Resíduo sólido industrial na Serra Gaúcha: Geração, tipologia e destinação / Solid industrial waste at Serra Gaúcha: Generation, typology and destination

Francine Zanatta, Henrique Di Domenico Ziero, Thiago de Castilho Bertani, Clódis de Oliveira Andrades Filho, Rejane Maria Candiota Tubino, Ana Carolina Tramontina

Abstract


O desenvolvimento econômico visto no início deste século tem estimulado uma grande geração de resíduos de produção industrial. Atualmente, estes resíduos são considerados uma problemática ambiental, tanto pelos grandes volumes gerados, como pela necessidade de disposição adequada a fim de evitar danos ao ambiente e à saúde humana.O Rio Grande do Sul é um estado que possui uma grande variedade de atividades industriais, sendo que a Serra Gaúcha, por possuir municípios com elevado desenvolvimento socioeconômico, acaba por contribuir com uma importante parcela da economia do estado.OAvaliando-se o elevado potencial econômico da Serra Gaúcha e o grande número e diversidade industrial, este estudo teve como objetivo a realização de uma análise do panorama da geração de resíduos industriais na região, utilizando os dados obtidos pelo Sistema SIGECORS da FEPAM. A partir da análise dos dados foi possível correlacionar o maior volume de geração de resíduos a municípios com maior desenvolvimento econômico. Além disso, a retração da geração de resíduos comparando-se os anos avaliados pôde ser correlacionada com a retração da economia no período. A partir dos resultados foi possível observar uma grande insipiência dos dados obtidos pelo sistema da FEPAM o que acaba por dificultar a análise dos mesmos. Ao quantificar, classificar e verificar a origem dos resíduos da Serra Gaúcha, é perceptível a necessidade do desenvolvimento de uma economia que venha atender a este mercado de resíduos, para que o desenvolvimento econômico possa ocorrer em associação com o uso sustentável do meio.


Keywords


Resíduo sólido industrial, Destinação de Resíduo, Serra Gaúcha.

References


ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004. Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro, 2004a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10005 Procedimento para obtenção de extrato de lixiviado de resíduos sólidos.. Rio de Janeiro: ABNT, 2004b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10006. Procedimento para obtenção de extrato de solubilizado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: ABNT, 2004c.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2010. São Paulo, 2014. Disponível em: Acesso em: 25 de agosto de 2017.

ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA ENCOSTA SUPERIOR DO NORDESTE. Relatório da Amesne para instalação da Ufrgs na Serra. Disponível em: Acessado em 17 agosto 2017.

BRASIL. Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em . Acesso em 27 de dezembro de 2017.

CAXIAS DO SUL. Perfil Socioeconômico. Caxias do Sul: Prefeitura Municipal de Caxias do Sul, 2014. 64 slides, color. Disponível em: . Acesso em: 10 dezembro 2017.

COREDE, CONSELHOS REGIONAIS DE DESENVOLVIMENTO (COREDES) RS. Disponível em: http://planejamento.rs.gov.br/coredes. Acessado em 21 de novembro de 2017.

ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. Rumo a economia Circular. 2014. Disponível em: Acesso em: 18 julho. 2017.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, Fiergs, Indicarores Industriais, 2012. Disponível em: Acesso em 22 agosto de 2017.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA – FEE. Tendências Regionais : PIB, demografia e PIB per capita. 2014. Adalmir Antonio Marquetti, Cecília Rutkoski, Bruno Breier Caldas. Porto Alegre, FEE, 2014.

FUNDAÇÃO DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. Série Histórica. Apresenta as tabelas do PIB conforme metodologia de cada período. Rio Grande do Sul, 2017. Disponível em https://www.fee.rs.gov.br/indicadores/pib-rs/estadual/serie-historica/. Acesso em 28 de dezembro de 2017.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - FEAM. Inventário de Resíduos Sólidos Industriais - Ano Base 2010. Minas Gerais, 2010.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - FEPAM. Relatório sobre a geração de resíduos sólidos industriais no estado do Rio Grande do Sul. Renato das Chagas e Silva. Porto Alegre, 2003.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - FEPAM. Portaria nº 016, de 20 de abril de 2010. Rio Grande do Sul, Disponível em: . Acesso em: 15 dezembro 2017.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - FEPAM. Guia Básico do Licenciamento Ambiental. Porto Alegre: [s.n.], 2017. Disponível em: . Acesso em: 06 DEZ. 2017.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - FEPAM. Portaria nº 012, de 2020. Rio Grande do Sul, Disponível em: < . Acesso em: 15 de abirl 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Produto Interno Bruto dos municípios. Ranking Estadual. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/caxias-do-sul/pesquisa/38/47001?tipo=ranking&ano=2014. Acesso em 28 de dezembro de 2017. Brasil, 2017.

LADEIRA, A. C. Q. et al. Avaliação do potencial poluidor da indústria galvânica: caracterização, classificação e destinação de resíduos. Rem: Revista Escola de Minas, [s.l.], v. 61, n. 3, p.385-390, set. 2008. FapUNIFESP.

MOTA, J.; ALMEIRA, M. M.; ALENCAR, C. V.; CURI. F; Características e Impactos Ambientais causados pelos resíduos sólidos: Uma Visão Conceitual. I Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo. São Paulo, 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto nº 38.356, de 01 de abril de 1998, que aprova o regulamento da Lei nº 9.921/93. Disponível em Acesso em 22 de julho de 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Versão final do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS-RS). 2015. Disponível em: . Acesso em 26 de janeiro de 2018. RS, 2015b.

RIO GRANDE DO SUL. RS em números: 2017 / coordenação de Tomás Amaral Torezani. -Porto Alegre : FEE, 2017. 48 p. : il.

SEQUINEL, M. C M. O modelo de sustentabilidade urbana de Curitiba: um estudo de caso. Florianópolis, 2002. 108 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - UFSC.

SESI/SENAI. Portal da Indústria – Perfil dos Estados. Disponível em . Acesso em 27 de dezembro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.