Entrevista da família para doação de órgãos na perspectiva dos profissionais: revisão integrativa/ Family interview for organ donation in the professionals perspective: integrative review

Glaucia Jaine Santos da Silva, Juliana Graciela Vestena Zillmer, Eduarda Rosado Soares, Barbara Resende Ramos, Juliana Zeppini Giudice

Abstract


Identificar os estudos qualitativos publicados sobre abordagem familiar no processo de doação de órgãos. Revisão integrativa da literatura com busca dos artigos publicados entre 1997 a 2017, indexados nas bases de dados SciELO, Bireme, Pubmed, Sage Journal, Lilacs, MEDLINE, Google Acadêmico, e CAPES. Os estudos foram analisados mediante estatística descritiva e análise de conteúdo. Foram encontrados 19 estudos; sendo estes, predominantemente desenvolvidos no Brasil. Quanto a área, a enfermagem foi a mais frequente; sendo a fenomenologia o referencial teórico mais utilizado. Para a síntese do conhecimento, foram construídas as seguintes categorias: Aspectos bioéticos no processo de doação de órgãos; Percepção dos profissionais de saúde ao processo de doação de órgãos; Assistência à família do paciente potencial doador; e Educação profissional para a entrevista familiar. Os estudos qualitativos, em se tratando da abordagem familiar, ainda são insuficientes para compreender os entraves e apontar estratégias para melhorar a abordagem familiar.


Keywords


Família; Obtenção de órgãos e tecidos; Entrevista; Revisão.

References


Brasil. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2011-2018). São Paulo: ABTO; 2018. 89p.

Costa IF, Mourão Netto JJ, Brito MCC, Goyanna NF, Santos TC, Santos, SS. Fragilidades na atenção ao potencial doador de órgãos: percepção de enfermeiros. Revista Bioética. 2017; 25(1):130–137.

Pessoa JLE, Schirmer J, Roza BA. Avaliação das causas de recusa familiar a doação de órgãos e tecidos. Associação Paulista de Enfermagem. 2013; 26(4):323-30.

Neades BL. Presumed consent to organ donation in three European Countries. Nursing Ethics. 2009; 16(3):267–282.

Almeida CE, Bueno SMV, Donoso LMB, Reis LM, Vieira TR. Aspectos Ético-Legais Envolvidos No Processo De Doação. Arquivos Ciências da Saúde UNIPAR. 2012; 16(3):105-109.

Orøy A, Strømskag KE, Gjengedal E. Approaching families on the subjecto for organ donation: a phenomenological study of the experience of health care professionals. Intensive and Critical Care Nursing. 2013; 29(4):202–211.

Cajado MCV. Experiências de familiares diante da possibilidade de doar órgãos e tecidos para transplantes. Psicologia, Diversidade e Saúde. 2017; 6(2):114-20.

Fernandes MEN, Bittencourt ZZLC, Boin IFSF. Vivenciando a doação de órgãos: sentimentos de familiares pós consentimento. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2015; 23(5):895-901.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto. 2009; 17(4):758-64.

Hsieh H, Shannon S. Three approaches to qualitative content analysis. Qualitative Health Research. 2005; 15(9):1277-88.

Leite NF, Maranhão TLG, Farias AA. Captação de múltiplos órgãos: os desafios do processo para os profissionais da saúde e familiares. Id Online Multidisciplinary and Psycology Journal. 2017; 11(34):246-70.

Fonseca PIMN, Tavares CMM, Silva TN, Paiva LM, Augusto VO. Family interview for organ donation: necessary know ledge according to coordinators in organ transplants. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2016; 8(1): p. 3979-90.

Fonseca PIMN, Tavares CMM. O preparo emocional dos profissionais de saúde na entrevista familiar: estudo hermenêutico. Online Brazilian Journal of Nursing. 2014; 13(4):496–506.

Moraes EL, Santos MJ, Merighi MAB, Massarolo MCKB. Vivência de enfermeiros no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Revista Latino-Americana Enfermagem. 2014; 22(2):226-33.

Moraes EL, Neves FF, Santos MJ, Merighi MA, Massarollo MCKB. Experiences and expectations of nurses in caring for organ donos and their families. Escola de Enfermagem da USP. 2015; 49(2):127-133.

Santos MJ, Massarollo MCKB, Moraes EL. Entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Acta Paul Enfermagem. 2012; 25(5):788-94.

Santos MJ, Massarollo MCKB. Fatores que facilitam e dificultam a entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Acta Paulista de Enfermagem. 2011; 24(4):472-478.

Lima AAF, Silva MJP, Pereira LL. Sufrimiento y contradicción: el significado de la muerte y del morir para los enfermeros que trabajan en el proceso de donación de órganos para trasplante. Enfermería Global. 2009; 8(1):1-17.

Lima AAF, Silva MJP, Pereira LL. Percepção do enfermeiro da organização de procura de órgãos (OPO) sobre a humanização do processo de captação de órgãos para transplante. O mundo da Saúde. 2006; 30(3):409–416.

Sadala ML, Lorençon M, Cercal M, Schelp A. Caring for organ donors: The intensive care unit physicians’ view. Heart and Lung: Journal of Acute and Critical Care. 2006; 35(3):190–197.

Sadala ML, Mendes HW. Caring for organ donors: the intensive care unit nurses’ view. Qualitative health research. 2000; 10(6):788–805.

Orøy A, Strømskag KE, Gjengedal E. Do wetre at individuals as patients or as potential donors? A phenomenological study of health care professionals’ experiences. Nurs Ethics. 2015; 22(2):163–175.

Meyer K, Bjørk IT. Change of focus: From intensive care towards organ donation. Transplant International. 2008; 21(2):133–139.

Sanner MA. Two perspectives on organ donation: experiences of potential donor families and intensive care physicians of the same event. Journal of Critical Care. 2007; 22(4):296–304.

Pearson A, Robertson-Malt S, Walsh K, Fitzgerald M. Intensive care nurses’ experiences of caring for brained a dorgan donor patients. Journal of Clinical Nursing. 2001; 10(1):132–139.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-082

Refbacks

  • There are currently no refbacks.