Design thinking nas epistemologias jurídicas: a importância da metodologia no ensino de sociologia do direito, antropologia jurídica e direitos humanos / Design thinking in legal epistemologies: the importance of methodology in the teaching of law sociology, legal anthropology and human rights

Miguel Melo Ifadireó, Marcus Cézar de Borba Belmino

Abstract


O objetivo deste artigo é apresentar o Design Thinking como metodologia de ensino no campo das disciplinas epistemológicas do curso de graduação em direito. Não buscando esgotar toda a pluralidade científica que esta temática proporciona, objetiva-se aqui apenas introduzir a metodologia, demonstrando como o assunto poderia trazer grandes benefícios e melhorias no processo de ensino/aprendizagem, bem como, nas relações docente/discente em contextos de crescente objetivação de nossa sociedade através das inovações tecnológicas. Através de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico, esse artigo apresenta o que é o Design Thinking, o seu procedimento metodológico e o modo como poderia ser pensado enquanto instrumento de fortalecimento do processo pedagógico nas disciplinas epistemológicas que são, costumeiramente, desprezadas na formação em direito. Buscando o desenvolvimento da criatividade e da inventividade, procura-se mostrar como mesmo nessas disciplinas mais teóricas, o uso da experiência do aluno e o trabalho investigativo e criativo tem uma enorme potencialidade de produzir um aprendizado significativo na formação do discente.


Keywords


metodologias ativas; Design Thinking; Epistemologia Jurídica.

References


ABALI, Ü. Deutschunterricht mit Migrantenkindern. Bilinguale, kommunikative, interkulturelle und ganzheitliche Ansätze. Baltmannsweiler - Göppingen: Schneider Verlag Hohengehren, 1998.

ANASTASSAKIS, Z. Design e Antropologia: considerações teóricas e experimentações práticas em diálogo com a perspectiva do antropólogo Tim Ingold. Blücher Design Proceedings, 2014.

BARRETO FILHO, O. Novos métodos no ensino do direito: a experiência americana. Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, v. 63, p. 355-378, 1968.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BENEDITO, L. M. F.; GABRICH, F.; MURTA, A. C. D. Estratégias jurídicas como forma de repensar o direito: Enfoque no âmbito do direito empresarial. Meritum, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 228-249, 2017.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista, Salvador, v. 3, n. 4, p. 119-43, 2014.

BOSCHI, M. T. O design thinking como abordagem para gerar inovação: uma reflexão. Dissertação (Mestrado em Design Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu) – Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, 2012.

CAMINHA, C. S.; SOUZA, A.; GOMES, A. S.; ZILSE, R. Design, Antropologia e Etnografia: Pesquisa bibliográfica sobre a compreensão dos conceitos do Design Antropológico e Design Etnográfico no contexto brasileiro. Anais do 13 Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento, Joinville: Univille, 05 a 08 de novembro, p. 69 – 77, 2018.

CARELL, A.; KARACAN, M. Design Thinking: das Mindset hinter der Methode. 2018. Disponível em: . Acesso em 20 de jun. de 2019.

CARSTENSEN, C.; NEUMANN, U.; SCHROEDER, J. Movies: Junge Flüchtlinge in der Schule. Aufl. Hamburg: Bergmann und Helbigverlag, 1998.

CASTRO, R. C. M.; SILVA, A. P. G.; FREITAS, S. H. Z.; ALMEIDA, L. S. Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino Jurídico: compartilhando experiências no ensino superior. Anais do III congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior (CIM). I Encontro das Licenciaturas. Campus Pampulha. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

CHIAVENATO, I. Os novos paradigmas: como as mudanças estão mexendo com as empresas. São Paulo: Atlas, 1996.

COLAÇO, T. L. Humanização do ensino do direito e extensão universitária. Seqüência, Florianópolis, v. 27, n. 53, p. 233-242, 2006.

CONSOLO, M. C. O Design como estratégia para o projeto de país. Perspectivas para o ensino do design no Brasil. Arcos Design, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 51-62, 2016.

EBBINGHAUS, H. Memory: A Contribution to Experimental Psychology. New York: Dover, 1965.

FACHIN, L. E. Limites e possibilidades do ensino e da pesquisa jurídica: repensando paradigmas. Argumenta Journal Law, v. 1, n. 1, p. 25-34, 2001.

GLASSER, W. Choice Theory: A New Psychology of Personal Freedom. New York: The William Glasser Institute, 1998.

GLUMPLER, E.; APFELTAUER. Ausländische Kinder lernen Deutsch: Lernvoraussetzungen, Methodischen Entscheidungen und Projekte. Berlin: Cornelsen Scriptor, 2000.

GOVINDARAJAN, V.; TRIMBLE, C. O outro lado da inovação: a execução como fator crítico de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

GUDJONS, H.; LEHBERGER, R. In Hamburg zur Schule gehen. Ein Führer durch Aufbau und Geschichte des Hamburger Schulwesens. Hamburg: Reuter + Klöckner, 1998.

