Relação entre tempo de hemodiálise e declínio cognitivo em pacientes renais crônicos / Relationship between hemodialysis time and cognitive decline in chronic kidney patients

Rodrigo de Rosso Krug, Kátrin Isabeli Dreschler Corrêa, Josiane Kristy Tonetto, Daniel Henrique Schiefelbein da Silva, Jordana Leticia Buratti, Kalina Durigon Keller, Paulo Ricardo Moreira

Abstract


A Insuficiência Renal Crônica (IRC) possui efeitos na vida, saúde e rotina dos pacientes. O tratamento por Hemodiálise (HD) pode afetar a qualidade de vida, ocasionar debilidade física e cognitiva. Portanto, o objetivo deste estudo foi analisar a associação entre tempo de hemodiálise e a função cognitiva em pacientes com IRC de uma Clínica Renal. Tratou-se de um estudo transversal, descritivo e inferencial. Participaram desta pesquisa 61 pacientes em HD. Foram aplicados os seguintes instrumentos: prontuário físico funcional; questionários de Lawton e Barthel; Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ); Mini Exame de Estado Mental (MEEM) e mediu-se o Índice de Massa Corporal (IMC). A análise dos dados foi realizada por estatística descritiva e correlação linear de Pearson, considerando-se p≤0,05. Os resultados evidenciaram associação inversa entre tempo de HD e função cognitiva (p= 0,033 e r= 0,323), o que demonstra que quanto maior o tempo de tratamento, menor é a função cognitiva dos pacientes. O estudo concluiu que o tempo de HD é fator de risco à função cognitiva destes pacientes, assim este tratamento pode prejudicar o sistema neurológico evidenciando assim, um desafio dos profissionais de saúde, que é atuar de forma a atenuar tais debilidades e promover qualidade de vida e bem-estar aos pacientes renais crônicos.


Keywords


Função Cognitiva; Hemodiálise; Insuficiência Renal.

References


CHAIBEN, V. B. O. et al. Cognição e função renal: achados de uma população brasileira. J. Bras. Nefrol., São Paulo, v. 41, n. 2, p. 200-207, jun., 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-28002019000200200&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 30 set. 2019.

CHAVES, M.L.F. Teste de avaliação cognitiva: Mini Exame do Estado Mental. São Paulo: ABNEURO,2010. Disponível em: http://www.cadastro.abneuro.org/site/arquivos_cont/8.pdf. Acesso em: 23 out. 2019.

COSTA, F. G.; COUTINHO, M. P. L. Hemodiálise e depressão: representação social dos pacientes. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 4, p. 657-667, dez., 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722014000400657&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 out. 2019.

FABRÍCIO-WEHBE, S. C. C. et al. Adaptação Cultural e Validade da Edmonton Frail Scale – EFS em uma amostra de idosos brasileiros. Rev Latino-am. Enfermagem, novembro-dezembro; 17(6), 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n6/pt_18.pdf. Acesso em: 05 dez. 2019.

FRANCO, Á. de O.; STAROSTA, R. T.; RORIZ-CRUZ, M. O impacto específico de toxinas urêmicas em domínios cognitivos: uma revisão. J. Bras. Nefrol., São Paulo, v. 41, n. 1, p. 103111,mar.,2019.Disponívelem:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-28002019000100103&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 02 nov. 2019.

FUKUSHIMA, R.L.M.; et al. Habilidades Cognitivas e atividade física em pacientes com doença Renal Crônica em hemodiálise. Dement. Neuropsychol, São Paulo, v. 13, n. 3, jul/set., 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1980-57642019000300329&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 02 nov. 2019.

GUANARÉ, V. C. S. C.; et al. Fatores associados à função cognitiva de pacientes com Doença Renal Crônica. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 2, p. 287-296, 2016. Disponível em: http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/0104-4931.ctoAO0696. Acesso em: 28 nov. 2019.

LIRA, A. L. B. C. et al. Características psicológicas e cognitivas relacionadas aos aspectos clínicos e socioeconômicos dos pacientes em hemodiálise. Revista Cubana de Enfermería, [S.l.], v. 33, n. 3, oct., 2017. ISSN 1561-2961. Disponível em: http://revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1088/283. Acesso em: 05 dez. 2019

MARTÍNEZ-SANCHIS, S. et al. Quality of life and stressors in patients with chronic kidney disease depending on treatment. Span J Psychol, v. 18, n. 25, p. 1-10, 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25919086. Acesso em: 02 nov. 2019.

MATSUDO S, A. T. et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís e Saúde, v.6, n.2, p.5-18, 2001. Disponível em: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/931/122. Acesso em: 20 nov. 2019.

MATTA, S. M. da et al. Alterações cognitivas na doença renal crônica: uma atualização. J. Bras. Nefrol., São Paulo , v. 36, n. 2, p. 241-245, junho 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010128002014000200241&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 30 out. 2019.

MELO, D. M; BARBOSA, A. J. G. O uso do Mini-Exame do Estado Mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 20, n.12, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152012.06032015. Acesso em: 15 out. 2019.

MELO, D. M.; BARBOSA, A. J. G.; NERI, A. L. Mini exame do estado mental: evidências de validade baseadas na estrutura interna. Aval. Psicol. ;16(2):116-168, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3350/335053541007.pdf. Acesso em: 5 dez. 2019.

PINTO, A. H. et al. Capacidade funcional para atividades da vida diária de idosos da Estratégia de Saúde da Família da zona rural. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro , v. 21, n. 11, p. 35453555,nov.,2016.Disponíveem:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016001103545&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 nov. 2019.

REZENDE, F. A. C. et al. Aplicabilidade do índice de massa corporal na avaliação da gordura corporal. Rev. Bras. Med. Esporte, Niterói , v. 16, n. 2, p. 90-94, abr., 2010 . Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151786922010000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 24 nov. 2019.

SANTOS, B. P.; et al. Doença renal crônica: relação dos pacientes com a hemodiálise. ABCS Health Sci., v. 42, n. 1, p. 8-14, janeiro 2017. Disponível em: https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.943. Acesso em: 30 ago. 2019.

SHEN, Z. et al. Chronic kidney disease-related physical frailty and cognitive

impairment: a systemic review. Geriatr. Gerontol. Int.,17: 529–544, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1111/ggi.12758. Acesso em: 27 out. 2019.

SILVA, S. T. et al. Capacidade cognitiva de indivíduos com doença renal crônica: relação com características demográficas e clínicas. J. Bras. Nefrol.,36(2):163-70, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbn/v36n2/0101-2800-jbn-36-02-0163.pdf. Acesso em: 05 dez. 2019.

SIMOES, A. L.; FERREIRA, P. L.; DOURADO, Marília. Medição da autonomia em atividades da vida diária. Port. J. Public Health, Lisboa, v. 36, n. 1, p. 1-7, 2018. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2504-31452018000100003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 24 nov. 2019.

STRINGUETTA-BELIK, F.; MARTIN, L. C.; FRANCO, R. J. da S.; Cognitive impairment in chronic kidney disease. J. Bras. Nefrol. São Paulo, v. 36, n. 2, p. 116-117, jun., 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-28002014000200116&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 out. 2019.

THOME, F. S. et al. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2017. J. Bras. Nefrol., São Paulo, v. 41, n. 2, p. 208-214, jun., 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-28002019000200208&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 05 dez. 2019.

XAVIER, S. S. M.; et al. Na correnteza da vida: a descoberta da doença renal crônica. Interface: comunicação, saúde e educação, Botucatu, v. 22, n. 66, p. 841-851, set., 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832018000300841&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.