Farmacoterapia na percepção dos discentes da área de saúde / Pharmacotherapy in the perception of healthy area disciples

Elisângela de Andrade Aoyama, Beatriz Fernandes Carvalho, Jasmine Garcia de Figueiredo, Elizany Libanio de Andrade Costa, Ludmila Rocha Lemos

Abstract


A farmacoterapia possibilita a prevenção ou o tratamento de enfermidade, além de amenizar os sintomas, desacelerar o progresso da doença e, dessa maneira, o acesso ao fármaco é algo primordial. Na atualidade os medicamentos são utilizados de forma inadequada, sendo comparada a uma epidemia entre a população. Devido à importância deste tema em todos os setores da saúde, o estudo teve como objetivo avaliar o conhecimento de acadêmicos da área da saúde a respeito de farmacoterapia. Aplicou-se 40 questionários, nos meses de setembro e outubro de 2017, entre pessoas de 18 a 40 anos, em quatro cursos da aérea da saúde na Faciplac. O questionário foi utilizado para definir o conhecimento de acadêmicos da área da saúde sobre farmacoterapia. Dos quarenta participantes 70% tem conhecimento sobre o que é farmacoterapia e 77,5% sabem o que são interações medicamentosas. Quando questionados 77,5% afirmaram já terem sido instruídos como administrar o medicamento, porém 87,5% diz faltar orientação por meio do farmacêutico. Dos participantes 92,5% já se medicaram por conta própria. Esses resultados indicam que a amostra estudada tem um entendimento supérfluo, por mais que muitos saibam o significado de farmacoterapia não o colocam em prática, isso fica claro pela quantidade de estudantes que se automedicam.

 


Keywords


Atenção farmacêutica, automedicação, farmacoterapia.

References


Secoli SR. Polifarmácoa: Interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem. 2010; 63(1):136-140.

Diniz ACI, Alves GC, Furlan LC et al. A importância da promoção do uso racional de medicamentos realizada pelo projeto de assistência Farmacêutica estudantil. 8º Congresso de extensão universitária da UNESP. 2015;

Aquino DS, Barros JAC, Silva MDP. Automedicação e os acadêmicos da área da saúde. Ciência e Saúde Coletiva. 2010;

Bernardi LSA, Gomes CT, Rocha ACA et al. Percepção e ultilização da educação em saúde para o uso racional de medicamentos por médicos. Revista Brasileira em Promoção a Saúde. 2014;

Rocha FCS, Menesses R, Cerqueira TCF, et al. Conhecimento de biossegurança por profissonais de saúde em unidades hospitalares. Cadernos de Graduação – Ciências Biológicas e sa Saúde Unitáira. 2014;

Isabela VLP, Adriano MMR, Calline CAB, et al. Avaliação da compreensão da farmacoterapia entre idosos atendidos na atençõa primária à saúde de belo horizonte, MG, Brasil. 2016;

Naves JOS, Castro LLC, Carvalho CMS, Hamann EM. Automedicação: uma abordagem qualitativa de suas motivações. Ciência e Saúde Coletiva. 2010;

.

Alano GM, Leguizamonn DMD, Vargas VM. Revisão da farmacoterapia de pacientes do programa componente e especializado da assistência farmacêutica em um município de Santa Catarina, Brasil. Infarma Ciências Farmacêuticas. 2017;

Lupatini EO, Munik AKR, Vieira RCPA. Percepções dos pacientes de um hospital de ensino quanto à farmacoterapia e à orientação farmacêutica na alta. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. 2014;

Arboit EL, Silva LAA. Eventos adversos relacionados à terapia medicamentosa na enfermagem. Revista de Enfermagem. 2012;

Tavares NUL, Bertoldi AD, Mengue SS et al. Fatores associados à baixa adesão ao tratamento farmacológico de doenças cônicas no Brasil. Revista de Saúde Pública. 2016;

Barros AR, Lima FA, Santos ALV. Acompanhamentos farmaco terapêutico de paciente renais crônicos do instituto de nefrologia do araguaia. Revista Eletrônica Interdiciplinar. 2017;

Obreli-Neto PR, Prado MF, Vieira JC et al. Fatores interferentes na taxa de adesão à farmacoterapia em idosos atendidos na rede pública de saúde do município de salto grande – SP, Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2010;

Angonesi D, Unes MPR. Dispensação farmacêutica: proposta de um modelo para a pratica. Ciência e Saúde Coletiva. 2011;

Profin MP, Campos AP, Nielson AEO et al. Atenção farmacêutica em Goiânia: inserção do farmacêutico na estratégia saúde da família. Saúde Social. 2010;

Correr CJ, Otuki MF, Soler O. Assistência farmacêutica integrada ao processo de cuidado em saúde: gestão clinica do medicamento.Revista Pan-Amaz Saude. 2011;


Refbacks

  • There are currently no refbacks.