Uma análise dos processos de catchingup Chinês efallingbehind Brasileiro na perspectiva da integração às cadeias globais de valor de valor / An analysis of the chinese catching up and Brazilian falling behind processes from the perspective of integration to global value value Chains

Caroline Giusti de Araújo, Antônio Carlos Diegues

Abstract


Este trabalho tem como objetivo analisar o posicionamento brasileiro e chinês na perspectiva da integração às cadeias globais de valor através da construção de indicadores com dados de comércio internacional que, categorizados emtecnologia, possibilitam avaliar a qualidade da integração a montante e a jusante dos países. A tese central deste artigo argumenta que a estrutura produtiva nacional dada pelos condicionantes endógenosalterou a forma de inserção internacional dos países. Em termos de resultado, observou-se que ambas economias tem buscado promover sofisticações tecnológicas na pespectiva do comércio internacional, porém a economia chinesa está avançando em setores que possibilitam catching up, ainda que apresente resultados importantes e semelhantes ao Brasil em tecnologias menos intensivas em conhecimento. Com isso, afirma-se que não se trata apenas de um processo de elevar a participação nas cadeias globais de valor, mas fazer  com que este represente uma integração virutosa dos países. Isto é, supere o path dependence, que está atrelado a capacidade de articulação política, econômica e social que viabiliza a acumulação de capital e a diversificação da estrutura produtiva.


Keywords


Brasil, China, Cadeias globais de valor

References


BRESSER-PEREIRA, L. C. Doença holandesa e sua neutralização: uma abordagem ricardiana. Doença holandesa e a indústria, Editora da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2008.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Brasil vive desindustrialização. Folha de S. Paulo, 2010.

CARNEIRO, Ricardo. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora Unesp, IE – Unicamp, 2002.

CASSIOLATO, J. E; PODCAMENI, M. G. B. As políticas de ciência, tecnologia e inovação na China. In: China em transformação: Dimensões econômicas e geopolíticas do desenvolvimento. IPEA, 2015.

CHANDLER, A. Scale and Scope. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1990.

CHESNAIS, F. A Mundialização do Capital, Xamã Editora, São Paulo, 1996.

COUTINHO, L. C.A especialização regressiva: Um balanço do desempenho industrial pós-estabilização.In: Velloso, J.P.R. (Org.), Brasil: Desafios de um País em Transformação. José OlympioEditora. Rio de Janeiro, 1997.

CROTTY, J. “The effects of increased product market competition and changes in financial markets on the performance of Nonfinancial Corporations in the neoliberal era”. PERI Working paper, n. 44, 2002.

ERNST, D. The Economics of Electronics Industry: Competitive Dynamics and Industrial Organization, East-West Center Working Papers, Economics Series No. 7, October, 2000.

_______. Innovation offshoring and outsourcing: what are the implications for industrial policy? International Journal of Technological Learning, Innovation and Development, volume 1, number 3, pages 309-329, 2008. _______. & Kim, L. “Global production networks, knowledge diffusion, and local capability formation”. Research Policy, n. 31, p. 1417-1429, 2002.

ESPACENET. European Patente Office. Disponívelem:. Acessoem: 28 jan. 2016.

EUROPEAN CHAMBER. China manufacturing 2025: Putting industrial policy ahead of market forces (2017). Disponível em:. Acesso em: 20 maio 2018.

GOMES, G. N. Catchingup ou fallingbehind?As transformações da estrutura produtiva brasileira em comparação a indústria internacional entre o período de 1995 a 2014. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Economia, na Universidade Federal de São Carlos – campus Sorocaba, 2017.

HERMIDA, C. C. Padrão de especialização comercial e crescimento econômico: uma análise sobre o Brasil no contexto da fragmentação da produção e das cadeias globais de valor. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, 2017. 415 p.

KIM, L. Da Imitação à Inovação: A dinâmica do aprendizado tecnológico da Coreia. Campinas: Unicamp, 2005.