HANNAS, T. R.; MENDES, A. A.; VENTURA, R. C. M. O.; SOUZA, R. A.; SOUZA, J. C. Metodologias ativas de ensino: manual de aplicação. Anais do III congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior (CIM). I Encontro das Licenciaturas. Campus Pampulha. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

HAVARD BUSINESS REVIEW. Inovação na prática: identificando novos mercados. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

INSTITUTO EDUCADIGITAL. Design thinking para educadores. 1ª. Edição. Versão Em português: Instituto Educadigital. Edição e adaptação Priscila Gonsales. Revisão Fabio Silveira, 2014. Disponível em: http://www.dtparaeducadores.org.br/plano/. contato@educadigital.org.br. Acesso em 10 de jun. de 2019.

JUNGMANN, D. M.; BONETI, E. A. A caminho da inovação: proteção e negócios com bens de propriedade intelectual. Brasilia: IEL, 2010.

KELLEY, D.; KELLEY, T. Reative Confidence: Unleashing the Creative Potential Within Us All. Editora: Crown Business, 2013. (Ebook). Disponivel em: https://www.creativeconfidence.com/. Acesso em 10 de jun. de 2019.

KELLEY, T. As 10 faces da inovação: estratégias para turbinar a criatividade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

KELLEY, T.; LITTMAN, J. A arte da inovação. São Paulo: Futura, 2001.

LISBOA, E. J.; IFADIREÓ, M. M.; ALBUQUERQUE FILHO, J. A.; SOUSA, M. S. C. Educação Intercultural e Integração Social: Uma Proposta Pedagógica para a Docência no Sistema de Ensino da Cidade de Parnamirim/PE. Id on Line Rev.Mult. Psic., v.12, n.42, p. 759-776, 2018.

MAMEDE, S. Aprendizagem Baseada em Problemas: Características, Processos e Racionalidade. In: MAMEDE, S.;PENAFORTE, J. C. (Orgs.). Aprendizagem Baseada em Problemas: Anatomia de uma Nova Abordagem Educacional. Fortaleza: Hucitec, 2001, pp. 25-48.

MARTÍNEZ, S. R. Reflexões sobre o Ensino Jurídico: aplicação da obra de Paulo Freire aos cursos de Direito. Revista Âmbito Jurídico. v. 22, 2014.

MASETTO, M. T.; ZUKOWSKY-TAVARES, C; WILD, A. Metodologias Ativas em Cursos de Graduação em Direito: didática e prática de ensino na relação com a formação de professores. Fortaleza: Editora UECE (Livro 2), p. 04207-04216, 2017.

MATÍNEZ, S. R. Práxis dialógica e cooperação: proposições de um novo paradigma para o ensino jurídico. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Belém, v. 34, n.1, p. 177-187, 2000.

MELO, C. E. S. Metodologias Ativas de Ensino e Aprendizagem no Curso de Direito: Breves Relatos da Experiência na Faculdade Ages. Revista de Graduação USP, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 107-112, 2018.

MELO, M. A. S.; BANDEIRA, J. A. R. Crítica aos estereótipos e ideias racistas sob o prisma dos estudos pós-coloniais. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15, p. 213-246, 2016.

ORSINI, A. G. S.; SILVA, N. Ensino jurídico, pesquisa e extensão: a experiência do programa RECAJ UFMG. Universitas Jus, Brasília, v. 24, n. 2, p. 11-21 2013.

PLATTNER, H.; LEIFER, L.; MEINEL, C. Design Thinking: Understand – Improve – Apply. Understanding innovation. Berlin – Heildelberg: Springerverlag, 2011.

RIBEIRO, G. W.; LIMA, O. B. C. Uma abertura para a universidade aberta: ensino jurídico e estágio na periferia. Revista da Faculdade de Direito da UFMG, Belém, v. 35, n. 35, p. 351-364, 1995.

RÖDIGER, H. L. Remembering Ebbinghaus. A Reviw of Memory. Contemporary Psychology, v. 30, n.7, p. 519–523, 1985.

ROBERTO, G. B. S.; VIEIRA, G. D.; ALMEIDA, R. G. B. Desenvolvimento de Competências no Ensino Superior: Relato de Experiência no Curso de Direito da UFMG. Anais do III congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior (CIM). I Encontro das Licenciaturas. Campus Pampulha. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

SILVA, A. P. G.; ALMEIDA, L. S.; HAZAR, M. R. C.; CASTRO, R. C M.; FERREIRA, T. A. O. Professor e o uso da tecnologia no Ensino Jurídico. Anais do III congresso de Inovação e Metodologias no Ensino Superior (CIM). I Encontro das Licenciaturas. Campus Pampulha. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

TREIBEL, A. Migration in modernen Gesellschaften: soziale folgen von Einwanderung, Gastarbeit und Flucht. 2 ed. Völlig neubearb. und erw. Aufl. Weinheim – München: Juventa Verlag, 1999.

ZANARDI, T. A. Por uma docência jurídica emancipatória: contribuições freireanas ao ensino jurídico. XXII CONPEDI, Anais, Manaus, 2009.

ZITSCHER, H. C. Metodologia do Ensino Jurídico com Casos: teoria & prática. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-015

Refbacks

  • There are currently no refbacks.