Patrimônio Imaterial, Memória E História E Sua Relação Com O Centro De Interpretação Do Pampa / Intangible Heritage, Memory and History and Their Relationship with the Pampa Interpretation Center

Alexandre dos Santos Villas Bôas

Abstract


Este artigo tem por escopo analisar a relação entre patrimônio imaterial, memória e história com o projeto do Centro de Interpretação do Pampa (CIP) localizado na cidade de Jaguarão, no extremo sul do Brasil.  Este projeto foi concebido para revitalizar às ruínas de uma antiga enfermaria militar em ruínas, a qual foi tombada como patrimônio histórico nas esferas estadual e federal, servindo de base para um espaço que congregaria às funções de museu, centro educativo e cultural dedicado a temática do Bioma do Pampa. Estas ruínas foram derivadas de um edifício de estilo neoclássico construído pelo Exército Brasileiro em 1883, que funcionou como instalação de saúde para os militares até a década de 1960, sendo que posteriormente foi utilizado para outras funções, como escola e também como lugar de detenção e tortura de presos políticos da ditadura militar brasileira iniciada em 1964. Abandonado pelo Exército Brasileiro após este período foi depredado no início da década de 1970, constituindo uma estrutura em ruínas que serviu de inspiração para a criação de uma memória em torno de seus usos ao longo de sua história. Após um longo interregno e tentativas de dar uma destinação de uso para as ruínas, em 2009 foi contratado o projeto de revitalização das ruínas junto ao escritório da Brasil Arquitetura da cidade de São Paulo, o qual realizou um projeto que previa transformar o espaço das ruínas Centro de Interpretação do Pampa com salas de exposições, auditório subterrâneo,  anfiteatro a céu aberto, biblioteca, e pátio de esculturas. Dentro da estrutura apresentada somente uma sala foi dedicada a história dos usos que teve o prédio, o que por sua vez poderia denotar um certo tipo de desconhecimento das diversas memórias que persistem nos antigos moradores do entorno e de pessoas que frequentaram o espaço do prédio da antiga enfermaria. Neste sentido, este artigo se propõe discutir às possíveis consequências determinadas pelo projeto do Centro de Interpretação do Pampa em relação ao seu patrimônio imaterial representado pela memória e história e sua indissociabilidade com o patrimônio edificado o poderia levar ao ocultamento da memória dos usos do local ao longo de mais de um século de existência, seja como enfermaria militar, escola, prisão e ruínas.


Keywords


Patrimônio Imaterial. Enfermaria Militar. Memória.História. Jaguarão.

References


FRANCO, Sérgio da Costa. Dicionário Político do Rio Grande do Sul (1821-1937). Porto Alegre: Suliane Letra & Vida, 2010.

______. Gente e coisas da Fronteira Sul: ensaios históricos. Porto Alegre: Sulina, 2001. ______. Origens de Jaguarão: (1790-1833). 2. ed. Porto Alegre: Evangraf, 2007.

BOTH, Amanda Chiamenti. A trama que sustentava o Império: mediação entre as elites locais e o Estado Imperial Brasileiro (Jaguarão, segunda metade do século XIX). Dissertação de Mestrado em História. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, PUCRS, Porto Alegre, 2016.

Villas Bôas, Alexandre dos Santos. A Incitação do Medo: repressão no princípio da ditadura militar de 1964 em Jaguarão-RS. In: Espaços e Sociabilidades no mundo ibero-americano. Vinicius Liebel e Leandro Pereira Gonçalves (Org.). Editora da PUCRS, Porto Alegre, 2018.

_________. Formação e Consolidação do Patrimônio Cultural da cidade de Jaguarão (RS): políticas patrimoniais e desenvolvimento urbano. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em História PUCRS. Porto Alegre, 2019.

_________. Centro de Interpretação do Pampa. Jaguarão-RS: a revitalização de um patrimônio cultural. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural. Santa Maria, 2014.

CARTA DE VENEZA. II Congresso Internacional de Arquitetos e Técnicos dos Monumentos Históricos – ICOMOS. Conselhos Internacional de Monumentos e Sítios, 1964. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Veneza%201964.pdf Acessado em 09/02/2019.

NUNES, Valdo Dutra. GARCIA, Jorge Arismendi. Projeto Jaguar. Jaguarão, 1983.

OLIVEIRA, Ana Lúcia Costa de. Programa de Revitalização Integrada de Jaguarão. Pelotas: Editora Universitária UFPEL, 2005.

INSTITUTO Histórico e Geográfico de Jaguarão. Apontamentos para uma monografia de Jaguarão. Intendência Municipal de Jaguarão,1912.

______. Jornal A Folha. (1964-1975). Jaguarão, 2016.

______. Jornal A Folha. (1991-2010). Jaguarão, 2017.

______. Jornal A Folha. (2011-2015). Jaguarão, 2017.

ZORZI, Mariciana. De quem é a Cidade Heroica? Trajetórias da Preservação do Patrimônio Cultural, Atratividade Turística e Participação Social em Jaguarão, Rio Grande do Sul (1982- 2011). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, UFPEL, 2012.

VARINE, Hughes de. As raízes do futuro: o patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Trad. Maria de Lourdes Parreiras Horta. Porto Alegre: Medianiz, 2012.

RIBEIRO, Maria de Fátima Bento; MELO, Alan Dutra de. Centro de Interpretação do Pampa em Jaguarão: Rio Grande do Sul – Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/FAU/PROARQ, 2011.

BRASIL Arquitetura. Concepção e Fundamentação das Bases Museológicas e Museográficas. São Paulo, 2010.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 3.ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dossiê de tombamento do conjunto histórico e paisagístico de Jaguarão. Coordenação de Simone R. Neutzling. Porto Alegre, 2010.

SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Bens culturais e sua proteção jurídica. 3.ed. (ano 2005), 6o reimp. Curitiba: Juruá, 2011.

BRASIL. República Federativa do Brasil. Constituição de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm Acessado em 09/02/2019.

ROSÁRIO, Cláudia Cerqueira do. O lugar mítico da memória. MORPHEUS, Revista eletrônica em ciências humanas. n. 1. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2002.

PRATS, L. Antropología y Patrimônio. Barcelona: Ariel, 1998.

COSTA, Heloísa Helena Fernandes da. Culturas urbanas: identidades e diversidades. Cidade e Memória na Globalização. Org. por Zita Possamai e Vitor Ortiz. Porto Alegre: Unidade Editorial da Secretaria Municipal da Cultura, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-004

Refbacks

  • There are currently no refbacks.