Iniciação científica no curso de medicina: contribuições e desafios / Scientific initiation in medicine course: contributions and challenges

Lucas Barone da Rocha, Iuri Pimenta Oliveira, Mayra de Oliveira Maciel Silva, Marianna Camilo Rezende, Raíssa Aparecida da Silva Santos, Camila Magalhães Coelho, Natália de Fátima Gonçalves Amâncio

Abstract


Introdução: A pesquisa deve ser considerada um princípio educativo e instrumento básico de formação, possibilitando a construção de novos saberes. As Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de medicina de 2014 discorrem sobre promoção do pensamento científico e crítico e apoio à produção de novos conhecimentos, evidenciando a relevância das competências para a pesquisa no período da graduação médica. A pesquisa deve ser vista como um instrumento de formação do estudante de medicina e um princípio educativo que permite a construção de novos conhecimentos. Objetivo:  Realizar um levantamento sobre o desenvolvimento de pesquisas do curso de medicina no Programa de Bolsas de Iniciação Científica do Centro Universitário de Patos de Minas. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo do tipo transversal. Os dados coletados pelo estudo são entre os anos 2010 a 2018. Resultados e Discussão: Houve um aumento considerável na submissão de trabalhos para o Programa de Iniciação Científica da instituição, quando comparado ao primeiro ano de participação do curso no programa (38 vezes se comparado ao último ano estudado), fato esse que pode ser explicado pela busca da melhoria dos currículos para os processos de residência, e a busca pelos alunos para se qualificarem melhor para o mercado de trabalho futuramente. Conclusão: A pesquisa científica traz muitos benefícios para o acadêmico, pois se consolida como um ótimo instrumento educativo, que auxilia no futuro profissional ao desenvolvimento de uma melhor capacidade de juízo crítico, desenvolvimento de trabalho em equipe e de proatividade, o que o ajudará não só na feitura do diagnóstico, como também na análise para tomada de decisões.


Keywords


Educação Médica. Pesquisa. Produção Científica e Tecnológica. Promoção da Pesquisa.

References


BRASIL. Ministério da Educação. CNE/CEB Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília, 2014.

FILHO, P. T. H. Ligas Acadêmicas: motivações e críticas a propósito de um repensar necessário. Rev. Bras. De Educação Médica, v.35, n.4, pp. 443-444, 2011.

LOPES, M. J. P., JUNIOR, D. L. S. Iniciação científica: uma análise da sua contribuição na formação acadêmica. Rev. Cesumar, v.23, n.1, pp. 133-148, 2018.

MASSI, L., QUEIROZ, SL. Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

MASSI, L., QUEIROZ, SL. Estudos sobre iniciação científica no Brasil: uma revisão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, pp. 173-197, jan.-abr. 2010.

MORAES, F. F., FAVA, M. A iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo Perspec., v. 14, n. 1, jan.- mar. 2000.

NETO, J. A. C, et. Al. Currículo paralelo na graduação médica na perspectiva dos estudantes. Rev. Med. Minas Gerais, Belo Horizonte, v.23, n.4, 2013, pp. 467-478.

OLIVEIRA, M. A., FERNANDES, M. C. S. G. Contribuições, sentidos e desafios da Iniciação científica para o processo formativo do estudante universitário. Educação em foco, v.21, n.35, pp. 75-95, 2018.

OLIVEIRA, N.A., ALVES, L.A., LUZ, M.R. Iniciação científica na graduação: O que diz o estudante de medicina? Rev. Bras. De Educação Médica, v.32, n.3, pp. 309-314, 2008.

PINHO, M. J. Ciência e ensino: contribuições da iniciação científica na educação superior. Avaliação, Campinas; Sorocaba, v.22, n.3, pp. 658-675, 2017.

PALÁCIOS, M. Pesquisa Científica como eixo Integrador da Formação e da Prática Médica. Rev. Bras. De Educação Médica, v.35, n.4, pp. 443-444, 2011.

PINTO N. L. S., FERNANDES L. M. A., SILVA F. F. Para além da formação acadêmica: As contribuições da iniciação científica para o desenvolvimento pessoal e profissional de estudantes da área de administração. Administração: ensino e pesquisa, Rio de Janeiro, v.17, n.2, 2016.

PONTE, C. I. R. V., et. Al. A extensão universitária na Famed/UFRGS: cenário de formação profissional. Rev. Bras. De Educação Médica. 2009 dez; v.33, n4, pp. 527-34.

RODRIGUES, M. E. F. Fórum de pró-reitores de graduação das universidades brasileiras: resgatando espaços e construindo ideias: de 1997 a 2002, Eduff: Niterói, RJ. 2002.

SANTOS, E. S. O Professor como Mediador no Processo Ensino Aprendizagem. Revista Gestão Universitária, n. 40, 2004.

SANTOS, E. A. Produção científica: uma análise de sua contribuição na formação acadêmica e profissional dos discentes de ciências contábeis da UEFS. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (monografia) - Universidade Estadual de Feira de Santana, 2011.

SILVA, L. F. F. Iniciação científica – contextos e aspectos práticos. Rev. Med., São Paulo, v.91, n.2, 2012, pp. 128-136.

SOARES, A. C. B, et. Al. Perfil científico de estudantes de Medicina em uma universidade pública. Rev. Sci. Med., Belém, v.27, n.2, 2017.

TENÓRIO, M. B., BERALDI G. Iniciação científica no Brasil e nos cursos de medicina. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v.56, n.4, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-046

Refbacks

  • There are currently no refbacks.