Desenvolvimentismo e políticas sociais: apontamentos para o debate em curso / Development and social policies: notes for the ongoing debate

Edemar Rotta, Carlos Nelson dos Reis

Abstract


O artigo reflete sobre as propostas de cunho desenvolvimentistas implantadas no Brasil, em diferentes períodos, tendo como foco a relação destas com as políticas públicas sociais. Através da revisão de literatura busca-se explicitar as propostas, em suas bases teóricas e processos práticos de implantação. Toma-se como referência dois momentos históricos específicos: o que se dá entre as décadas de 1930 e 1970, tido como o nascimento da experiência desenvolvimentista no Brasil e o que se dá a partir da primeira década do século

XXI, com a retomada das ideias desenvolvimentistas como alternativa à crise das propostas neoliberais. O desenvolvimentismo, enquanto política econômica e proposta ideológica, emerge em contextos de tomada de consciência a respeito dos problemas decorrentes do subdesenvolvimento. Apresenta-se como propostas fundadas na ação deliberada do Estado, na existência de um projeto nacional e no incentivo à indústria como caminho para acelerar o crescimento econômico e a transformação da sociedade. Na proposta clássica de desenvolvimentismo, também conhecida por “velho-desenvolvimentismo”, há centralidade clara na dimensão econômica. As políticas sociais são concebidas como instrumentos, sob o controle do Estado, para viabilizar as ações necessárias à implantação da proposta definida pelas forças hegemônicas que controlam o capital e o poder político. Predomina um viés legalista, de controle dos conflitos e de cooptação dos sujeitos e movimentos, marcado por ações seletivas e fragmentadas, com fortes traços corporativos e clientelistas, não orientada para a consolidação de direitos dos cidadãos. O novo-desenvolvimentismo mantém a centralidade no projeto econômico, propondo que somente será possível pensar em um projeto nacional capaz de realizar as mudanças estruturais necessárias e manter o crescimento sustentado da economia a taxas elevadas, que viabilizem uma disseminação da riqueza pelos diferentes estratos da população, a partir de um Estado e um mercado fortes e de uma política macroeconômica adequada. Nesta proposta as políticas sociais deveriam garantir um conjunto de “grandes serviços sociais universais”, sob responsabilidade do Estado e financiados por um sistema tributário progressivo. O social-desenvolvimentismo trabalha com a ideia do social como eixo do desenvolvimento, efetivado por uma ação incisiva do Estado na regulação do funcionamento do mercado, na condução dos investimentos, na implantação de política fiscal e tributária de modo a ativar um círculo virtuoso do crescimento obtido pela ampliação do consumo, da produção e do investimento. Em termos de políticas sociais advoga-se a necessidade de “conjunto consistente de políticas e programas sociais” na direção da proteção (previdência, assistência e saúde), da promoção (educação, cultura e trabalho) e da infraestrutura (habitação, urbanismo e saneamento) capazes de viabilizar a inserção produtiva, a distribuição de renda e a inclusão social, de forma institucionalizada através da “consolidação das leis sociais”.

 

 

 


Keywords


Desenvolvimentismo, Políticas sociais, Novo-desenvolvimentismo, Social-desenvolvimentismo.

References


BASTOS, Pedro P. Z. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 779-810, dez. 2012. 1

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e sociedade, Campinas, v. 21, número especial, p. 729-747, dez. 2012.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. O Desenvolvimentismo: do pós-guerra até meados dos anos 1960. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo et al. O desenvolvimento econômico brasileiro e a Caixa: palestras. Rio de Janeiro: Caixa Econômica Federal, 2011, p. 15-22.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de janeiro: Ipea; Inpes, 1988.

BIELSCHOWSKY, R. Anotações sobre a estratégia de crescimento pelo mercado interno de consumo popular e o programa do PT para 2003-2006. São Paulo: Instituto da Cidadania, 2001. Mimeo.

BRESSER PEREIA, Luiz C. Teoria novo-desenvolvimentista: uma síntese. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 11, n. 19, pp.145-165, jul-dez. 2016.

BRUM, Argemiro J. O desenvolvimento econômico brasileiro. 23.ed. revisada e atualizada. Petrópolis: Vozes; Ijuí: Ed. UNIJUI, 2003.

CARDOSO, Miriam L. Ideologia do desenvolvimento – Brasil: JK-JQ. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

CARNEIRO, Ricardo de M. Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 749-778, dez. 2012.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CASTRO, Jorge A. Política social e desenvolvimento no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 1011-1042, dez. 2012.

