Credit guarantee schemes as drivers of the urban economy: notes and suggestions. / Garantidoras de Crédito como dinamizadoras da economia urbana: apontamentos e sugestões.

Christian Frederico da Cunha Bundt Bundt

Abstract


This essay discusses themes like credit guarantee, cooperativism and sustainability, contextualized in the city. These themes have a strong connection with small and medium business, which are the majority of Brazilian companies and responsible for more than half of the country's formal jobs. The aim of the study is to discuss what characterizes the credit guarantee society as a potential instrument for mitigating the negative social effects of instrumental rationality on the city and what means it has to collaborate in the search for a business environment more favorable to small and medium business, without neglecting of sustainability concepts proposed by Sachs (1986), among other authors. A specific credit guarantor was also analyzed and action suggestions made towards the study objective. The discussion proves there is a strong connection of the themes and the possibility of the guarantors playing a relevant role in the search for substantive rationality.


Keywords


Management. Rationality. Credit Guarantee Schemes. Sustainability. Cooperativism.

References


ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha. São Paulo: Edusp, 1998.

ARGAN, G. C. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ARIZMENDIARRIETA, J. M. La empresa para el hombre. Mondragón: Caja Laboral Popular, 1984.

AZEVEDO, A.; ALBERNAZ, R.A. A Razão d’A Nova Ciência das Organizações. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. 13, Edição Especial, Rio de Janeiro, set. 2015. p.593-604.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Coleção Garantias. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: 15 set. 2019.

BANCO MUNDIAL. Principles for public credit guarantee schemes for SMEs. Policy Research Working Paper 7753. Washington/DC, WBG, 2016. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/576961468197998372/pdf/101769-REVISED-ENGLISH-Principles-CGS-for-SMEs.pdf. Acesso em: 18 set. 2019.

BUNDT. Christian Frederico da Cunha; FERREIRA, Jefferson Marcondes; RIBASKI, Sônia Aparecida Guetten. Sociedades de Garantia de Crédito do Paraná - breve descrição e análise de atividades em 2018. Brazilian Journal of Technology, volume 2, número 3. p. 730-741, jul./sep. 2019.

BRESCIANI, M. S. A cidade: objeto de estudo e experiência vivenciada. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 6, n. 2, Campinas, nov. 2004.

CASTRO, L. H.; RODRIGUES, E. R. Q. Sociedade garantidora de crédito. Série Empreendimentos Coletivos. Brasília: Sebrae, 2014.

CAVINATO, R. A. Associação de Garantia de Crédito da Serra Gaúcha - Garantiserra: um esquema de garantias misto, público-privado. In: POMBO, P.; ALVIM, P. (Eds.). Coletânea Garantias 2014 - Parceria SEBRAE e REGAR. Brasília/DF, Brasil: Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa - SEBRAE, 2014. p. 183-200.

FELTRIN, L. E; FERREIRA, E. C. Inclusão financeira: a visão e a atuação do Banco Central do Brasil. In: SANTOS, C. A. Pequenos negócios: desafios e perspectivas: serviços financeiros. v. 5. Brasília: Sebrae, 2013. p. 29-37.

FERNANDES, V. A racionalização da vida como processo histórico: crítica à racionalidade econômica e ao industrialismo. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. 6, n. 3, Rio de Janeiro, set. 2008.

FERNANDES, V.; PONCHIROLLI, O. Contribuições da racionalidade comunicativa, racionalidade substantiva e ambiental para os estudos organizacionais. CADERNOS EBAPE.BR (FGV), v. 9, Edição Especial, Rio de Janeiro, jul. 2011.

FERNANDES, V.; RAUEN, W. B. Sustainability: an interdisciplinary field. Fronteiras. Journal of Social, Technological and Environmental Science, Anapolis, v. 5, p. 188-204, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.21664/2238-8869.2016v5i3.p188-204. Acesso em: 04 set. 2019.

FRIED, H. O.; LOVELL, C. A. K.; EECKAUT , P. V. Evaluating the performance of US credit unions. Journal of Banking & Finance. v.17. 1993. p.251-265 (ISSN 0378-4266). Disponível em: https://doi.org/10.1016/0378-4266(93)90031-8. Acesso em 12 out. 2019.

GARANTISUL. Relatórios de Gestão. Curitiba: Garantisul, 2019.

GAT; ABDURAHMAN, E.; WAWORUNTU, S. R. Contribution of information technology through consumer engagement to improve market growth of credit union. 5th International Conference on Cyber and IT Service Management (CITSM). Denpasar, 2017. p. 1-6. Disponível em: https://doi.org/10.1109/CITSM.2017.8089259. Acesso em: 10 dez. 2019.

GODDARD, J.; MCKILLOP, D.; WILSON, J. The diversification and financial performance of US credit unions. Journal of Banking & Finance. v.32. p.1.836-1.849. 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.jbankfin. 2007.12.015. Acesso em: 12 dez. 2019.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

ILLICH, I. A convivencialidade. Lisboa: Europa-América, 1976.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez Editora, 2000

LIPIETZ, A. Uma visão regulacionista sobre o futuro da ecologia urbana. In: Cadernos IPPUR/UFRJ. Ano 8, N.1, abr. 1994. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 1994.

