Sífilis congênita: analise epidemiológica no estado de São Paulo de 2008 a 2012/ Congenital syphilis: epidemiological analysis in the state of Sao Paulo from 2008 to 2012

Fernando da Silva Raposo, Jorge Glauber Massunari, Wilson Jolando Ojeda Junior, Gabriel Mieli Fortuce, Daniela Tereza Ascencio Russi, Nair Toshiko Tashima

Abstract


A sífilis congênita (SC) é uma doença infectocontagiosa com crescimento alarmante, responsável por mais de 300 mil mortes fetais/neonatais no mundo, possuindo elevadas taxas de transmissão vertical. Este estudo tem como objetivo analisar a incidência e os aspectos epidemiológicos do estado de São Paulo e suas macrorregiões. Os dados foram coletados na plataforma DATASUS onde foram pesquisados os casos confirmados, período de diagnóstico, mortalidade, número de nascidos vivos para cálculo da incidência, número de internações e gastos hospitalares relacionados a SC no período 2008-2012.Os resultados obtidos revelaram um aumento generalizado da incidência de SC no estado, especialmente nos anos 2011 e 2012, grande quantidade de diagnóstico tardio, uma concentração de internações e gastos na região da Grande São Paulo. Conclui-se que a falha na atenção básica, especialmente no pré-natal e os aspectos socioeconômicos maternos ajudam no crescimento da SC e dificultam o alcance da meta preconizada.


Keywords


sífilis, sífilis congênita, doença fetal, epidemiologia, neonatologia

References


Ministério da Saúde (BRASIL). Secretaria de vigilância em saúde, coordenação-geral de desenvolvimento da epidemiologia em serviços. Guia de vigilância em saúde. 1. Ed. vol. 2. Brasilia, DF;2017

World Health Organization. Global guidence on criteria and processes for validation: elimination of mother-to-child tranmission (EMTCT) of HIV and syphilis. Geneva: World Health Organization; 2014..

Ministério da Saúde (BRASIL). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/AIDS. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso. 2. ed. Brasilia (DF); 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Transmissão Vertical do HIV e Sífilis: Estratégias para Redução e Eliminação. Brasília, DF; 2014.

Secretaria de Estado da Saúde SES-SP. Serviço de Vigilância Epidemiológica; Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP; Coordenadoria de Controle de Doenças CCD. Sífilis congênita e sífilis na gestação. Rev Saúde Pública, v. 42, n. 4, p. 768-72, 2008.

PAHO (Pan American Health Organization). Elimination of motherto-child transmission of HIV and syphilis in the Americas. Washington D.C (WA); 2017

Flores RLR. Sífilis congênita no município de Belém (Pará): análise dos dados registrados nos sistemas de informação em saúde (SINAN, SIM e SINASC). [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2011. [acesso em 2019]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/24623

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016 junho; 32(6). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Ministério da Saúde(Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Boletim Epidemiológico. Sífilis 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 47(35).

COSTA CC, FREITAS LV, SOUSA DMN, OLIVEIRA LL, CHAGAS ACMA, LOPES MVO, DAMASCENO AKC. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev. esc. enferm. USP. 2013 Fev; 47(1):152-159. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000100019

Lafetá KRG, Martelli Júnior H, Silveira MF, Paranaíba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev. bras. epidemiol. 2016 jan-mar; 19(1):63-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2016000100063&lng=en

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad. Saúde Pública. 2013 jan-jun; 29(6):1109-1120. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000600008




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-054

Refbacks

  • There are currently no refbacks.