As contribuições do uso de experimentos no ensino – aprendizado da física/ The contributions of the use of experiments in teaching - learning physics

Kátia Ferreira Guimarães Benfíca, Kimelly Hanna Guimarães Prates

Abstract


O presente estudo tem como objetivo verificar as contribuições do uso de experiências no processo de ensino aprendizado da Física, além de analisar o interesse dos alunos quando o professor usa esse tipo de recurso, tendo em vista a importância dos experimentos no desenvolvimento de alunos em relação às ciências. Trata-se de um estudo descritivo de caráter quantitativo realizado na Escola Estadual Gilberto Caldeira Brant em Bocaiúva. Para a coleta de dados foi utilizada uma pesquisa, onde foi possível observar o comportamento de 150 alunos do ensino médio que trabalharam com experimentos práticos ao estudar a Física nos meses de abril e maio de 2019, percebendo que a promoção de experimentos pode proporcionar relações de qualidade entre os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem e beneficiar a qualidade do aprendizado que faz com que o aluno formule seus próprios conceitos. Desta forma podemos sugerir que o uso de experiências no ensino-aprendizado da Física pode ter influenciado positivamente a diminuição do desinteresse dos alunos da Escola Estadual Gilberto Caldeira Brantem relação a Física.


Keywords


Experiências; ensino-aprendizado; escola; Física.

References


ALVETTI, M. A. S. Ensino de física moderna e contemporânea e a revista Ciência Hoje. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Centro de Ciências da Educação. Florianópolis: UFSC, 1999.

ANGOTTI, M.O Trabalho Docente na Pré-Escola: revisitando teorias,descortinando práticas. São Paulo: Pioneira, 1994.

ARRUDA, S.M.; LABURU, C.E. Considerações sobre a função de experimento no ensino de Ciências. In: NARDI, Roberto (Org.). Considerações atuais no ensino de Ciências. São Paulo: Editora Escrituras, 1998.

BRASIL, Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9.394/96, de 20

de dezembro de 1996.

_______. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo:Imprensa Oficial do Estado, 1988.

ARAÚJO, M. S. T.; ABIB, M. L. V. S. Atividades Experimentais no Ensino de Física: Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 25, n. 2, 2003.

AXT, R.; MOREIRA, M.A. O ensino experimental e a questão do equipamento de baixo custo. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 13, n. 4, 1991.

BEE, H. L.;MITCHELL, S. K. A Pessoa em Desenvolvimento. São Paulo: Editora Harper &Row do Brasil Ltda, 1984.

BORGES, A.T.,O Papel do laboratório no ensino de Ciências. Atas do I ENPEC. Águas de Lindóia S.P, Novembro, 1997.

_______. Novos Rumos para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v 19, nº. 3: p 291-313, dez. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2000.

______. Orientações Curriculares para o ensino médio, ciências da natureza,

matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação

Básica, 2008.

BRODIN, G. The role of the laboratory in education of industrial physicists andelectrical engineers,1978.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação: A Ciência, a Sociedade e a Cultura Emergente. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 1982.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. Tradução de Sandra Valenzuela. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. Tradução de Sandra Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2006.

CASTRO. A. M. D; ARAÚJO, M. H. A., Projeto? Como fazer?. Aracaju, SE: Secretaria de Estado da Ação Social.

COLL, C. O construtivismo na sala de aula. São Paulo, SP: Editora Ática, 1997.

DALBÉRIO, O. Metodologia científica: Uma introdução. Uberaba, MG: Gráfica FMTM/FUNEPU, 1996.

DUARTE, S. V.; FURTADO, M. S. Manual para elaboração de monografias e projetos de pesquisa. 1ª ed. Montes Claros, MG: Unimontes, 1999.

FERREIRA, M. L. S. Apostila de metodologia do trabalho científico. (SNT).

FREIRE, P. Educação e atualidade brasileira. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola n. 10.1999.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 1ª ed. – Rio de Janeiro: Record, 1997.

