível em http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/391 09. Acesso em Fev. de 2018.

BOWSER, Benjamim. The social dimensions of the AIDS epidemic: A sociology of the AIDS epidemic.International Journal of Sociology and Social Policy · May 2002.

BRASIL. Prevenção Combinada do HIV/Bases conceituais para profissionais, trabalhadores(as) e gestores(as) de saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017

CARNUT, Leonardo. Cuidado, integralidade e atenção primária: articulação essencial para refletir sobre o setor saúde no Brasil. Saúde Debate | Rio De Janeiro, V. 41, N. 115, P. 1177-1186, OUT-DEZ 2017.

DALMOLIN B.B.; BACKES D.S.; ZAMBERLAN C.; SCHAURICH D.; COLOMÉ J.S.; GEHLEN M.H.. Significados do conceito de saúde para docentes. Esc Anna Nery (impr.) 2011 abr -jun; 15 (2):389-394.

FRACOLLI, L. A.; ZOBOLI E. L. P.; GRANJA G. F.; ERMEL R. C. Conceito e prática da integralidade na Atenção Básica: a percepção das enfermeiras. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2011, 45(5):1135-41.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HEREK, M. G. AIDS and Stigma. American Behavioral Scientist, vol. 42, nº 7, april 1999.

KIPPAX, Susan Kippax; STEPHENSON, Niamh. Beyond the distinction between biomedical and social dimensions of HIV. American Journal of Public Health, May 2012, Vol 102, No. 5.

MINAYO, M. C. S. Saúde e doença como expressão cultural. in AMÂNCIO FILHO, A., and MOREIRA, MCGB., orgs. Saúde, trabalho e formação profissional [online]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1997. 138 p. ISBN 85-85471-04-2. Available from SciELO Books .

MINAYO, Maria Cecília De Souza. O desafio do conhecimento – Pesquisa Qualitativa em Saúde. 3 ed. HUCITEC-ABRASCO: São Paulo-Rio de janeiro, 1994.

O’COFAIGH, Emma; LEWTHWAITE, Penny. Natural history of HIV and AIDS.MEDICINE, 2013, 41:8.

PAIM, J. S. Reforma sanitária brasileira: contribuição para compreensão crítica. 2007. 300 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

PEREIRA, Thaís Thomé Seni Oliveira; BARROS, Monalisa Nascimento dos Santos; AUGUSTO, Maria Cecília Nobrega de Almeida. O Cuidado em Saúde: o Paradigma Biopsicossocial e a Subjetividade em Foco. Mental - ano IX - nº 17 - Barbacena-MG - jul./dez. 2011 - p. 523-536.

SÁ JÚNIOR, Luís Salvador de Miranda. Desconstruindo a definição de saúde. Jornal do Conselho Federal de Medicina (CFM) jul/ago/set de 2004, pg 15-16. Em:http://www.portalmedico.org.br/index.asp?opcao=bibliotecaJornalJulAgoSet2004.

SCHAFER, Artur. AIDS: The social dimension. In Christine Overall & William Zion (eds.), Perspectives on Aids: Ethical and Social Issues. Oxford University Press (1991)

SCHATZ, K; GUFFEY, W; MACCIA, M; TEMPLIN, M; RECTOR, K. Pharmacists’ impact on opportunistic infection prophylaxis in patients with HIV/AIDS. Journal of Hospital Infection, 2016. doi:10.1016/j.jhin.2016.09.016.

SCLIAR, Moacyr. História do Conceito de Saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):29-41, 2007.

SILVA, Luana. et. al. Abordagem teórica das infecções oportunistas neurológicas em pcientes com HIV/AIDS. Revista Em FOCO Nº 27/2017 - ISSN 2319-037X.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-127

Refbacks

  • There are currently no refbacks.