Avaliação da utilização de telessaúde para apoio assistencial na atenção primária à saúde / Evaluation of the use of telehealth for care support in primary health care

Luana Gabriele Nilson, Maria Cristina Marino Calvo, Luise Lüdke Dolny, Sonia Natal, Marcos Aurélio Maeyama, Josimari Telino de Lacerda

Abstract


Objetivo: Avaliar a utilização de telessaúde para apoio assistencial em um estado brasileiro a partir da compreensão do funcionamento da intervenção pelos atores envolvidos no processo. Método: Estudo de caso único de abordagem qualitativa com três níveis de análise. O estudo de avaliabilidade e a modelização para avaliação de telessaúde para apoio assistencial na Atenção Primária à Saúde foram orientados pela Teoria de Mudança. O caso selecionado (um Núcleo Técnico Científico de Telessaúde) existe desde o início do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes e oferece todos os serviços propostos. Os níveis de análise foram definidos a partir de atores-chave envolvidos na oferta e utilização do Telessaúde. A coleta de evidências contemplou pesquisa documental, 19 entrevistas individuais e um grupo focal. Foi empregado análise de conteúdo temática orientada pelas categorias estabelecidas pela modelização. Resultados: Apesar do alcance de 100% dos municípios do Estado, identificou-se que o Telessaúde SC não é utilizado por todos os profissionais e equipes de saúde; não há equipamentos suficientes e nem cobertura total da rede de internet; as regulamentações formais disponíveis são insuficientes e não identificadas, mesmo determinando o aumento na utilização de serviços quando implantadas. Quando utilizado, o apoio assistencial oferecido pelo Telessaúde SC ampliou o acesso e qualificou o cuidado em saúde, melhorou a comunicação entre os pares, fortaleceu e deu mais segurança aos profissionais. Conclusões: Há desafios a serem superados para ampliar a utilização do Telessaúde, sendo imprescindível o fortalecimento de políticas, leis e regulamentações para a garantia da sustentabilidade e utilização.


Keywords


Telessaúde, Avaliação de Programas e Projetos de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Teoria de Mudança.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Nota Técnica 50/2015: Diretrizes para a oferta de atividades do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Telessaúde para Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 123 p.

Figueiredo AM, Guedes TAL. Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. In: Valentim RAM et al. (Ed.). A Telessaúde no Brasil e a inovação tecnológica na atenção primária. Natal: EDUFRN, 2015. pp.27-46.

Schmitz CAA, Harzheim E. Oferta e utilização de teleconsultorias para a Atenção Primária à Saúde no Programa Telessaúde Brasil Redes. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro, 2017 Jan-Dez;2(39):1-11.

Santos AF, Fonseca Sobrinho D, Araújo LL, Procópio CSD, Lopes EAS, Lima AMLD, Reis CMR, Abreu DMX, Jorge AO, Matta-Machado AT. Incorporação de Tecnologias de Informação e Comunicação e qualidade na atenção básica em saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2017; 33(5):e00172815.

Maldonado JMSV, Marques AB, Cruz A. Telemedicina: desafios à sua difusão no Brasil. Cad. Saúde Pública Rio de Janeiro 2016;32(Sup 2):e00155615.

Lapão LV, Dussault G. The contribution of eHealth and mHealth to improving the performance of the health workforce: a review. Public Health Panorama Sept 2017;3(3):463-471.

Stein D, Valters C. Understanding Theory of Change in International Development. JRSP Paper 1. The Asia Foundation. August 2012. 25 p. Disponível em: http://www.theoryofchange.org/wp-content/uploads/toco_library/pdf/UNDERSTANDINGTHEORYOFChangeSteinValtersPN.pdf, acesso 06 maio 2018.

Allen W, Cruz J, Warburtun B. How Decision Support Systems can benefit from a Theory of Change approach. B. Gestão ambiental Junho de 2017;59(ed.6):956-965.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Nilson LG, Dolny LL, Natal S, Lacerda JT, Calvo MCM. Telehealth Centers: A Proposal of a Theoretical Model for Evaluation. Mary Ann Liebert, Inc. Telemedicine and e-health 2017;23(11):905-912.

