Os cursos de licenciatura em pedagogia e a formação matemática do professor de anos iniciais: Refletindo acerca das brechas na formação inicial / The licensing courses in pedagogy and the mathematical training of the teacher of early years: Reflecting about the breaches in the initial training

Caroline Tavares de Souza Clesar, Lucia Maria Martins Giraffa

Abstract


Acreditamos que os problemas relacionados à aprendizagem de Matemática têm sua origem nos anos iniciais, no qual os estudantes deveriam aprender toda a base do conhecimento matemático, desde o conceito de número até noções de geometria e estatística básica. Esta idiossincrasia gerada pela expectativa de que os ingressantes no curso já saibam Matemática e necessitem apenas aprender as questões didáticas a ela associada acaba repassando a responsabilidade para esta formação ao estudante de Pedagogia e não para seu curso. Ou seja, a lacuna na formação do Pedagogo pode levar à insegurança e a não afeição à Matemática, podendo este sentimento ser repassado para seus estudantes. Nestes tempos pandêmicos de Educação Remota Emergencial, além da questão relacionada a conteúdos de Matemática, emergem as questões relacionadas a fluência digital e uso de matérias digitas on-line. Neste artigo apresentamos algumas reflexões a partir de investigação de cunho qualitativo-exploratória, na qual utilizou-se como fonte primária a análise currículos de cursos de Licenciatura em Pedagogia ofertados por Intuições de Educação Superior do estado do Rio Grande do Sul (RS) a fim de analisar a inserção de disciplinas relacionadas à Matemática. Utilizou-se, ainda, como instrumento de coleta de dados uma entrevista com professores de anos iniciais. Os achados nos mostraram que na maioria dos currículos o foco é a Didática da Matemática e não na revisão ou estruturação de conteúdos e conceitos relacionados a Matemática, tais resultados foram ratificados pelas entrevistas realizadas. Pressupõe-se que os estudantes de Pedagogia tenham domínio dos conteúdos a serem ensinados e que estes tenham sidos adquiridos na sua formação no Ensino Fundamental, pregressa à sua entrada na Educação Superior, fato este que não parece se confirmar. Além do fato das questões relacionadas ao uso de Tecnologias Digitais serem tradas de forma tangencial em disciplinas de didática da matemática sem a devida reflexão formativa, fato este que agrava o fazer docente, especialmente quando a sociedade está impulsionada a adotar estratégias pedagógicas emergenciais apoiadas em material on-line.


Keywords


Ensino de Matemática. Formação Docente. Licenciatura em Pedagogia. Ensino Remoto Emergencial.

References


BAUMANN, A. P. P.; BICUDO, M. A. V. Cursos de pedagogia e de matemática formando professores de matemática para os anos iniciais do ensino fundamental: em busca de uma compreensão. Zetetiké, v. 18, n. 34, p. 181-204, 2010.

CAZORLA, I. M.; SANTANA, E. R. dos S. Concepções, atitudes e crenças em relação à Matemática na formação do professor da Educação Básica. Publicação da 28ª Reunião Anual da ANPED, 2005.

DANTE, L. R. Didática da resolução de problemas de matemática. São Paulo: Ática, 2000.

DINIZ, R. S. A matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: as professoras, suas concepções e práticas. Revista de Educação, Ciência e Matemática, v. 2, n. 2, p. 15-27, 2012.

GATTI, B. A.; NUNES, M. M. R. (2009). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, Matemática e ciências biológicas. Textos FCC, 29, 155.

GATTI, B.A. (Org.). Análises pedagógico-curriculares para os cursos de licenciatura vinculados às áreas de artes, biologia, história, língua portuguesa, matemática e pedagogia no âmbito da Uab e Parfor. Documento Técnico. Brasília: Unesco/MEC/Capes, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Diretrizes curriculares da pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educação e Sociedade, v. 27, n. 96, p. 843-876, 2006.

