Estudo avaliativo de crianças com transtorno do espectro autístico submetidas a tratamento equoterápico / Evaluative study of autistic children submitted to treatment of equotherapy

Carolina de Lourdes Julião Vieira, Heloisa Bruna Grubits, Jadson Justi

Abstract


O autismo é um transtorno caracterizado pelo comprometimento de habilidades como a interação social e comunicacional e a presença de comportamentos estereotipados é característica marcante na população de acometidos. Sua etiologia ainda não pôde ser comprovada efetivamente pelo meio científico, mas evidências acadêmicas indicam fortemente influências múltiplas no neurodesenvolvimento. Existem graus diferentes de severidade do autismo e, a partir dessa característica, hipotetiza-se que a equoterapia seja capaz de minimizar o grau de severidade do autismo no que tange ao seu comportamento estereotipado, haja vista que os movimentos proporcionados ao praticante quando está no dorso do cavalo podem receber estímulos indispensáveis para melhoras psicomotriciais e multidimensionais. O objetivo deste artigo é descrever possíveis melhoras no grau de severidade de crianças autistas após serem submetidas a tratamento equoterápico. Quanto à metodologia, esta pesquisa engendra-se como descritiva com abordagem qualitativa. A coleta de dados foi realizada em um Centro de Equoterapia no município de Vassouras, Rio de Janeiro, durante 12 semanas consecutivas. Os participantes foram quatro crianças diagnosticadas com autismo e foram avaliadas antes e após serem submetidos ao tratamento equoterápico por meio de dois protocolos denominados de Escala de Comportamento Repetitivo e Childhood Autism Rating Scale, a fim de avaliar e comparar seus resultados. Pôde-se observar que os quatro participantes tiveram melhora na graduação do autismo, após as sessões de equoterapia. Conclui-se que os resultados obtidos por meio da terapia mediada por cavalo podem ser satisfatórios para crianças diagnosticadas com autismo. Os dados encontrados corroborados com outros estudos indicam que o tratamento equoterápico pode se tornar essencial em prol de avanços comportamentais estereotipados e consequentemente favorecer melhores condições psicomotriciais e de qualidade de vida de crianças autistas.


Keywords


Autismo. Equoterapia. Comportamento estereotipado.

References


AGUIAR, R. P.; PEREIRA, S. F.; BAUMAN, C. D. Importância da prática de atividade física para as pessoas com autismo. Journal of Health & Biological Sciences, Fortaleza, v. 5, n. 2, p. 178-183, 2017. Disponível em: https://periodicos.unichristus.edu.br/jhbs/article/download/1147/428. Acesso em: 13 maio 2020.

ALLISON, D. V.; BASILE, V. C.; MACDONALD, R. B. Brief report: comparative effects of antecedent exercise and lorazepam on the aggressive behavior of an autistic man. Journal of Autism and Developmental Disorders, New York, v. 21, n. 3, p. 379-384, 1991.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – DSM-5. 5. ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2014. Disponível em: http://www.clinicajorgejaber.com.br/2015/estudo_supervisionado/dsm.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EQUOTERAPIA. Curso básico em equoterapia. Brasília, DF: ANDE-Brasil, 2014.

BASS, M. M.; DUCHOWNY, C. A.; LLABRE, M. M. The effect of therapeutic horseback riding on social functioning in children with autism. Journal of Autism and Developmental Disorders, New York, v. 39, n. 9, p. 1.261-1.267, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_autismo.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

CIRILLO, L. C. Reeducação pela equitação, reabilitação pela equitação e hipoterapia ou equoterapia [módulo 2]. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EQUOTERAPIA. 1º Seminário multidisciplinar sobre equoterapia. Brasília, DF: ANDE-Brasil, 1992. Apostila. p. 1-9.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (Brasil). Parecer n. 06, 9 de abril de 1997. Métodos terapêuticos sem comprovação científica devem, para sua aprovação definitiva, cumprir a legislação vigente relativa à pesquisa em seres humanos. Brasília, DF, 1997. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/pareceres/BR/1997/6. Acesso em: 13 maio 2020.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 13 jun. 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 13 maio 2020.

DANIELS, A. M.; MANDELL, D. S. Explaining differences in age at autism spectrum disorder diagnosis: A critical review. Autism: The International Journal of Research and Practice, London, v. 18, n. 5, p. 583-597, 2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4775077/pdf/nihms760959.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

DUARTE, E.; BARBOSA, W.; MONTENEGRO, S. Contribuições da equoterapia para o desenvolvimento integral da criança autista. Orientadora: Maria Sandra Montenegro Silva Leão. 2015. 20 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015. Disponível em: https://www.ufpe.br/documents/39399/2406246/DUARTE%3B+BARBOSA%3B+MONTENEGRO+-+2015.1.pdf/122faf24-dfd0-4a0a-8d93-ebc682a03ba8. Acesso em: 13 maio 2020.

