Resiliência e familias: reflexão teórica sobre laços afetivos e familiares / Resilience and families: theoretical reflection on affective and family ties

Joana Darc Martins Torres, Antonia de Maria Gomes Paiva, Maria Veraci Oliveira Queiroz, Ana Ruth Macedo Monteiro, Maria Sinara Farias, Ana Maria Martins Pereira, Maria Aline Alves Pereira

Abstract


O presente trabalho surgiu da compreensão de que, embora muitas famílias sejam abaladas por estressores, em muitas outras o fortalecimento emana em meio às crises. Esta evidência levou-nos ao desafio de compreender a resiliência como constructo de grupo social e não apenas individual. Objetivo do estudo: refletir sobre os conceitos de resiliência familiar, bem como entender como esse conceito pode ser determinante na ressignificação dos vínculos afetivos e familiares. Método: Estudo de abordagem qualitativa, no qual buscou-se efetivar uma reflexão acerca do constructo Resiliência, ancorados no referencial teórico psicanalítico e na visão sistêmica de Resiliência familiar. Sobretudo, a análise contemplou contextos da resiliência familiar ou malhagem de laços psíquicos, padrões organizacionais como promotores de resiliência familiar, e avaliação orientada para a prática da resiliência familiar. O conceito de resiliência familiar é construto novo e ainda restrito em termos de pesquisa no Brasil. Portanto, é relevante compreender em nosso contexto, que o grupo familiar é campo e objeto de elaboração de novos conceitos mediante a sua dinâmica, necessita de ampliação de suas modalidades de intervenção, o que poderá contribuir para mudanças positivas frente às adversidades cotidianas.

References


WALSH.F. ( 2016a) Processos Normativos da Família: diversidade e complexidade. 4 ª Edição. Porto Alegre: Artmed.

WALSH. F.(2016b) Processos Normativos da Família: diversidade e complexidade. 4 ª Edição. Porto Alegre: Artmed

BENGHOZI, P. Resiliência Familiar E Conjugal Numa Perspectiva Psicanalítica Dos Laços. Psic. Clinica Rio de Janeiro, Vol.17, N.2, P.101 – 109, 2005

-SORIA HBE, BLANDTT LS, RIBEIRO JC. Resiliência: a capacidade de adaptação e/ou transformação nas desigualdades sociais. Universidade Federal do Maranhão. Programa de Pós- Graduação em Políticas Públicas. III Jornada Internacional de Políticas Pública. Questão Social e Desenvolvimento no Século XXI. Agosto de 2007.

YUNES MAM, SZYMANSKI H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares J, organizador. Resiliência e educação. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13-42.

MARTINS, M. Resiliência Familiar: Revisão Teórica, Conceitos Emergentes e Principais Desafios. Cadernos da GREI Edição de: GREI - Grupo de Estudos Interdisciplinares Giordano Bruno. Universidade de Algarve. Portugal.

MCCUBBIN, H.I., THOMPSON, A.I., & MCCUBBIN, M.A.M. Family Measures: Stress, Coping and Resiliency. Inventories for Research and Practice. Honolulu, Hawaii: Copyright .2001

MCCUBBIN , H ., & PATTERSON , J.M . The Family stress process: the double ABCX model of adjustment and adaptation. Mar

riageand Family Review, .6 ( 1-2). 1998. Acessado em ResearchGate em 12 de outubro de 2017

.MCCUBBIN, M. & MCCUBBIN, H. Families coping with illness: The resiliency model family stress, adjustment, and adaptation. In C. Danielson, B. Hamel-Bissell & P. Winstead-Fry (Eds).Families, health & Illness.Perspectives on coping and intervention (pp. 21- 63). St Louis: Mosby-Year Book.1993

CERQUEIRA- Silva, Dessen& Costa-Júnior, 2011; Dessen& Braz, 2005; Pinheiro &Biasoli- Alves, 2008; Poletto&Koller, 2008.

WALSH. F.(2016b) Processos Normativos da Família: diversidade e complexidade. 4 ª Edição. Porto Alegre: Artmed

WALSH.F. ( 2002a ) A Famiily Resilience Framework: Innovative Practice Applications. Family Relations.51 (2).

WALSH.F. ( 2002b ) A Famiily Resilience Framework: Innovative Practice Applications. Family Relations.51 (2).

WASLH, F. ( 2006) Strengthening Family Resilience ( 2ª.ED) New York. Guilford Press. 2006.

WASLH, F. ( 2007)Traumatic Loss And Major Disasters: Strengthening Family And Community Resilience. Family Process, 46 ( 2 ),207-227.

MORAIS, N. A. & KOLLER, S. H. (2004). Abordagem ecológica do desenvolvimento humano, Psicologia Positiva e Resiliência: ênfase na saúde. In S. H. Koller (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. (pp. 91- 108). São Paulo: Casa do Psicólogo.

OLSON.D H. & GORALL.D. Circumplex modelo f marital and Family systems.In F. Walsh ( Ed) Normal family process ( 3 ed.pp: 514) NY: Guilford Press

FALICOV. C.J. Working With Transnational Immigrants: Expanding Meanings Of Family, Community Na Culture. Family Process, 46-47. 2007

ANDERSON, C.M. ROBINS.C.S., GREENO, C.G.,CAHALANE, H.,COPELAND V., 7 ANDREWS, R,M Why Low-Icome Mothers Do Not Engage With The Formal Mental Health Care System: Preliminary Findings From An Ethnographic Study. Qualitative Health Research, 16 (7). 2006

WALSH. F.MCGOLDRICK.M.( EDS) Livining Beyond loss: Death in the family New York : NORTON, 2 ª ed.2004

MCGOLDRICK, M., Gerson, R., &Petry, S. (2008). Genogramas: avaliação e intervenção familiar. (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

VASCONCELOS, A. C; SOUZA G. L.A. CAMPOS. P.I.S; MAGALHÃES,E.N;FREIRE,D.A;BRAINER.S.A.B. In: Resiliência e educação: o enfermeiro em busca do saber/Resilience and education: the nurse in search of knowledge. Brazilian Journal of Development, V.5.N.6. p. 5389-5398, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-048

Refbacks

  • There are currently no refbacks.