Sala de recursos multifuncional: o atendimento educacional especializado na escola municipal de Fortaleza / Multifunctional resource room: specialized educational service at Fortaleza municipal school

Robéria Vieira Barreto Gomes, Ademárcia Lopes de Oliveira Costa, Josiane Marques Duarte, Domitila Brito Sousa

Abstract


O presente trabalho teve como foco apresentar o resultado de uma investigação realizada na sala de recursos multifuncional (SRM) em uma escola municipal de Fortaleza-CE. Tivemos como objetivos: objetivos analisar como acontece o AEE na escola municipal de Fortaleza Maria Das Dores, conhecer os recursos oferecidos para os alunos da educação especial na SRM e Identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos profissionais dessa área. Nessa direção, fizemos uma revisão da literatura sobre a temática, analisando a legislação brasileira acerca da Educação Especial como: A Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva Inclusiva de 2008, a Resolução Nº 4, de 2 de outubro de 2009 que Institui Diretrizes Operacionais para o AEE na Educação Básica, modalidade Educação Especial; a Resolução Conselho Municipal de Educação de Fortaleza Nº 015/2017; a Resolução 10/2013 que estabelece normas para a educação especial na perspectiva da educação inclusiva e para o AEE no Sistema Municipal de Educação de Fortaleza, bem como nos fundamentamos nas pesquisas de Gomes (2016), Mantoan (2003), Costa (2013), entre outros. Como instrumentos de coleta de dados utilizamos entrevistas semiestruturadas, análises documental e observação. Os resultados preliminares demonstraram que o AEE realizado na Sala de Recursos Multifuncionais acontece de forma complementar e suplementar para alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. Observamos que os recursos utilizados são os estabelecidos para salas de Tipo I, segundo o Manual de Orientação do programa de implantação das SRM’s e a professora do AEE, elencou que suas principais dificuldades são a resistência que os professores do ensino fundamental II apresentam em relação aos atendimentos e em trabalhar conjuntamente e a significativa diminuição na oferta de cursos de formação continuada. Dessa forma, concluímos que, apesar dos avanços ao longo da história ainda há um caminho considerável a se percorrer para que exista consonância entre a letra da lei e a  prática nas escolas públicas.

 

 

 


Keywords


Sala de Recursos Multifuncionais. Educação Especial. Atendimento Educacional Especializado.

References


BRASIL, MEC. Portaria Normativa N° 13, de 24 de abril de 2007, que dispõe sobre a criação do “Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais”. Brasília, 2007ª

BRASIL, Ministério da Educação. Nota Técnica Nº 11/2010. Orientações para a institucionalização da Oferta do Atendimento Educacional Especializado – AEE em Salas de Recursos Multifuncionais, implantadas nas escolas regulares. Brasília: 2011.

BRASIL, Presidência da República. Decreto Nº 6.949, de 25 de agosto de 2009 Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Brasília: 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Brasília, DF, dez. 1996.

BRASIL. MEC. SEESP. Manual de Orientação: Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC, 2009.

CAMARGO, A. M. F; GOMES, R. V. B.; SILVEIRA, S. M. P. Dialogando sobre a Política de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva. In: GOMES, R. V. B. et al. Política de Inclusão escolar e estratégias pedagógicas no atendimento educacional especializado. Fortaleza: UFCE; Brasília: MC&C, 2016.

CEARÁ. Resolução nº 456/2016, de 01 junho de 2016, que fixa normas para a educação especial e para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) dos alunos com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD), altas habilidades/superdotação, no âmbito do sistema de ensino do Estado do Ceará. Acesso em 23 de junho de 2018.

COSTA, V. A. Experiências pela Educação – Para quê? Formação e Inclusão na perspectiva da Teoria Crítica Revista Educação Especial | v. 26 | n. 46 | p. 245-260 | maio/ago. 2013 Santa Maria.

FORTALEZA. Conselho Municipal de Educação. Resolução nº 010/2013. Fortaleza: CME, 2019. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2020.

GOMES, A. L.V.; POULIN, J. R., FIGUEIREDO, R. V. de. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial [Fortaleza] : Universidade Federal do Ceará, 2010. V. 2 (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar).

GOMES, R. V. B. O Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais nas Escolas Municipais de Rio Branco/Acre. Tese de Doutorado. Paraná: Universidade Federal do Paraná, 2016.

MANTOAN. M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? / Maria Teresa Eglér Mantoan. — São Paulo: Moderna , 2006.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método, criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-060

Refbacks

  • There are currently no refbacks.