Desafios da bicicleta como meio de transporte: o deslocamento de estudantes de dois colégios da rede pública no viário de curitiba / Challenges of the bicycle as a means of transport: the mobility of students from two public schools in curitiba city

Roberto do Valle Mossa, Iverson Ladewig, Ricardo Ricci Uvinha

Abstract


Além de possibilitar redução do tráfego de veículos automotores, o uso da bicicleta como meio de transporte pode contribuir à promoção da atividade física e à qualidade de vida das pessoas, isso a partir da melhora da qualidade do ar, de menores índices de acidentes e vítimas, da redução de doenças crônicas e de menores taxas de obesidade. Em relação a estudantes, pedalar imediatamente antes das aulas pode contribuir para um melhor aproveitamento escolar, em termos de concentração e disposição. Com base nesse cenário, o objetivo deste estudo foi verificar o uso da bicicleta por estudantes da Educação Básica de Curitiba-PR e a opinião dos respectivos familiares. Trata-se de um estudo transversal realizado em dois colégios estaduais, utilizando questionário como técnica de interrogação, havendo a participação de estudantes (n=25) e seus respectivos familiares (n=25). Os resultados indicaram que a maioria dos familiares considera benéfico o uso da bicicleta como meio de transporte à escola, porém não consideram as ruas seguras para que isso ocorra. Por sua vez, os estudantes corroboraram com as opiniões dos familiares. Foi constatado também que os estudantes nunca receberam aulas ou orientações na escola sobre as funções, características ou condução segura da bicicleta. Notamos contradição entre a percepção dos estudantes e familiares e as condições da cidade em relação ao uso da bicicleta, visto que Curitiba é tida como uma pioneira na realização de planejamento cicloviário e de mobilidade urbana. Os resultados desse estudo são importantes para se discutir e ampliar as políticas públicas de fomento ao uso da bicicleta e de promoção da atividade física.


Keywords


Planejamento Urbano; Transporte Ativo; Atividade Física; Promoção da Saúde.

References


ABRACICLO. Produção de bicicletas cresce 15,9% em 2018. Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, 2018. Disponível em http://www.abraciclo.com.br/2019/1276-producao-de-bicicletas-cresce-15-9-em-2018. Acesso em 19 mar. 2019.

BECERRA, J. M. Transport and health: A look at three Latin American cities. Cad. Saude Publica 2013, 29, 654–666.

BERGER, A.T.; QIAN, X.L.; PEREIRA, M.A. Associations between bicycling for transportation and cardiometabolic risk factors among Minneapolis-Saint Paul area commuters: A cross-sectional study in working-age adults. Am. J. Health Promot. 2017.

CURITIBA. Focada na segurança e no uso integrado, Prefeitura atualiza Plano Cicloviário. Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba, 2018. Disponível em , acesso em 02 out. 2018.

DING DING, M. D.; LAWSON, K. D.; KOLBE-ALEXANDER, T. L.; FINKELSTEIN, E, A,; KATZMARZYK, P. T,; MECHELEN, W. V. et al. The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. Lancet. 2016; 388: 1311–24.

GALLAHUE, D. L. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 7a ed. Porto Alegre: AMGH, 2013

GILES-CORTI, B.; VERNEZ-MOUDON, A.; REIS, R.; TURRELL, G.; DANNENBERG, A. L.; BADLAND, H. et al. City planning and population health: a global challenge. Lancet. 2016 Dec 10;388(10062):2912-2924.

GNOATO, S. Curitiba, cidade do amanhã: 40 depois. Algumas premissas teóricas do Plano Wilheim-IPPUC. Arquitextos. Ano 06, mai. 2006.

GOODYEAR, S. The link between childhood concentration and walking or biking to school. Plan Hillsborough, 2013. Disponível em . Acesso em 20 out. 2018.

GUTHOLD, R.; STEVENS, G. A.; RILEY, L. M.; BULL, F. C. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1•9 million participants. Lancet Glob Health. 2018, Oct;6(10):e1077-e1086.

GUTHOLD, R.; STEVENS, G. A.; RILEY, L. M.; BULL, F. C. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Health. 2020, 4(1): 23-35.

IBGE. Panorama. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/curitiba/panorama. Acesso em 03 mai. 2018

IBGE. Práticas de esporte e atividade física: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento, 2017.

ICC/ESOMAR. Código ICC/Esomar de Conduta em Pesquisa de Mercado e Pesquisa Social. São Paulo: ABEP, 2008.

INEP. Microdados. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, 2019. Disponível em http://portal.inep.gov.br/microdados. Acesso em 13 mai. 2019.

IPEA. Cidades Cicláveis: avanços e desafios das políticas cicloviárias no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2017. Disponível em . Acesso em 04 nov. 2018.

