Florística, fitossociologia e caracterização ecológica numa área de capoeirão de Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco / Floristic, phytosociology and ecological characterization in a low forest area of Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco

Lucas Galdino da Silva, Carlos Frederico Lins e Silva Brandão, Mayara Dalla Lana, Anderson Francisco da Silva, Anderson Arthur Lima dos Santos, Nivandilmo Luiz da Silva, Anne Carolyne Silva Vieira, Andréa de Vasconcelos Freitas Pinto

Abstract


O objetivo deste trabalho foi analisar a florística, fitossociologia e as estrutura diamétrica e hipsométrica do componente arbóreo adulto, juntamente com classificação sucessional e síndrome de dispersão em uma área de capoeirão localizada no município de Cabo de Santo Agostinho, PE. Pra esse estudo, foi realizado um censo (inventário 100%) em uma área de 24 ha, onde foram mensurados, em altura e diâmetro, todos os indivíduos com circunferência a altura do peito (CAP) ≥ 15 cm, além de identificados e classificados quanto aos grupos ecológicos e síndrome de dispersão. Observou-se a ocorrência de 343 indivíduos distribuídos em 13 famílias botânicas e 24 espécies arbóreas. Espécies exóticas invasoras apresentaram maiores valores de densidade, porém com baixa riqueza na área, mas que podem comprometer o desenvolvimento do processo de sucessão ecológica. Os grupos ecológicos indicaram estágio inicial de sucessão já que apresentou maior número de espécies secundárias iniciais e pioneiras. A dispersão predominante é a zoocórica que demonstrou suma importância para manutenção da diversidade na área, mas que pode comprometer o desenvolvimento em decorrência da presença de espécies exóticas invasoras que são mais favorecidas na dispersão por animais dos que as espécies nativas. A estrutura diamétrica apresentou o padrão de J-invertido. A disposição das classes de alturas apresentou posicionamento dos indivíduos nas classes centrais, com diferença significativa para espécies de outras classes. O valor do índice de diversidade Shannon (H) foi de 1,93 nats.ind-¹, considerado baixo em relação aos remanescentes florestais estabelecidos na região. A área apresentou mais espécies exóticas que nativas, o que pode comprometer a sua continuidade.

 

 


Keywords


Fitossociologia, espécies invasoras, grupos ecológicos, dispersão.

References


ALMEIDA, D. S. D. Recuperação ambiental da mata atlântica / Danilo Sette de Almeida. – 3. ed. rev. e ampl. – Ilhéus: Editus, 2016. 200p.: il

ALMEIDA, S. R., WATZLAWICK, L. F., MYSZKA, E., & VALERIO, A. F. Florística e síndromes de dispersão de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista em sistema faxinal. Ambiência, v. 4, n. 2, p. 289-297, 2008.

AZEVÊDO, J. K. C. Percepção dos proprietários sobre a biodiversidade de suas florestas e a necessidade de incentivos econômicos para sua conservação na APA Aldeia-Beberibe, Pernambuco. 2015. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco.

BRANDÃO, C. F. L. S. Estrutura do componente arbóreo e da regeneração natural em fragmentos de floresta atlântica de diferentes tamanhos, em Sirinhaém, Pernambuco. 2013. 108 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2013. Disponível em: . Acesso em 20 de abril de 2020.

BRANCALION, P.H.S., VIANI, R., RODRIGUES, R.R, GANDOLFI, S. Avaliação e monitoramento de áreas em processo de restauração. In: Martins SV, editor. Restauração ecológica de ecossistemas degradados. 2. ed. Viçosa: Editora UFV; 2015.

BRANDÃO, C. F., MARANGON, L. C., FERREIRA, R. L., & LINS, A. C. Estrutura fitossociológica e classificação sucessional do componente arbóreo em um fragmento de floresta atlântica em Igarassu-Pernambuco. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 4, n. 1, p. 55-61, 2009.

