Avaliação nutricional de colaboradores de um hotel convention Curitiba/ PR / Nutritional evaluation of contributors of a hotel convention Curitiba/ PR

Andrea Pissatto Peres, Elissy Daleth Purciliana, Paula Jaudy Pedroso Dias Almeida, Flavia Hosaki Silvino da Silva Gomes

Abstract


Introdução: Em uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), o cardápio oferecido deve priorizar a saúde dos seus usuários produzindo refeições nutricionalmente equilibradas auxiliando no desenvolvimento de hábitos alimentares saudáveis. Objetivo: Realizar avaliação nutricional de colaboradores de um Hotel Convention em Curitiba/PR que realizam suas refeições no local. Métodos: A UAN citada fornece um sistema de distribuição self-service total e os participantes responderam um questionário sobre o consumo alimentar do almoço, autopercepção de ganho de peso após iniciar o trabalho no Hotel e sobre hábitos alimentares, tais como, repetir a refeição. Durante 7 dias corridos, o cardápio foi analisado quantitativamente para comparar com a recomendação calórica preconizada pelo Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). Por fim, foram coletados dados antropométricos: peso e circunferência abdominal. Para cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), utilizou-se destes dados e da altura referida pelo colaborador. Essa pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Autônomo do Brasil. Resultados: Foram avaliados 50 funcionários, sendo 56% do gênero feminino, com idade média de 38 anos e 34% trabalhavam no local há mais de dez anos. Por meio do questionário, observou-se que 70% dos entrevistados relatou ganho de peso de 5 a 10 kg após o ingresso na empresa, 58% consumiam os doces ofertados no almoço e 17% respondeu que tem o costume de se servir mais de uma vez a mesma refeição. Analisando a composição do cardápio, o valor calórico estava de acordo com as recomendações preconizadas pelo PAT de até 1,200 Kcal no almoço. Porém, deve-se levar em consideração que o sistema distribuição é self-service total, colocando autonomia na quantidade das porções colocadas em seus pratos. Além disso, a UAN localiza-se em um Hotel Convention, onde realiza também eventos gastronômicos. As sobras limpas destes eventos são destinadas ao refeitório dos colaboradores que tem acesso a preparações de alta densidade energética, tais como: pizza, sanduíche e grande variedade de sobremesas. Durante a pesquisa, foi observado que os colaboradores realizam suas refeições e, logo em seguida, das sobras limpas dos eventos. Avaliando o IMC, verificou-se que 54% dos participantes tinham sobrepeso e 16% obesidade grau I. Já os valores de circunferência abdominal estavam acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde em 82% das mulheres avaliadas. Conclusão: Em virtude dos resultados observados, conclui-se que ações em educação alimentar e nutricional aos colaboradores são necessárias e podem ser realizadas pelo nutricionista responsável técnico da referida UAN. É importante também, planejar de forma mais responsável o destino dos alimentos não consumidos nos eventos deste Hotel a fim de proteger a saúde de seus colaboradores.

 

 


Keywords


avaliação nutricional; programa de alimentação do trabalhador; usuários de UAN.

References


Evangelista AMC. O serviço de alimentação da previdência social (SAPS): trabalhadores e políticas públicas de alimentação (1940-1967). ANPUH-RIO: Rio de Janeiro, 2010.

Araujo MPN, Costa-Souza, J, Trad, LAB. A alimentação do trabalhador no Brasil: um resgate da produção científica nacional. Hist. cienc. Saúde Manguinhos. 2010; 17 (4).

Savio KEO, Costa THM, Miazaki E, Schmitz BAS. Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador. Revista de Saúde Pública. 2005; (39)2:148-155.

Colares LGT. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(12).

Teixeira SMFG. Funcionamento das Unidades de Alimentação e Nutrição. In: Administração aplicada Unidade de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Atheneu, 2007:173.

Diretrizes brasileiras de obesidade 2016 / ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. – 4.ed. - São Paulo, SP.

Omari A, et al. Sobrepeso e obesidade. In: MANN, J.M et al. Nutrição Humana. 2009; 1: 256-7.

Godoy-Matos AF, Oliveira J, Guedes EP, Carraro L, Lopes AC, Mancini MC, et al. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010/ ABESO - Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. - 3.ed. - Itapevi, São Paulo : AC Farmacêutica, 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009, análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011.

Guia Alimentar para a População Brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.

Carvalho BC, Koghler TI, Liberal R. Obesidade em restaurante industrial: realidade ou mito?. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2008; 2(7): 100-8. ISSN 1981-9919.

Braga MM, Paternez CAA. Avaliação do consumo alimentar de professores de uma Universidade particular da cidade de São Paulo (SP). Rev. Simbio-Logias. 2011; 4(6).

Rezende CAF, Rosado LPEFL, Ribeiro LCDR. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: Associação com fatores de risco cardiovascular. ArqBrasCardiol. 2006; 87(6): 728-34.

Weitzberg, DL. Terapia oral, enteral e parenteral na prática clínica. 5 ed. Editora Atheneu, 2017.

Gordon CC, Chumlea WC, Roche AF. Stature, recumbent length, and weight. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric Standardization Reference Manual. Illinois: Human Kinetics Books; 1988; 3-8.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-112

Refbacks

  • There are currently no refbacks.