Redes de inovação, cooperação universidade-empresa e spin off: estudo de caso café consciência / Coffee consciousness: innovation networks, university-company cooperation and academic spin off

Henrique Croisfelts, Ricardo Augusto Bonotto Barboza, Geralda Cristina de Freitas Ramalheiro, Hernane da Silval Barud

Abstract


A pós-graduação no Brasil vem alcançando de forma positiva seu principal objetivo: a formação de recursos humanos altamente qualificados. Em 25 anos (1987 a 2012), o número de alunos titulados aumentou de 861 para 42.878 no mestrado, e os de doutorado cresceram de 385 para 13.912 ao ano. Por outro lado, há queda na oferta nas vagas empregatícias, tanto na academia quanto na administração pública, dando sinais claros de que este modelo está saturado. Aponta-se que quanto mais elevada a titulação, menor a disponibilidade para empreender. A geração de empresas a partir de pesquisas científicas se mostra como uma alternativa à empregabilidade de doutores, porém o processo de criação de empresa é complexo e multicomposto, não bastando desenvolver um produto ou serviço para tal. Entender as necessidades do mercado, obter autorizações para a comercialização, se posicionar no mercado e conquistar clientes recorrentes se mostra um grande desafio para que pesquisadores gerem empresas a partir de suas pesquisas científicas. O presente artigo relata o processo de formação de rede de pesquisadores e empreendedores para o compartilhamento de dúvidas, oportunidades, recursos, saberes e capacitações e os resultados obtidos ao longo de 3 anos de reuniões no “Café Consciência”. Este processo de formação de rede, de comunicação, capacitação e informações sobre oportunidades contribuiu para a aprovação de mais de 10 projetos nas fases 1 e 2 do PIPE (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas) e a constituição de 5 empresas a partir dos resultados de pesquisas acadêmicas na região de Araraquara/SP.

 

 


Keywords


inovação, empreendedorismo, empreendedorismo acadêmico, start-ups, pesquisa inovativa em pequenas empresas.

References


(CGEE, 2016) Mestres e doutores, 2015. Estudos da demografia de base técnico-científica brasileira. CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ciência, Tecnologia e Inovação. Supervisão Antonio Carlos F Galvão.

ANDRADE, Nathalia Dayrell e CAMPOS,

André Luiz Sica de. A formação para o empreendedorismo acadêmico e o mercado de trabalho acadêmico brasileiro. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, n. 20, jul./dez. 2014.

BIANCHI, R.F. (2019). Empreender como escolha e não como necessidade. Em: Empreendedorismo universitário. André Luís Silva (org) 1ª ed. Jundiaí/SP: Paco Editorial, 2019.

BYGRAVE, W. D. (2004). The entrepreneurial process. In W. D. Bygrave & A. Zacharakis (Eds.). The portable MBA in entrepreneurship. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons.

CORSARO, Daniela et al. The impact of network configurations on value constellations in business markets—The case of an innovation network. Industrial Marketing Management, v. 41, n. 1, p. 54-67, 2012.

CROISFELTS, Henrique e BARUD, Hernane da Silva, 2018). Inovações eficientes e desenvolvimento de características do comportamento empreendedor: uma alternativa para a empregabilidade de doutores – Araraquara, Universidade de Araraquara.

CROISFELTS, Henrique, 2003. Processos Associativos: versões circulantes sobre ação e cidadania entre participantes de uma associação de moradores de bairro. Dissertação de Mestrado. PUC/SP.

DOH, Soogwan; KIM, Byungkyu. Government support for SME innovations in the regional industries: The case of government financial support program in South Korea. Research Policy, v. 43, n. 9, p. 1557-1569, 2014.

FIGUEIRA, J.B. e CARVALHO, T.M.B. Empreendedorismo acadêmico no Brasil: evidências a partir da avaliação da trajetória profissional de ex-bolsistas de iniciação científica, mestrado e doutorado. Trabalho de conclusão de curso. Gestão do Comércio Internacional e Gestão de empresas à Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas. (2015)

GARCIA, et al. Empreendedorismo acadêmico no Brasil: uma avaliação á criação de empresas por alunos universitários. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v.1, n.3, 2012.