Nilson LG. Avaliação de Telessaúde para apoio assistencial na Atenção Primária à Saúde [tese de doutorado]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Sistema Catarinense de Telemedicina e Telessaúde: Planilhas de acompanhamento de serviços. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

Minayo MCS. Técnicas de Análise do Material Qualitativo. In: Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitative em saúde. 14.ed. São Paulo: Hucitec, 2014. pp.303-372.

Brasil, Ministério da Saúde. Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica à Saúde: Núcleos de Telessaúde. Departamento de Atenção Básica, Telessaúde, 2018. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_telessaude.php?conteudo=nucleos_telessaude, acesso 14 setembro 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011: Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2546_27_10_2011.html, acesso 06 maio 2018.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/, acesso 12 abril 2018.

Santa Catarina. Secretaria de Estado da Saúde. Atenção Básica – Acompanhamento e Avaliação. Acompanhamento da Estrutura: Saúde da Família e Serviços na Atenção Básica, 2018. Disponível em: http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=384&Itemid=464, acesso 16 abril 2018.

Lapão LV, Messina LA, Ungerer R, Campos F. Roteiro estratégico para a telessaúde na CPLP: diagnóstico e prioridades para o desenvolvimento da telessaúde. An Inst Hig Med Trop 2016; 15(Supl. 1):S65-S73.

Velázquez M, Pacheco A, Silva M, Sosa D. Evaluación del processo de teleconsulta desde la perspectiva del provedor, Programa de Telesalud de Oaxaca, México. Rev Panam Salud Publica 2017;41:1-8.

Correia A, Azevedo V, Lapão LV. A Implementação da Telemedicina em Cabo Verde: Fatores Influenciadores. Acta Med Port. 2017;30(4):255-262.

Maeyama MA, Calvo MCM. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada. Revista Brasileira de Educação Médica 2018;42(2):63-72.

Cortese M, Nilson LG, Maeyama MA, Leopoldo KCG, Silva TE, Calvo MC. Avanço da Teleconsultoria no Estado de Santa Catarina: uma parceria da Regulação do Estado com o Núcleo Telessaúde. Revista Catarinense de Saúde da Família out. 2017;Ano 7(14):6-10.

Haddad AE, Silva DG, Monteiro A, Guedes T, Figueiredo AM. Follow up of the legislation advancement along the implementation of the Brazilian Telehealth Programme, J Int Soc Telemed eHealth 2016;4(e11):1-7.

Marcolino MS, Alkmim MB, Assis TGP, Sousa LAP, Ribeiro ALP. Teleconsultorias no apoio à atenção primária à saúde em municípios remotos no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;35(5/6):345–52.

Akhlaq A, Mckinstry B, Muhammad KB, Sheikh A. Barriers and facilitators to health information exchange in low- and middle-income country settings: a systematic review. Health Policy an Planning 2016;31(9)1310-1325.

Pessoa CG, Sousa L, Ribeiro A, Oliveira T, Silva JL, Alkmim MB, Marcolino MS. Description of Factors Related to the Use of the Teleconsultation System of a Large Telehealth Service in Brazil – the Telehealth Network of Minas Gerais. Journal of the International Society for Telemedicine and eHealth 2016;4:1-9.

Scott RE, Mars M. Telehealth in the developing world: current status and future prospects. Smart Homecare Technology na telehealth 2015;2015(3):25-37.

Alkmim MB, Marcolino MS, Figueira RM, Sousa L, Nunes MS, Cardoso CS, Ribeiro AL. Factors Associated with the Use of a Teleconsultation System in Brazilian Primary Care. Telemedicine and e-Health Mary Ann Liebert, Inc. 2015;21(6):1-11.

Mendes, EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 2015. 193p.

Taylor J, Coates E, Brewster L, Mountain G, Wessels B, Hwley MS. Examining the use of telehealth in community nursing: identifying the factors affecting frontline staff acceptance and telehealth adoption. 2015 Feb;71(2):326-337.

Schmitz CAA, Gonçalves MR, Umpierre RN, Siqueira ACS, D’Ávila OP, Bastos CGM, Dal Moro RG, Katz N, Harzheim. Teleconsulta: nova fronteira da interação entre médicos e pacientes. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017; 12(39):1-7.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-114

Refbacks

  • There are currently no refbacks.