A perspectiva qualitativa nos estudos sobre as identidades sociais e projetos de mobilidade socioterritoriais / Qualitative perspective in studies on social identities and socioterritorial mobility projects

Lidiane Maria Maciel, Gisele Maria Ribeiro de Almeida

Abstract


O artigo tem como objetivo discutir a partir de duas experiências de pesquisas empíricas as potencialidades e os desafios do uso de entrevistas qualitativas e descrições etnográficas nas pesquisas relacionadas aos processos migratórios contemporâneos. Salienta-se que as duas técnicas anteriormente citadas estão em consonância com as definições e exigências dos objetos de pesquisa das investigadoras: os projetos de mobilidade e a construção de identidades sociais no processo migratório. O acesso às questões, de cunho estrutural e particular, vivenciadas pelos migrantes e suas famílias foi possibilitado pelo trabalho intensivo de campo que impôs as pesquisadoras diferentes desafios na busca de novas interpretações. Assim, o intuito maior é colaborar com a discussão metodológica nos estudos de mobilidade na contemporaneidade.

 

 


Keywords


técnicas de pesquisa empírica, mobilidade, identidade, projetos migratórios.

References


BACELLAR, O. I. de B.; LIMA, G. P. Causas e tendências do processo migratório piauiense. Teresina, Fundação CEPRO, 1990.

BAENINGER, R. “Rotatividade Migratória: um novo olhar para as migrações internas no Brasil”. REMHU - Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana. Brasília, vol. 20, n. 39, dezembro de 2012b. p. 77-100. Disponível em: www.csem.org.br/remhu/index.php/remhu/article/view/332. Acesso em: 18 Fev. 2013.

BATTAGLIOLA, F. et al. A propos des biographies: regards croisés sur questionnaires et entretiens, Population, 48e année, n°2, 1993, pp. 325-346

BLANCHET, A. Dire et faire dire: l’entretien. Paris: Armand Colin, 2003. 172 p.

BLANCHET, A.; GOTMAN, A. L’entretien: l’enquête et ses méthodes. Paris: Armand Colin, 2012. 126 p.

BRITO, F. “As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes”. Texto para discussão, nº 366, UFMG/Cedeplar, 2009. 20 p. Disponível em: www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/td/TD%20366.pdf. Acesso em: 13 Mai. 2013

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil & Lisboa: Difel, 1989.

_______. A ilusão biográfica. In: Amado, J.; Ferreira, M. M. (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996. pp. 183-191.

_______. Efeitos do lugar. In: Bourdieu, P. (coord). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2001, pp. 159-166

_______. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

______. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp. Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

_______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2011.

COURGEAU, D. “Concepts de base”. In: Methodes de mesure de la mobilite spatiale: migrations internes, mobilite temporaire, navettes. Paris: Editions de l'Institut National d’Études Demographiques, 1988.

DIAS, G.; SOUZA, C. N. Lidando com fronteiras móveis: um estudo sobre as táticas de mobilidade urbana de brasileiros em Londres. Terceiro Milênio - Revista Crítica de Sociologia e Política, v. 8, p. 186-209, 2017.

DIMINESCU, D. Le migrant dans un système global de mobilités. In: CORTÈS, G.; FARET, L. (orgs) Les circulations transnationales: lire les turbulences migratoires contemporaines. Paris: Armand Colin, 2009, p. 211-224.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

FREITAS, P. T. Projeto costura: percursos sociais de trabalhadores migrantes, entre a Bolívia e a indústria de confecção das cidades de destino. Tese de Doutorado – Sociologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

HIRAI, S. Siguelos símbolos del terruño: Etnografía multilocal y migración transnacional. In: ARIZA, M. e VELASCO, L. (org) Metodologia Qualitativa para el estúdio de las migraciones internacionales. UNAM México, 2012.

KNOWLES, C. Nas trilhas de um chinelo. Uma jornada pelas vias secundárias da globalização. São Paulo. Annablume, 2017.

GRASMUCK S; PESSAR, P. Between Two Islands Dominican International Migration. Berkeley: University of California Press.1991.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter, 1967.

HALL, S. Identidade cultural e diáspora. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 24 (1), 1996, p.68-75.

MARCUS, G. E. Etnografía en/del sistema mundo. El surgimiento de la etnografía multilocal. In: Alteridades, vol. 11, núm. 22, julio-diciembre, pp. 111-127.

MENEZES, M. A. de. “Migrações e mobilidades: repensando teorias, tipologias e conceitos” In: TEIXEIRA, Paulo Eduardo; BRAGA, Antonio Mendes da Costa e BAENINGER, R (org.) Migrações: implicações passadas, presentes e futuras. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 21-40.

MA MUNG, E. “Le point de vue de l’autonomie dans l’étude des migrations internationales: ‘penser de l’interieur’ les phénomènes de mobilité”. In: DUREAU, Françoise et HILY, Marie-Antoinette (dirs). Les mondes de la mobilité. Rennes: Presses universitaires de Rennes, 2009. p. 25-38

MILLS, W. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1965. 246 p.

POUPART, J. A entrevista de tipo qualitativo: considerações epistemológicas, teóricas e metodológicas. In: POUPART, J. et al (org) A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2010, pp. 215-251

SÁNCHEZ, L, R. Las trayectorias en los estúdios de migración: Una herramienta para el análisis longitudinal cualitativo. In: ARIZA, M. e VELASCO, L. (org) Metodologia Qualitativa para el estúdio de las migraciones internacionales. UNAM México, 2012

SINGER, P. Migrações internas: considerações teóricas sobre o seu estudo. In: MOURA, H. (Org.). Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil S.A., [1976]1988.

QUEIROZ, M. I. P. de. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: CERU e FFLCH, 1983. 182 p.

TARRIUS, A. Territoires circulatoires et espaces urbains. Différenciation des groupes migrants. Les Annales de la Recherche Urbaines. n. 59-60. Paris. France. 1994.

TOGNI, P. C. A Europa é o Cacém: mobilidades, gênero e sexualidade nos deslocamentos de jovens brasileiros para Portugal. Lisboa: ISCTE-IUL, 2014. Tese de doutoramento. Disponível em http://hdl.handle.net/10071/8679. Acesso em 11 Jul 2018.

VELHO, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-128

Refbacks

  • There are currently no refbacks.