GUNSTONE, R.F. & NORTHFIELD J. Metacognition and learning to teach. International Journal Science Education, 1994.

HACKING, I. Quepasalasciências naturals?.In, I Hacking, La construcción social de qué?. Barcelona, Es: PaidosIberica. 2001.

HERNANDES, C.L.; CLEMENT, L.; TERRAZAN, E.A. Concepções de Professores em Formação e em Exercício Sobre as Práticas Experimentais. In: 52ª Reunião Anual da SBPC-UNB, Brasília, DF, 2000.

KOTLER, P. Marketing de A a Z. Rio de Janeiro: Campus,1992.

_______. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

_______. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura, 1999.

HODSON, D.A critical look at practical working school science. School Science Review, 70,1990..

LABURÚ, C. E.; ARRUDA, S. M. Considerações sobre a função do experimento no ensino de ciências. Série: Ciência & Educação, no 3. UNESP, Baurú.1996.

LUCHESE, T. C.; MERGEN, A.; ANDRIGHETTO, R. O pêndulo simples como mediador de conceitos e métodos no ensino de Física. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 1,p.4891-4908 jan. 2020.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar II. Ed. São Paulo: Cortez.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1990.

MARQUES, J. A aula como processo: Um programa de auto-ensino. 6ª ed. Porto Alegre, RS: Globo, 1979.

MATOS, L. A. F. Avaliação da aprendizagem escolar. Belo Horizonte, MG: publicação da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, 2006.

MOREIRA, M. A.; LEVANDOWSKI, C. E.Diferentes abordagens ao ensino de laboratório. Porto Alegre: Ed. da Universidade, UFRGS. 1983.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de Metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 1999.

PALANGANA, I.C. Desenvolvimento em aprendizagem em Piaget e Vygostsky.2ºed. São Paulo: Plexus 1998.

PEREZ, J. F. Controlling The Effect Of Griffiths' Singularities In RandonFerromagnets: Smoothness Of Magnetization. BRAZ.J.PHYS., v. 23,1993.

SÁ, E. F.; BORGES, O. Como os alunos e professores compreendem os propósitos de uma atividade de laboratório. In: MOREIRA, M. A. E COSTA, S. C. (Orgs). Atas do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Porto Alegre: ABRAPEC, 2001.

SOUZA, C. A., DE BASTOS, F. P. JOSÉ, V., MION, R.A. Mudando o Trabalho Educativo de Formar Professores de Física. Caderno de Resumos. VI EPEF, Florianópolis, outubro de 1998.

SOUZA, C. A., ANGOTTI, J. A. P., DE BASTOS, F. P. Uma Concepção de Investigação Educacional e a Formação de Comunidades Críticas como Alternativas de Educação Permanente. In: Revista Alcance, Univali, 1998.

TERRAZZAN, E. A.. Potencial didático dos textos de divulgação científica: um exemplo em física. In: 12º Congresso de Leitura do Brasil, 2000, Campinas, SP. Textos de palestras e sessões temáticas: III Encontro de Linguagens e Ensino da Ciência. Campinas: UNICAMP, 2000.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas S.A. 1994.

VASCONCELLOS, M. J. Praticando Matemática. São Paulo, SP: Editora Brasil, 2002.

VIEIRA, E. Oficina de ensino: O quê? Por quê? Como? 3ª ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2000.

VILLANI, A. e CARVALHO, L. O. Representações mentais e Experimentos Qualitativos. Rev. Bras. Ens. Fís.1993.

VILLANI, C. E. P.As práticas discursivas argumentativas de alunos do ensino médio no laboratório didático de física. Belo Horizonte (MG): Faculdade de Educação da UFMG, 2002. (Dissertação de Mestrado).

VILLANI, C.E.P. e NASCIMENTO, S.S. A argumentaçãoe o ensino de Ciências: uma atividade experimental no laboratório didático de física do ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 8 (3), p. 1-15, 2003.

VYGOSTSKY, L. Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1994.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-066

Refbacks

  • There are currently no refbacks.