Execução de microintervenções realizadas por um médico da família e comunidade em uma UBS no município de Macapá: relato de experiência / Implementation of microinterventions by a family and community doctor in a UBS in Macapá municipal: experience report

Ana Catarina Mattos Fernandes

Abstract


 

Através da realização das microintervenções propostas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) como pré-requisito para a especialização em Saúde da Família, foi possível conhecer melhor a comunidade de abrangência e os serviços de saúde ofertados, para que projetos de melhorias pudessem ser planejados e executados. Por meio da realização do AMAQ (Autoavaliação para Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica), identificou-se as principais fragilidades da equipe, contornar as dificuldades enfrentadas no acolhimento e recepção da demanda espontânea, bem como criar estratégias para melhorar o atendimento em programas essenciais como pré-natal, saúde mental, atenção a criança e atendimento a portadores de doenças crônicas.

 

 


Keywords


Medicina de Família e comunidade; Estratégia Saúde da Família; Atenção Básica.

References


(1) FINKELSZTEJN, Alessandro et al . Encaminhamentos da atenção primária para avaliação neurológica em Porto Alegre, Brasil. Physis, Rio de Janeiro , v. 19, n. 3, p. 731-741, 2009 .

(2) MENDES, E. V. Entrevista - O SUS e a Atenção Primária à Saúde. Revista de APS, Juiz de Fora, v. 8, n. 2, jul./dez. 2005.

(3) LAVRAS, Carmen. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil .Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 867-874 , jan. 2011. ISSN 1984-0470.

(4) BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Protocolos de encaminhamentos da atenção básica para a atenção especializada. Brasilia, Ministério da Saúde 2015.

(5) SOUSA MF, HAMANN EM. Programa Saúde da Família no Brasil: uma agenda incompleta? Ciênc Saúde Colet. 2009;14(Suppl 1):1325-35.

(6) SANTOS, Adriano Maia dos et al . Práticas assistenciais das Equipes de Saúde da Família em quatro grandes centros urbanos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 17, n. 10, p. 2687-2702, oct. 2012.

(7) Campos GWS, Gutiérrez AC, Guerrero AVP, Cunha GT. Reflexões sobre atenção básica e a estratégia de Saúde da Família. In: Campos GWS, Guerrero AVP, organizadores. Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. São Paulo: Hucitec; 2008. p. 132-153.

(8) BRASIL. Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica, n. 28, Volume I. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica ACOLHIMENTO À DEMANDA ESPONTÂNEA, 2011.

(9) GOMIDE, Mariana Figueiredo Souza et al . A satisfação do usuário com a atenção primária à saúde: uma análise do acesso e acolhimento. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 22, n. 65, p. 387-398, abr. 2018 .

(10) DIAS OV, Araujo FF, Oliveira RM, Chagas RB, Costa SM. Acesso às consultas médicas nos serviços públicos de saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2016. 11(38):1-13.

(11) PAIDÉIA, Protocolo de Acolhimento da Secretaria Municipal de Saúde de Campinas. Campinas, 2011..

(12) BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

(13) CORREIA, Valmir Rycheta; BARROS, Sônia; COLVERO, Luciana de Almeida. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 45, n. 6, p. 1501-1506, Dec. 2011 .




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv5n6-052

Refbacks

  • There are currently no refbacks.