Comparação da força muscular respiratória de adultos obesos em relação à equação de referência/ Comparison of respiratory muscle strength in obese adults compared to the reference equation

Karla Garcez Cusmanich, Brenda Cortez Inocencio, Alexandre Marotta, Renato Tauil

Abstract


Introdução:O excesso de gordura corporal é um problema de saúde que afeta milhares de pessoas ao redor do mundo, levando a diversos distúrbios.Objetivo:Avaliar a força muscular respiratória de indivíduos obesos utilizando o manovacuometro para obtenção da PImax e PEmax para a comparação dos valores mensurados aos valores preditos pela equação de Neder et al..Métodos:Participaram 20 voluntários divididos em 55% sobrepeso, 30% obeso I, 5% obeso II, 10% obeso III. Sendo 75% sexo feminino, 25% sexo masculino, entre 31 e 66 anos de idade com uma média de 47 anos (DP=8,6). Os voluntários não apresentaram, histórico de tabagismo, deformidades de tórax, doenças pulmonares, cardíacas ou musculoesqueléticas e tinham condições cognitivas para interpretação de comandos simples.Resultado:De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que houve uma diminuição da PEmax e PImax significativa, sendo que o valores encontrados em media de PImax foram de 80.0 (DP=15,6) e o predito seria de 94.9 (DP=14,2), enquanto a média de PEmax mensurados foram de 69.5 (DP=16,7) e o predito de 97.0 (DP=18,6). Dividindo os grupos entre homens e mulheres podemos observar que a diferença em media foi de, mulheres PImax mensurado 76.7 e o predito de 87.5, e PEmax mensurado 68.0 e o predito de 87.1, e em homens PImax mensurado 90.0 e o predito 117.2, e PEmax mensurado 74.0 e o predito de 126.7.Conclusão: Observamos ao final do trabalho que há uma diminuição da força muscular respiratória dependente do grau de obesidade sendo também notada essa diminuição em voluntários já em sobrepeso, notamos ainda que as duas pressões estão diminuídas sendo a maior diferença da PEmax, que tem ligação direta com a força abdominal.


Keywords


Força muscular respiratória. Obesidade. Equação de referencia.

References


Organização Mundial da Saúde (OMS). Obesidade: prevenindo e controlando a epidemia global. São Paulo: Roca, 2004.

Porto Sabino Pinho C. Excesso de peso e distribuição de gordura corporal: magnitude e fatores associados em adultos de 25 e 59 anos do Estado de Pernambuco. 2011

Tavares TB, Nunes SM, Santos MDO. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. 2010

Hulens M, Vansant G, Claessens AL, Lysens R, Muls E. Predictors of 6-minute walk test results in leans, obese and morbidly obese women. Scand J Med Sci Sports, v.13, n.2, p 98-105, 2003.

Barros FD. What is the major public health problem: the morbid obesity or bariatric surgery coordinated for health system single? (Part I). Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 42(2), 69-69. 2015

Organização Pan-America da Saúde. Doenças crónico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, actividade fisíca e saúde. 2003.

Cost, ACC, Ivo ML, Cantero WDB, Tognini JRF. Obesidade em pacientes candidatos a cirurgia bariátrica. Acta paul enferm, 22(1), 55-9. 2009.

Gigante DP, França GVAD, Sardinha LMV, Iser BPM, Meléndez GV. Variação temporal na prevalência do excesso de peso e obesidade em adultos: Brasil, 2006 a 2009. Rev Bras Epidemiol, 14(Supl 1), 157-65. 2011.

Rasslan Z. Avaliação da função pulmonar na obesidade graus I e II. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 2004. v.6 14-508, 2007.

Cezar JS. Programa de cirurgia bariátrica de um hospital universitário: tempo de espera para cirurgia e características dos pacientes. 2014.

Iñigo JMA, Vicent MJF, Andrés J. Ventilación mecânico no invasiva (VMNI) em El perioperatorio de La obesidad mórbida y en la cirurgia bariátrica. Rev. Iberoamer. Vent. Mecan. No Inv., p.34-39, 2004.