GII, 2019). https://www.globalinnovationindex.org/gii-2019-report

HEMPHÄLÄ, Jens.; MAGNUSSON, Mats. Networks for Innovation – But What Networks and What Innovation?. Creativity And Innovation Management. Volume 21 Number 1 2012 doi:10.1111/j.1467-8691.2012.00625.x

Hoffmann, M. G.; Mohamed Amal, M.; Mais, I. Estratégia, estrutura e redes de cooperação: relações com a capacidade de inovação de um cluster têxtil. Revista de administração FACES Journal, Belo Horizonte,· v.10,· n.4, p.63-85, out./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

IPIRANGA, A. S. R., FREITAS, A.A.F. e PAIVA, T.A. O empreendedorismo acadêmico no contexto da interação Universidade – Empresa – Governo. CADERNOS EBAPE. BR, v. 8, nº 4, artigo 7, Rio de Janeiro, Dez. 2010

MACLELLAND, D. (1965). Achievement motivation can be developed. Harvard Business Review, 43(6), 178-188

MCGUIRK, Helen; LENIHAN, Helena; HART, Mark. Measuring the impact of innovative human capital on small firms’ propensity to innovate. Research Policy, v. 44, n. 4, p. 965-976, 2015. Schumpeter, Joseph A. CAPITALISMO, SOCIALISMO E DEMOCRACIA. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

MCKENZIE, B., UGBAH, S e NORMAN, S. "Quem é um empreendedor?" Ainda é a pergunta errada? Revista Academia de Empreendedorismo . ISSN: 1087-9595

NASSIF, V. M.J, GOBRIL, A.N. e N.S. SILVA, Understanding the Entrepreneurial Process: a Dynamic Approach. Brazilian Administration Rewiew, Curitiba, v. 7, n. 2, art. 6, pp. 213-226, Apr./June 2010 www.anpad.org.br/bar

RUSSO. Suzana Leitão el al (2020). Transferência de conhecimentos e empreendedorismo inovador. Aracaju, Backup Books Editora.

SCHWARTZMAN, 1988________________. Brazil: Opportunity and Crisis in Higher Education", Higher Education (17), 1, 1988.

SILVA, André Luís et al (2019). Empreendedorismo Universitário – 1.ed.- Jundiaí (SP): Paco editorial, 2019.

Tödtling, F.; Lehner, P.; Kaufmann, A. Do different types of innovation rely on specific kinds of knowledge interactions? Technovation, v.29, n.1, p.59–71, 2009. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2014.

Transferência de Conhecimentos e Empreendedorismo Inovador. Suzana Leitão Russo (Organizadora). Aracaju: Backup Books Editora; Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual, 2020.

Vaan, M. Interfirm networks in periods of technological turbulence and stability. Research Policy, v.43, n.10, p.1666–1680, 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2015

VELLOSO, A. (2014), A pós-graduação no Brasil: legados e desafios. Almanaque multidisciplinar de pesquisa, 1 (1), 4-15. http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/amp/article/view/2648/1241.

VELU, Chander. Business model innovation and third-party alliance on the survival of new firms. Technovation, v. 35, p. 1-11, 2015.

VIOTTI, E. B. et al (2010), Doutores 2010: estudos da demografia da base técnicocientífica brasileira.

Vitoreli, M. C.; Gobbo Junior, J. A. O papel das redes de transformação no processo de inovação: estudos de caso sobre a descoberta e a comercialização da inovação. Produção, v.23, n.3, p.723–734, 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

Zheng, S.; LI, H.; Wu, X. Network resources and the innovation performance: Evidence from Chinese manufacturing firms. Management Decision, v.51, n.6, p.1207–1224, 2013.

PIPE/FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas – www.pipe/fapesp.br

LIF (Leaders Innovation Fellowships), da RAENG (The Royal Academy of Engineering – www.raeng.gov.uk).

(www.babson.edu),

Desenvolve SP - (www.desenvolvesp.gov.br)

Supera Parqtec (http://superaparque.com.br/

(BROWN, Juanita http://www.theworldcafe.com/author/juanita-brown/)

https://www.youtube.com/channel/UCmuUMQvqc028YkSTqm2PGxw/videos

https://www.youtube.com/channel/UCmuUMQvqc028YkSTqm2PGxw/videos

(https://even3.com.br/empreendedorismocientifico)

https://www.linkedin.com/company/agtechrp/




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-072

Refbacks

  • There are currently no refbacks.