CALEGARIO, N.; AL, E. Parâmetros florísticos e fitossociológicos da regeneração natural das espécies arbóreas nativas no sub-bosque de povoamentos de Eucalyptus, Viçosa-MG, v. 17, n. 1, p. 16-29, 1992.

CARIELO, P.; CAMPOS, L. B.; PEREIRA, V. T. Y.; HENRIQUES, N. P. Levantamento fitossociológico do fragmento da trilha “capitão do campo” no parque estadual do Aguapeí, estado de São Paulo. Brazilian Journal of Development. Curitiba. v. 5, n. 12, p. 29881- 29896, 2019.

CARPANEZZI, A. A., COSTA, L. D., KAGEYAMA, P. Y., CASTRO, C. D. A. Espécies pioneiras para recuperação de áreas degradadas: a observação de laboratórios naturais. In: Embrapa Florestas-Artigo em anais de congresso (ALICE). Silvicultura, São Paulo, v. 12, n. 42, t. 3, p. 216-221, 1992., 1992.

CHAVES, A. D. C. G., DE SOUSA SANTOS, R. M., DOS SANTOS, J. O., DE ALBUQUERQUE FERNANDES, A., & MARACAJÁ, P. B. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido, v. 9, n. 2, p. 43-48, 2013.

CHAZDON, R. L. Renascimento de florestas: regeneração na era do desmatamento. São Paulo: Oficina do Texto. 2016.

COLA, R. E. ; NOBRE, S. C. M. ; Farias, D. S. ; SILVA, L. G. ; PINTO, A. V. F. ; BRANDAO, C. F. L. E. S. . Fitossociologia e síndrome de dispersão em um trecho de floresta atlântica, em Paulista - PE. Agropecuária Científica no semi-árido, v. 15, p. 213-218, 2019.

DAMASCENO JUNIOR, G. A. Estudo florístico e fitossociológico de um trecho de mata ciliar do rio Paraguai, pantanal-MS, e suas relações com o regime de inundação. Tese (Mestrado em Biologia Vegetal) – Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, p.122. 1997.

DA NÓBREGA, A. M. F., VAIERI, S. V., DE PAULA, R. C., DA SILVA, S. A., & RÊGO, N. H. Uso da fitossociologia na avaliação da efetividade da restauração florestal em uma várzea degradada do rio Mogi Cuaçu, SP. Scientia Forestalis/Forest Sciences, p. 51-63, 2007.

DA SILVA, R. K. S., FELICIANO, A. L. P., MARANGON, L. C., DE ANDRADE LIMA, R. B., & DOS SANTOS, W. B. Estrutura e síndromes de dispersão de espécies arbóreas em um trecho de mata ciliar, Sirinhaém, Pernambuco, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 32, n. 69, p. 1, 2012.

DE ESPÉCIES INVASORAS, GISP-Programa Global. América do Sul invadida. A crescente ameaça das espécies exóticas invasoras. 80p, 2005.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. A EMBRAPA, 2019. Disponível em: < https://www.embrapa.br/agrossilvipastoril/sitiotecnologico/trilha-ecologica/especies/embauba>. Acesso em: 3 de fevereiro de 2020.

GAMA, E. A. MORFOLOGIA DA Curatella americana L. NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ, Belém-PA, v. II, n. 2, 2013.

GIEHL, E. L. H.; BUDKE, J. C. Aplicação do método científico em estudos fitossociológicos no Brasil: em busca de um paradigma. FELFILI, JM et al. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, v. 1, p. 23-43, 2011.

GUIMARÃES, M. A. Frugivoria por aves em Tapirira guianensis (Anacardiaceae) na zona urbana do município de Araruama, estado do Rio de Janeiro, sudeste brasileiro. Atualidades Ornitológicas, N. 116, nov/dez, 2003.

GUSSON, A. E.; ARAUJO, G. M.; RODRIGUES, R. F. 2. Estrutura espacial e síndrome de dispersão de espécies arbóreoas de um cerradão espacial e síndrome de dispersão de espécies arbóreoas de um cerradão em Araguari, MG. II simpósio Internacioal Savanas Tropicais, Brasília-DF, II, n. p.1-7, 2008.