KOOPMAN. R. et al. Give credit where credit is due: tracing value added in global production chains. NBER Working Paper, no 16426. Cambridge, MA: [s.n.], 2010.

KOOPMAN, R. WANGW. WEI, S.J. Tracing Value-Added and Double Counting in Gross Exports.American Economic Review, 104(2), p. 459-94, 2014.

KUPFER, D.; LAPLANE, M. Perspectivas do investimento no Brasil: síntese final. Campinas: Unicamp; Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.

LAZONICK, W & SULLALIVAN, M.O. Maximiziningshareholdervalue: a new ideology for corporategovernance. Economy and Society, vol.29 n.1, pp. 13-35, 2000.

LIU, F.; SIMON. D. F.; SUN, Y.; CAO, C. China’s innovation policies: Evolution, institutional structure, and trajectory. 2011.

MARCATO, M. B. Integração comercial em uma estrutura de produção verticalmente fragmentada: teoria, métrica e efeitos.Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas, área de concentração: Teoria Econômica do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2018.

MASIERO, G.; COELHO, D. B. A política industrial chinesa como determinante de sua estratégia going global. Revista de Economia Política, vol. 34, nº 1 (134), pp. 139-157, 2014.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Total de famílias de patentes triádicas, segundo o país de residência do inventor e data de prioridade, de países selecionados, 1999-2013. Acesso em:. Disponível em: 29 de jun 2017.

MORCEIRO, P. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores. Dissertação (Mestrado em Economia)– Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, Araraquara, 2012.

NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Brazilian Journal of Political Economy, vol. 28, nº 1 (109), pp. 72-96. 2008.

NONNEMBERG, M. J. B. Participação em cadeias globais de valor e desenvolvimento econômico.Boletim de Economia e Política Internacional. BEP. n. 17. 2014.

NONNEMBERG, M. J. B.; MESENTIER, A.Is China onlyassemblingpartsandcomponents? The recent spurt in high tech industry. Revista Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 16, n.2:.287-315. 2012.

OECD/WTO. Interconnected Economies: benefiting from Global Value Chains, 272p. 2013

__________.Structural Adjustment and Economic Performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development. 1987.

__________.Trade in Value Added.Disponívelem:< http://stats.oecd.org/index.aspx?r=59951&erroCode=403&lastaction=login_submit#>. Acessoem: 20 maio 2018.

__________.Trade in Value Added indicators: Definitions. (2017). Disponível em:< http://www.oecd.org/sti/ind/tiva/TIVASaM_2016_Indicator_Definitions.pdf>. Acessoem: 20 abr. 2018.

__________.Trade in Value Added indicators: Guide to country notes (2015). Disponível em:< https://www.oecd.org/sti/ind/TiVA_2015_Guide_to_Country_Notes.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2018.

PALMA, J. G. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa. In Conferência de Industrialização, desindustrialização e desenvolvimento. Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, 2005

REIS, C. F. B. O que significa melhorar a inserção do Brasil nas cadeias globais de valor. Repositório de conhecimento do IPEA. 2018. Disponível em:< http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8340>. Acesso em 05 jun. 2018.

REIS, C. F. B. Estrutura produtiva e instituições no desenvolvimento econômico a partir de recursos naturais: uma análise teórica e crítica. Encontro nacional ANPEC, 2012. Disponível em:. Acesso em 05 jun. 2018.

ROCHA, M. A. Transformações produtivas e patrimoniais no Brasil pós-crise in Dimensões estratégicas do desenvolvimento brasileiro, vol 4. CGEE, Brasília, 2015.

STURGEON, T. J. T, Turn-Key Production Networks: A New American Model of Industrial Organization?, University Of California in Berkeley. Berkeley Roundtable on the International Economy. Working Paper 92A, August, 1997.

STURGEON, T.; GEREFFI, G.; ZYLBERBERG, E. O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. Researchgate. Disponível em:. Acesso em 20 jun. 2018.

WORLD BANK. Development Data. Vários dados. Disponível em:. Acessoem: 08 maio 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n1-1001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.