Mariath AB, Grillo LP, Silva ROD, Schmitz P, Campos ICD, Medina JRP, Kruger RM. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição. Cad saúde pública, 23(4), 897-905. 2007.

Boran P, Tokuc G, Pisgin B, Oktem S, Yegin Z, Bostan O. Impact of obesity on ventilatory function. Jornal de pediatria, 83(2), 171-176. 2007.

Rasslan Z, Stirbulov R, Lima CA, Saad Júnior R. Função pulmonar e obesidade. Rev Bras Clin Med, 7(1), 36-39. 2009.

Costa D, Sampaio LMM, Lorenzzo VAPD, Jamami M, Damaso AR. Avaliação da força muscular respiratória e amplitudes torácicas e abdominais após a RFR em indivíduos obesos. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 11, n. 2, p. 156-60, mar-abr. 2003.

Cattelan DC. "A eficácia da fisioterapia no período pré-operatório de pacientes obesos mórbidos com indicação a cirurgia bariatrica avaliada através da pao2. 102 f." Monografia (Graduação em Fisioterapia)-Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2004.

Forti EMP. Estudo da mobilidade torácica de pacientes portadoras de obesidade mórbida, submetidas à gastroplastia com acompanhamento fisioterapêutico. Revista Brasileira de Fisioterapia, 16(1), 73. 2012.

Ferreira JL. Metrologia Aplicada a um Medidor Digital de Pressões Respiratórias Máximas (Doctoral dissertation, Dissertação de Mestrado, Departamento de Engenharia Elétrica, EE/UFMG, Belo Horizonte, 126 p., abr). 2008.

Junior JFF, Paisani D, Franceschini J, Chiavegato LD, Faresin SM. Pressões respiratórias máximas e capacidade vital: comparação entre avaliações através de bocal e de máscara facial. J Bras Pneumol, 2004. 30(6), 515-20.

Paisani DDM, Chiavegato LD, Faresin SM. Volumes, capacidades pulmonares e força muscular respiratória no pós-operatório de gastroplastia. J bras pneumol, 31(2), 125-32. 2005.

Meneghetti CHZ, Figueiredo VE, Guedes CAV, Batistela ACT. Avaliação da força muscular respiratória em indivíduos acometidos de acidente vascular cerebral. Rev. Neurociência., v.19, n. 1, p. 56-60, 2011.

Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. American Review of Respiratory Disease, v. 99, n. 5, p. 696-702, 1969.

Parreira VF, França DC, Zampa CC, Fonseca MM, Tomich GM, Britto RR. Pressões respiratórias máximas: valores encontrados e preditos em indivíduos saudáveis. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v.11, n.5, set/out. 2007.

Neder JA. Andreoni SLMC, Lerario MC, Nery LE. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Brazilian Journal Of Medical and Biological Research, v. 32, n. 6, p. 719-27, 1999.

Pereira LO, Francischi RPD, Lancha Jr AH. Obesidade: hábitos nutricionais, sedentarismo e resistência à insulina. Arq Bras Endocrinol Metab, 47(2), 111-27. 2003.

Koury JM, Siepierski SP. Programa de Fisioterapia Aquática: um guia para a reabilitação ortopédica. São Paulo: Manole, 2000.

Saubbalo N. Assessment of respiratory muscle function na strength. Posgraduate Medical Journal, v. 74, p. 298-215, 1998.

Hart N, Tounian P, Clément A, Boulé M, Polkey MI, Lofaso F, Fauroux B. Nutritional status is an important predictor of diaphragm strength in young patients with cystic fibrodis. Am. J. Clin. Nutr., v. 80, p. 1201-1206, 2004.

Wadström C, Müller-Suur R, Backman L. Influence of excessive weight loss on respiratory function. Eur. J. Surg., v. 157, n. 5, p. 341-346, 1991.

Naimark A, Cherniack RM. Compliance of the Respiratory System and its Components Health and Obesity. Journal Appl. Physiol., v. 15, 377-382, 1960.

Ray CS, Sue DY, Bray G, Hansen JE, Wasserman K. Effects of obesity on respiratory function. American Review of Respiratory Disease, v. 128, p. 501-6, 1983.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-042

Refbacks

  • There are currently no refbacks.