MANNHEIN, K. Utopia. In: NEUSÜSS, A. Utopía. Barcelona: Barral Editores, 1971.

MEINEN, Ê.; PORT, M. Cooperativismo financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Brasília: Confebras, 2014.

MORUS, T. A Utopia. São Paulo: LP&M, 1997.

NAMORADO, R. O mistério do cooperativismo: da cooperação ao movimento cooperativo. Coimbra: Almedina, 2013.

NITSCH, M.; KRAMER, D. Garantias de crédito para micro e pequenas empresas: experiências com sistemas entre autoajuda, fomento público e parcerias público-privadas. In: SANTOS, C. A. Pequenos negócios: desafios e perspectivas: serviços financeiros. v. 5. Brasília: Sebrae, 2013, p. 233-247. Disponível em: https://www.lai.fu-berlin.de/homepages/nitsch/garantias19-final-Manfred-Nitsch-e-Dirk-Kramer.pdf. Acesso em: 01 out. 2019.

PEREIRA, G. Realidade urbana contemporânea: um exercício reflexivo. UFPR. 2008. Disponível em: http://www.tecnologia.ufpr.br/portal/lahurb/wp-content/uploads/sites/ 31/2017/08/ Realidade_Urbana_Contemporanea.pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

POMBO, P.; HERRERO, A. Los sistemas de garantías para la PYME en una economía globalizada. 1.ed. Espanha: Egondi Artes Gráficas, 2001.

POMBO, P.; MOLINA, H.; RAMÍREZ, J. N. Clasificación de los sistemas de garantía desde la experiencia latinoamericana - Nota Técnica IDB-TN-503. Banco Interamericano de Desenvolvimento, Departamento de Desenvolvimento Sustentável, Divisão de Micro, Pequena e Média Empresa, jan. 2013.

PORTAL das SGC – Sociedade de Garantia de Crédito. Disponível em: http://www.garantidorasdecredito.com.br. Acesso em: 15 mai. 2018.

PORTO, P. A. C.; OPUSZKA, P. R. Dos primórdios de Rochdale à consolidação do cooperativismo como fonte de desenvolvimento. In: Direito econômico e desenvolvimento - CONPEDI/UFS. Florianópolis: CONPEDI, 2015. p. 358-371. Disponível em: https://www.conpedi.org.br/publicacoes/c178h0tg/8uix05yq/ fjG094Ri0wS7ODTa.pdf. Acesso em: 07 set. 2019.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1989.

SACHS, I. Espaços, tempos e estratégias do desenvolvimento. São Paulo: Vértice, 1986.

______ . Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. Studio Bobel: FUNDAR, 1993.

SAMPAIO, C. A. C.; FERNANDES, V.; ETXAGIBEL, J. A.; GABILONDO, L. A. Revisitando a experiência de cooperativismo de Mondragón a partir da perspectiva da ecossocioeconomia. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 25, p. 153-165, Editora UFPR, jan./jun. 2012.

SANTOS. B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, C. A. Risco de crédito e garantias: a proposta de um sistema nacional de garantias. Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa - Sebrae, 2006. Disponível em: http://www.sociedadegarantiacredito.com.br/publicacoes/teses-monografias. Acesso em: 09 set. 2019.

SCHNEIDER, J. O. Democracia: participação e autonomia cooperativa. São Leopoldo: UNISINOS, 1991.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Fundação Vitor Civita, 1997.

SERVA, M; CAETANO, D.; SANTOS, L.; SIQUEIRA, G. A análise da racionalidade nas organizações - um balanço do desenvolvimento de um campo de estudos no Brasil. Cadernos EBAPE.BR (FGV), v. 13, n. 3, Rio de Janeiro, jul./set. 2015. p.414-437.

SEN, A. K. Development as freedom. New York: Anchor Books, 2000.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Pequenos negócios em números. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/sp/sebraeaz/pequenos-negocios-em-numeros,12e8794363447510VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 10 out. 2019.

TOPALOV, C. Do planejamento à ecologia: nascimento de um novo paradigma de ação sobre a cidade e o habitat? In: Cadernos IPPUR/UFRJ. Vol. XI, N.1 e 2, jan/dez 1997. Rio de Janeiro: IPPUR/UFRJ, 1997 p. 19-42.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PARANÁ. Acórdão TCE/PR 472/12. Disponível em: https://www1.tce.pr.gov.br/multimidia/2012/4/pdf/00009190.pdf. Acesso em: 16 out. 2019.

WEBER, M. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1996.

WINNER, Langdon. Do Artifacts have Politics? Daedalus, v. 109, n. 1, Winter, 1980, p. 121-136. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/20024652. Acesso em: 20 out. 2019.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.