IPPUC. Comparativo da População das Regionais com Municípios do Estado do Paraná. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, 2017. Disponível em . Acesso em 20 jun. 2018.

IPPUC, 2018. Plano de Estrutura Cicloviária. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba: Curitiba, 2018.

LABMOB-UFRJ. Perfil do Ciclista 2018. Rio de Janeiro: UFRJ, 2018.

LEE, D. H.; REZENDE, L. F. M.; NETO-ELUF, J.; WU, K.; TABUNG, F.; GIOVANNUCCI, E. Association of type and intensity of physical activity with plasma biomarkers of inflammation and insulin responde. Internacional Journal of Cancer. Int J Cancer. 2019 Jul 15;145(2):360-369.

MATOS, A. P.; PEREIRA, B. O.; SOUZA, S.; SILVA, A.; COELHO, E. O trajeto casa-escola. Estudo com crianças dos 10 aos 16 anos. In. AZEVEDO, F.; VIEIRA, H.; FERNANDES, N.; PEREIRA, B. (Org.), Estudos da Criança, Diversidade de Olhares. (p. 199-214). Braga: Centro de Investigação em Estudos da Criança / Universidade do Minho, 2018.

MATOS, A. P.; PEREIRA, B. O.; ALMEIDA, M. J. Transporte para a escola na atividade física do adolescente. In: Beatriz Oliveira Pereira; Alberto Nídio Silva, António Camilo Cunha, Juarez Vieira do Nascimento. (Org.). Atividade Física, Saúde e Lazer. Olhar e pensar o corpo. 1ed.Florianópolis: Tribo da Ilha, 2014, v. 1, p. 182-192.

MCMILLAN, T. E. Urban Form and a Child’s Trip to School: The Current Literature and a Framework for Future Research. Journal of Planning Literature, Vol. 19, n. 4, 2005.

PARANÁ. Clima de Curitiba. Secretaria do Esporte e do Turismo, 2018. Disponível em . Acesso em 20 abr. 2019

PEREIRA, B. O.; CUNHA, J. O.; SOUZA, S.; COSTA, L.; MATOS, A. P. Rotinas de vida das crianças e a atividade física. Qual é o contributo do percurso casa escola? Revista de Ciencias del Deporte, v. 11, p. 221-222, 2015.

PEREIRA, B. O.; SILVA, I. P.; FARENZENA, R.; ROSÁRIO, R. Transporte ativo nas rotinas de vida das crianças: estudo em escola urbana. In: Beatriz Oliveira Pereira; Alberto Nídio da Silva; António Camilo Cunha; Juarez Vieira do Nascimento. (Org.). Atividade Física, Saúde e Lazer. Olhar e pensar o corpo. 1ed. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2014, v., p. 193-204.

PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional – Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas: Brasília: PNUD, 2017.

SA, T. H. Cycling in Sao Paulo, Brazil (1997–2012): Correlates, time trends and health consequences. Prev. Med. Rep. 2016, 4, 540–545.

SCHETINO, A. M. Pedalando na Modernidade: a bicicleta e o Ciclismo na transição do século XIX para o XX. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

SETRANSP. Dados da Operação. Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, 2019. Disponível em http://empresasdeonibus.com.br/transparencia/tarifas. Acesso em 01 jun. 2019.

SOARES, A. G.; GUTH, D.; AMARAL, J. P.; MACIEL, M. A Bicicleta no Brasil. São Paulo: Aliança Bike, 2015.

STEVENSON, M. R.; SA, T. H.; THOMPSON, J. H.; EWING, R. Land use, transport, and population health: Estimating the health benefits of compact cities. Lancet, 2016, 388, 2925–2935.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, J. S. Métodos de pesquisa em atividade física. 6 ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2012.

VINTHER, D.. Children who walk to school concentrate better. Science Nordic, 2012. Disponível em . Acesso em 20 out. 2018.

WHO. Global Recommendations on Physical Activity for Health. World Health Organization, 2011. Disponível em https://www.who.int/dietphysicalactivity/physical-activity-recommendations-18-64years.pdf. Acesso em 25 abr. 2019.

WHO. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. World Health Organization, 2009 Disponível em https://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/GlobalHealthRisks_report_full.pdf. Acesso em 20 fev. 2020.

WHO. Physical activity. World Health Organization, 2018a. Disponível em < https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/physical-activity>. Acesso em 25 abr. 2019.

WHO. Physical activity and young people. World Health Organization, 2018b. Disponível em . Acesso em 20 out. 2018.

WRI BRASIL. Curitiba apresenta resultados da Pesquisa de Satisfação com os usuários do transporte coletivo. WRI Brasil, 2016. Disponível em . Acesso em 03 mai. 2018.

YOUNG, D. R. et al. Sedentary behavior and cardiovascular morbidity and mortality: a science advisory from the American Heart Association. Circulation. Vol 134, Issue 13, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.