Prevalência e acompanhamento nutricional de super obesos que realizaram a cirurgia bariátrica em Fortaleza / Prevalence and nutritional follow-up of super obests who carried out bariatric surgery in Fortaleza

Raquel Pessoa de Araújo, Vanessa Duarte de Morais, Germana Medeiros Rodrigues, Anna Carolina Torres Evangelista, Maria Vanessa de Lima Santos, Carolina Severo Marinho Vieira

Abstract


A obesidade é caracterizada pelo excesso de acúmulo de gordura corporal e é fator de risco para variadas doenças. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) a obesidade atinge 30 milhões de pessoas no Brasil. Renquist determinou em 1998 uma nomenclaturas complementar para indivíduos com IMC ≥ 50kg/m2, sendo super obeso mórbido indivíduos com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 50-59,9 kg/m2 e super super obeso mórbido quem apresentar ≥ 60 kg/m2. Essa pesquisa teve como principal objetivo analisar a prevalência de super obesos que realizaram a cirurgia bariátrica e a continuidade no acompanhamento nutricional. Este estudo foi do tipo transversal com abordagem quantitativa em prontuários de forma aleatória de pacientes que realizaram a cirurgia bariátrica, a pesquisa foi desempenhada em uma clínica especializada no tratamento clínico e cirúrgico da obesidade em Fortaleza, no período de setembro a outubro de 2018. Foram analisados os 430 prontuários de pacientes de ambos os sexos, onde a prevalência de pacientes com super obesidade foi 8,60% (n=37), sendo 52,7% do sexo masculino, o peso e IMC médio no pré-operatório era de 53,9 Kg/m² ± 3,3 para os pacientes do sexo masculino e 54,0 Kg/m² ± 2,9 para sexo feminino. Em relação a perda média de peso e IMC por esses pacientes, foi possível constatar que durante os 3 primeiros meses houve redução na média de peso e IMC em ambos os sexos com baixa desistência do acompanhamento pós-operatório, a perda de peso e IMC ocorreu até o 9º mês, porém a partir do 6º mês houve um aumento na prevalência de desistência do acompanhamento pós-operatório, sendo essa desistência com maior frequência no sexo masculino, após 12 meses de acompanhamento. Observou-se nessa amostra que houve perda de peso até o 9° mês, porém a partir do 6° mês houve um aumento significativo da desistência. Embora a cirurgia seja efetiva para a maior parte das pessoas, a longo prazo podem acontecer o reganho de peso, deste modo, o acompanhamento nutricional, bem como com toda a equipe interdisciplinar se torna indispensável para o paciente, principalmente quando se trata de pacientes super obesos mórbidos e super super obesos mórbidos.

Keywords


Acompanhamento, nutrição, super obesos.

References


SBEM – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (2016). Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

WHO – World Health Organization (2016). Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2018.

SBCBM - Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (2014). Disponível em . Acesso em:15 abr. 2018.

Chagas, M.O.; Neves, S.M.M. Avaliação da qualidade de vida de pessoas com obesidade mórbida. Estudos, v. 42, n. 4, p. 465-479, 2015.

Kitahara, C.M. et al. Association between class III obesity) BMI of 40 – 50 kg/m2 and mortality: a pooled analysis of 20 prospective studies. PLoS medicine, v. 11, n. 7, p.e 1011673, 2014.

Murguía, M.S.; Sierra, A.V.; Tamayo, M.T. Intervención cognitivo-conductual grupal para pérdida de peso y calidad de vida en pacientes candidatos a cirugía bariátrica. Acta Colombiana de Psicología, v. 17, n. 1, p. 25-34, 2014.

Ribeiro, J.N. et al. Interferência do grau de obesidade no sucesso da cirurgia bariátrica. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 2, n. 9, p. 8, 2008.

Kelles, S.M.B.; Machado, C.J.; Barreto, S.M. Ten-years of bariatric surgery in Brazil: in-hospital mortality rates for patients assisted by universal health system or a health maintenance organization. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo), v. 27, n. 4, p. 261-267, 2014.

MENEGOTTO, Ana Luiza Savaris et al. Nutritional consultations frequency after bariatric surgery. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo), v. 26, n. 2, p. 117-119, 2013.

BRESSAN, Josefina; BORDALO, Lívia A.; MOURÃO, Denise Machado. Deficiências nutricionais após cirurgia bariátrica por que ocorrem?. 2011.

DA SILVA, Renata Florentino. Reganho de peso após o segundo ano do Bypass gástrico em Y de Roux. 2013.

RENQUIST, K. Obesity Classification. Obesity sugery. v.8. p.480-480, August. 1998




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-097

Refbacks

  • There are currently no refbacks.