HOROWETZ, C.; MARTINS, C. R.; WALTER, B. M. T. Flora Exótica no Parque Nacional de Brasília: Levantamento e Classificação das Espécies. Biodiversidade Brasileira, Brasília, v. 3, n. 2, p. 50-73, 2013.

INSTITUTO HÓRUS- Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Análise de risco para plantas exóticas. Syzygium cumini. 2012. Disponível em:< http://www.institutohorus.org.br/download/AR%20Plantas%20Horus/AR%20Plantas%20Syzygium%20cumini.pdf>. Acesso em 05 de Maio de 2020.

JANZEN, D.H. Spondias mombin is culturally deprived in megafauna-free forest. Journal of Tropical Ecology, v.1, p.131-155. 1985.

LEÃO, T. C., ALMEIDA, W. R., DECHOUM, M. D. E. S., & ZILLER, S. R. Espécies exóticas invasoras no Nordeste do Brasil: contextualização, manejo e políticas públicas. Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste e Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Recife, PE, p. 33, 2011.

LIMA, R. B. A. ESTRUTURA, REGENERAÇÃO NATURAL E CICLAGEM DE NUTRIENTES EM FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DAS TERRAS BAIXAS, NA ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO. 2017. 150 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, 2017. Disponível em: . Acesso em 20 de abril de 2020.

LIMA, R. B. A.; SILVA, R. K. S.; DEPAULA, M. D.; GUIMARÃES, E. T. R; BRAGA, E. C. B. Estrutura fitossociológica e diamétrica de um fragmento de Mata Atlântica, Pernambuco, Brasil. Revista Desafios. v. 04, n. 04, 2017

LUZ, C. L. S. Anacardiaceae R. Br. na Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-27042012-123436/publico/Cintia_Luz.pdf. Acesso em 20 de abril de 2020.

MACHADO, S. A. et al. Distribuição diamétrica de Araucaria angustifólia (Bert.) O. Ktze. Em um fragmento de floresta ombrófila mista. Scientia Agraria, Curitiba, v.10, n.2, p. 103-110, 2009.

MARCUZZO, S. B.; VIERA, M.; SALIN, M. Regeneration under the Canopies of Native Species in a Restoration Area. Floresta Ambiente. v. 27, n. 1. Seropédica. 2020

MENDONÇA, R. C.; FELFI LI, J. M.; WALTER, B. M. T.; SILVA JÚNIOR, M. C.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S. & NOGUEIRA, P. E. 2008. Flora Vascular do Cerrado. Pp. 289-556. In: S. M. Sano & S. P. Almeida (eds). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, EMBRAPA-CPAC.

MIGUEL, E.P. et al. Using the Weibull function for prognosis of yield by diameter class in Eucalyptus urophylla stands. Cerne, Lavras, v. 16, n.1, p. 94-104, 2010.

MIRANDA NETO, A., MARTINS, S. V., SILVA, K. A., GLERIANI, J. M. Estrato de regeneração natural de uma floresta restaurada com 40 anos. Pesq. flor. bras., Colombo, v. 32, n. 72, p. 409-420, out./dez. 2012.

NETTO, P. S.; BRENA, D. Inventário florestal. Curitiba: edição dos autores, 1997.

NUNES, S. D. S. S. Estimativas de biomassa e carbono e indicadores para restauração de florestas secundárias em Paragominas, Pará. 2011. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

OLIVEIRA, A. K. M., NUNES, A. C., & FARIAS, G. C. Predation of Curatella americana seeds by Aratinga aurea parrots. Revista Brasileira de Biociências, v. 10, n. 4, p. 526, 2012.

OLIVEIRA, L. S., MARANGON, L. C., FELICIANO, A. L. P., DE LIMA, A. S., CARDOSO, M. D. O., & DA SILVA, V. F. Florística, classificação sucessional e síndromes de dispersão em um remanescente de Floresta Atlântica, Moreno-PE. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 6, n. 3, p. 502-507, 2011.