LIMA, S. M.; CARVALHO, A. de L. A formação do pedagogo e o ensino da Matemática: as concepções de ensino que permeiam a prática de professores. IN: SILVA, A. C. da; CARVALHO, M.; RÊGO, R. G. do (Org.). Ensinar Matemática: Formação, Investigação e Práticas Docentes. Cuiabá: EdUFMT, 2012.

LINS, R. C. Matemática, monstros, significados e educação matemática. In: BORBA, M. de C.; BICUDO, M. A. V. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 92-120.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANDARINO, M. C. F. A escola “desfaz” o gosto pela matemática?. Encontro Nacional De Educação Matemática, v. 7, p. 01-14, 2004.

MORAES, C. M. de; MELLO E SOUZA, J. C. de; BEZERRA, M. J. Apostilas de Didática Especial da Matemática. Lisboa: Ministério da Educação e Cultura, 1970.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise Textual Discursiva. 2 ed. rev. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. DA S.; PASSOS, C. L. B. A MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: TECENDO FIOS DO ENSINAR E DO APRENDER. 2 ED. BELO HORIZONTE: AUTÊNTICA EDITORA, 2015.

NASCIMENTO, P. A. de S. Formação de professores para as tecnologias da informação e comunicação nos cursos de licenciatura em Pedagogia da UFG. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Goiás. Jataí, 2019.

NÓVOA, A. O regresso dos professores. 2011. Pinhais: Melo,2011.

______. Diz-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa. In: FAZENDA, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2 ed. Campinas: Papirus, 1997. p. 29-41.

ONUCHIC, L. de la R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004. p. 213 – 231.

PAPERT, S. Logo: computadores e educação. São Paulo: Editora Brasiliense SA, 1985.

PEREZ, G. Prática reflexiva do professor de matemática. In: BORBA, M. de C.; BICUDO, M. A. V. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2009. p. 250-263.

PIMENTA, S. G. Docência no ensino superior. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

______. Formação de Professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G., (org.). Saberes Pedagógicos e Atividade Docente. São Paulo: Cortez, 2002, pp. 15-34.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. das G. C. Docência no ensino superior. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005. (Coleção Docência em Formação)

PINTO, K. SILVA, J. A FORMAÇÃO INICIAL DOS FUTUROS PROFESSORES PARA O USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: UMA ANÁLISE DAS MATRIZES CURRICULARES DE CURSOS DO RIO GRANDE DO SUL. REVISTA DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA, V. 3, N. 2, P. 227-236, 2016.

PIRES, C. M. C. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES DE MUDANÇA. ANAIS DO XV ENCONTRO REGIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. SÃO LEOPOLDO, 2003.

PONTE, J. P. DA; SERRAZINA, M. DE L. DIDÁCTICA DA MATEMÁTICA DO 1. º CICLO. LISBOA: UNIVERSIDADE ABERTA, 2000.

ROCHA, L. P.; FIORENTINI, D. O DESAFIO DE SER E CONSTITUIR-SE PROFESSOR DE MATEMÁTICA DURANTE OS PRIMEIROS ANOS DE DOCÊNCIA. 28A REUNIÃO ANUAL DA ANPED, PETRÓPOLIS: VOZES, V. ÚNICO, P. 1-17, 2005.

SANTALÓ, L. A. Matemática para não-matemáticos. In: PARRA, C.; SAIZ, I. (Org.). Didática da matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artmed, 1996. p. 11-25.

SANTOS, L. L. de C. P. Formação do professor e pedagogia crítica. In: FAZENDA, I. (Org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2 ed. Campinas: Papirus, 1997. p. 17-28.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

TORRES, A. L. de M. M.; DANTAS, D. M. P.; MARTINS, M. I. G. As tecnologias digitais e suas implicações na formação docente. Educação: novas tecnologias e interlocuções. Revista interdisciplinar da PUC Minas do Barreiro, v. 6, n. 12, p. 322-336, 2016.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-113

Refbacks

  • There are currently no refbacks.