CASTRO, Paulo R. de. O mito do governo grátis: o mal das políticas econômicas ilusórias e as lições de 13 países para o Brasil mudar. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2014.

CGEE/Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Desafios ao desenvolvimento brasileiro: uma abordagem social-desenvolvimentista. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2013.

COUTO, Berenice R. O direito social e a assistência social na sociedade brasileira: uma equação possível? São Paulo: Cortez, 2004.

DIAS, José L. O BNDE e o Plano de Metas (1956-61). São Paulo: FGV/BNDES, 1996. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2005.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FAGNANI, Eduardo. Políticas sociais e pactos conservadores no Brasil: 1964-92. Cadernos Fundap, São Paulo, n. 21, p. 59-102, 1996.

FEE (FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA SIEGFRIED EMANUEL HEUSER). A política social brasileira 1930-1964: a evolução institucional no Brasil e no Rio Grande do Sul. 2ª Impressão. Porto Alegre: FEE, 1983.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FONSECA, Ana; FAGNANI, Eduardo (Orgs.). Políticas sociais, desenvolvimento e cidadania. Economia, distribuição de renda e mercado de trabalho. Vol. 1. São Paulo: Perseu Abramo, 2013a.

FONSECA, Ana; FAGNANI, Eduardo (Orgs.). Políticas sociais, desenvolvimento e cidadania. Educação, seguridade social, pobreza, infraestrutura urbana e transição

demográfica. Vol. 2. São Paulo: Perseu Abramo, 2013b.

FONSECA, Pedro D. C. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: CALIXTRE, André B.; BIANCARELLI, André M.; CINTRA, Marcos A. M. (Orgs.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: IPEA, 2014, p. 29-78.

IANNI, Octávio. A ideia de Brasil moderno. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

KATZ, Cláudio. Neoliberalismo, neodesenvolvimentismo, socialismo. São Paulo: Expressão Popular, Perseu Abramo, 2016.

LARA, Tiago A. Caminhos da razão no ocidente: a filosofia ocidental, do renascimento aos nossos dias. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

MERCADANTE OLIVA, Aloizio. As bases do novo desenvolvimentismo no Brasil: análise do governo Lula (2003-2010). Tese (Doutorado em Economia), Instituto de Economia/UNICAMP, Campinas, 2010.

MOLO, Maria de L. R. Desenvolvimentismos, inclusão social e papel do Estado. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 11, n. 19, p. 131-143, jul./dez. 2016.

MOTA, Ana E. Crise, desenvolvimentismo e tendências das políticas sociais no Brasil e na América Latina. Configurações [Online], n. 10, p. 01-13, 2014. Disponível em: . Acesso: em 05 abr. 2017.

OREIRO, José L.; MARCONI, Nelson. O novo-desenvolvimentismo e seus críticos. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 11, n. 19, pp.167-179, jul./dez. 2016.

PEREIRA, Potyara A. P. Utopias desenvolvimentistas e política social no Brasil. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 729-753, out./dez. 2012.

PFEIFER, Mariana. O “social” no interior do projeto neodesenvolvimentista. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 120, p. 746-766, out./dez. 2014.

POCHMANN, Márcio. Novo desenvolvimentismo como resposta à crise global. In: CASTRO, Daniel; MELO, José M. (Orgs.). Panorama da comunicação e das telecomunicações no Brasil. Brasília: Ipea, 2012, p. 15-28.

PRADO, Luiz C. D. O desenvolvimentismo autoritário de 1968 a 1980. In: BIELSCHOWSKY, Ricardo et al. O desenvolvimento econômico brasileiro e a Caixa: palestras. Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento: Caixa Econômica Federal, 2011, p. 23-34.

ROTTA, Edemar. Desenvolvimento regional e políticas sociais no noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Serviço Social), PPGSS/PUCRS, Porto Alegre, 2007.

SICSÚ, João; PAULA, Luiz F. de; MICHEL, Renaut. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, vol. 27, nº 4 (108), p. 507-524, out./dez. 2007.

SILVA, Maria O. S. e. (Coord.). Programas de transferência de renda na América Latina e Caribe. São Paulo: Cortez, 2014.

SPOSATI, Aldaíza de O. et al. A assistência na trajetória das políticas sociais

brasileiras: uma questão em análise. 7.ed. São Paulo: Cortez, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-068

Refbacks

  • There are currently no refbacks.