PFEIFFER, M., CHENG TUCK, H., & CHONG LAY, T. Exploring arboreal ant community composition and co‐occurrence patterns in plantations of oil palm Elaeis guineensis in Borneo and Peninsular Malaysia. Ecography, v. 31, n. 1, p. 21-32, 2008.

PIER - Pacific Island Ecosystems at Risk. Syzygium cumini. Disponível em:< http://www.hear.org/pier/species/syzygium_cumini.htm> . Acesso em: 05 de Maio de 2020.

PINTO, A. V. F., SILVA, M. A. M., DE LIMA LEITE, A. V., DO NASCIMENTO, L. M., LINS, A. C. B., & RODAL, M. J. N. Floristic and structure of the arboral community of a regenerating fragment of Atlantic Forest, Igarassu, Pernambuco, Brazil. Revista Agro@mbiente On-line, v. 12, n. 2, p. 145-155, 2018.

POTT, V. J. et al. Plantas nativas para recuperação de áreas degradadas e reposição de vegetação em Mato Grosso do Sul. Embrapa Gado de Corte-Comunicado Técnico (INFOTECA-E), 2002.

PUIG, C. J. Carbon Sequestration Potential of Land Cover Types in the Agricultural Landscape of Eastern Amazonia, Brazil. Cuvillier Verlag, 2005.

RIDLEY, H.N. 1981. Notes of the botany of Fernando de Noronha. Jour. Linn. Soc. (Botany) 27: 1-95.

SAMPAIO, A. B.; SCHMIDT, I. B. Espécies exóticas invasoras em unidades de conservação federais do Brasil. Biodiversidade Brasileira, n. 2, p. 32-49, 2014.

Sampaio, A. C. F., Ecker, E. A., Marangoni, C. J. M., Fiorese, L. M. R., Sordi, E. A. ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS NA ARBORIZAÇÃO DE VIAS PÚBLICAS DE TRÊS BAIRROS DE CAMPO MOURÃO-PR. Campo Digital, v. 6, n. 1, 2011

SANTANA JÚNIOR, J. A. Composição, estrutura e diversidade em fragmento de mata atlântica no município de São Cristóvão, Sergipe. São Cristóvão, SE, 2019. 58 f. : il. Dissertação (mestrado em Agricultura e Biodiversidade) – Universidade Federal de Sergipe, 2019.

SILVA, M. I. O. Avaliação ecológica de áreas ciliares em processo de restauração florestal na zona da mata norte, Pernambuco. Dissertação (Mestrado) 96 f – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais, Recife, BR-PE, 2017.

STILES, F.G. & ROSSELLI, L. 1983. Consumption of fruits of the Melastomataceae by birds: how diffuse is coevolution?. Vegetation, p. 107/108: 57-75.

TABARELLI, M., & PERES, C. A. Abiotic and vertebrate seed dispersal in the Brazilian Atlantic forest: implications for forest regeneration. Biological Conservation, v. 106, n. 2, p. 165-176, 2002.

VILÀ, M., ESPINAR, J. L., HEJDA, M., HULME, P. E., JAROŠÍK, V., MARON, J. L.; PYŠEK, P. Ecological impacts of invasive alien plants: a meta‐analysis of their effects on species, communities and ecosystems. Ecology letters, v. 14, n. 7, p. 702-708, 2011.

WWW.FLORADOBRASIL.JBRJ.GOV.BR. Espécies da Flora do Brasil. Reflora, 12 de Maio de 2019. Disponivel em: .

WWW.TROPICOS.ORG. Missouri Botanical Garden. Tropicos, 12 de Maio 2020. Disponivel em: . Acesso em: 05 Janeiro 2019.

ZILLER, S. R. Plantas exóticas invasoras: a ameaça da contaminação biológica. Ciência Hoje. 2001; 30(178): 77-79.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-118

Refbacks

  • There are currently no refbacks.