DUARTE, L. P. et al. Revisão bibliográfica dos benefícios que Equoterapia proporciona a pacientes com transtorno do espectro autista. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 2, n. 4, p. 2.466-2.477, 2019. Disponível em: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/download/1805/1760. Acesso em: 13 maio 2020.

FREIRE, H. B. G. Equoterapia: teoria e técnica – uma experiência com crianças autista. São Paulo: Vetor, 1999.

FREIRE, H. B. G.; ANDRADE, P. R.; MOTTI, G. S. Equoterapia como recurso terapêutico no tratamento de crianças autistas. Multitemas, Campo Grande, n. 32, p. 55-66, 2005. Disponível em: https://www.multitemas.ucdb.br/multitemas/article/view/709/724. Acesso em: 13 maio 2020.

GARCIA, P. M.; MOSQUERA, C. F. F. Causas neurológicas do autismo. O Mosaico – Revista de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, v. 5, p. 106-122, 2011. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/mosaico/article/viewFile/19/pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

GRUPTA, A. R.; STATE, M. W. Autismo: genética. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 28, p. S29-S38, 2006. Suplemento 1. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbp/v28s1/a05v28s1.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

HAMEURY, L. et al. Équithérapie et autisme. Annales Médico-Psychologiques, Paris, v. 168, n. 9, p. 655-659, 2010.

JUSTI, J.; FREIRE, H. B. G. Equoterapia e reabilitação em saúde. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, Caçador, v. 3, n. 1, p. 42-54, 2014. Disponível em: http://periodicos.uniarp.edu.br/index.php/ries/article/download/233/250. Acesso em: 13 maio 2020.

LANCIONI, G. E.; O’REILLY, M. F. A review of research on physical exercise with people with severe and profound developmental disabilities. Research in Developmental Disabilitie, New York, v. 19, n. 6, p. 477-492, 1998.

LANNING, B. A. et al. Effects of equine assisted activities on autism spectrum disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, New York, v. 44, n. 8, p. 1.897-1.907, 2014.

LEITÃO, L. G. Sobre a equitação terapêutica: uma abordagem crítica. Análise Psicológica, Lisboa, v. 26, n. 1, p. 81-100, 2008. Disponível em: http://publicacoes.ispa.pt/index.php/ap/article/download/478/pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

LOURENÇO, C. C. V. et al. Avaliação dos efeitos de programas de educação física em indivíduos com transtorno de espectro autismo. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 2, p. 319-328, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v21n2/1413-6538-rbee-21-02-00319.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

LUCAS, M. F. S. Processamento executivo na perturbação do espectro do autismo: análise de uma tarefa de controlo inibitório e relação com frequência e tipo de comportamento repetitivo e restrito. Orientador: Miguel Castelo Branco. 2014. 72 f. Dissertação (Mestrado em Neuropsicologia) – Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, 2014. Disponível em: https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/16397/1/Dissertação_finalíssima%20(2).pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

MARCELINO, J. F. Q.; MELO, Z. M. Equoterapia: suas repercussões nas relações familiares da criança com atraso de desenvolvimento por prematuridade. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 23, n. 3, p. 279-287, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/estpsi/v23n3/v23n3a07.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

MARTINEZ, S. L. Fisioterapia na equoterapia: análise de seus efeitos sobre o portador de necessidades especiais. 2. ed. São Paulo: Ideias e Letras, 2005.

MEDEIROS, M.; DIAS, E. Equoterapia: bases e fundamentos. Rio de Janeiro: Revinter, 2002.

O’HAIRE, M. E. Animal-assisted intervention for autism spectrum disorder: A systematic literature review. Journal of Autism and Developmental Disorders, New York, v. 43, n. 7, p. 1.606-1.622, 2013.

PAN, C. Y. Effects of water exercise swimming program on aquatic skills and social behaviors in children with autism spectrum disorders. Autism: The International Journal of Research and Practice, London, v. 14, n. 1, p. 9-28, 2010.

PEREIRA, A.; RIESGO, R. S.; WAGNER, M. B. Childhood autism: Translation and validation of the Childhood Autism Rating Scale for use in Brazil. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 84, n. 6, p. 487-494, 2008. Disponível em: http://www.jped.com.br/conteudo/08-84-06-487/port.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

SANTOS, P. F. B. Educação não formal e equoterapia: o galope do educador na arena da terapia. Orientador: Severino Antônio Moreira Barbosa. 2012. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário Salesiano de São Paulo, 2012. Disponível em: https://unisal.br/wp-content/uploads/2013/03/Dissertação_-Priscila-Fernanda-Bertola-dos-Santos2.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

SEVERO, J. T. Equoterapia: equitação, saúde e educação. São Paulo: Ed. Senac, 2010.

SILVA, C. H. Equoterapia para cegos: teoria e técnica de atendimento. Campo Grande, MS: Ed. UCDB, 2004.

YILMAZ, I. et al. Effects of swimming training on physical fitness and water. Pediatrics International: Official Journal of the Japan Pediatric Society, Carlton South, v. 46, n. 5, p. 624-626, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-077

Refbacks

  • There are currently no refbacks.