Fatores das triagens pré-clínica e clínica que impedem a doação de sangue / Screening preclinical and clinical factors that prevent a blood donation

Alcínia Braga de Lima Arruda, Francisca Vânia Barreto Aguiar Ferreira, Natalha Nayane de Oliveira Pinheiro, Bruna Carvalho Ramos, Fábio Ferreira Menezes, Yago Mota Gondim, Anio Ivan Holanda Lima, Amanda Aparecida de Lima Arruda

Abstract


As triagens pré-clínica e clínica são responsáveis pelos elevados índices de inaptidão temporária dos candidatos à doação de sangue e é um fator limitante na manutenção dos estoques nos bancos de sangue. Este trabalho teve como objetivos avaliar os principais motivos de inaptidão temporária em um serviço de hemoterapia e determinar a distribuição dos candidatos inaptos à doação de sangue, quanto ao tipo de doador e doações, ao gênero e à faixa etária. Foi realizado um estudo retrospectivo e descritivo, com abordagem quantitativa para avaliar o os principais motivos que levam a um candidato à doação de sangue ser recusado temporariamente em um serviço de hemoterapia, no período de 2012 a 2016. A pesquisa foi realizada com os dados coletados a partir dos relatórios fornecidos pelo setor de Tecnologia da Informação (TIC) do HEMOCE.  Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva simples utilizando o programa Microsoft Excel 2016 e o projeto foi aprovado com o número do parecer 2.160.449 pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Ceará. Os resultados mostraram que os candidatos inaptos às doações de sangue eram principalmente do sexo masculino, jovens (com idade variando de 18 a 29 anos), doadores de primeira vez e o tipo de doação predominante era a espontânea. Os principais motivos de inaptidão nos homens foram: o comportamento sexual de risco, a anemia, a hipertensão, o uso de drogas e a presença de doenças infecciosas, enquanto nas mulheres foram:  a anemia, o comportamento sexual de risco, a hipotensão, a hipertensão e a presença de doenças infecciosas.

 

 


Keywords


Doação de sangue. Exclusão de doador. Triagem clínica.

References


BELATO, D. et al. Perfil dos Doadores e Não Doadores de Sangue de um Município de Sul do Brasil. Revista de Enfermagem, Santa Maria, v. 1, n. 2, p. 164-173, 2011.

BORDIN, J.O.; LANGHI, D.J.; COVAS, D.T. Hemoterapia: Fundamentos e prática. 1ed. São Paulo: Atheneu, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 153 de 14 de junho de 2004. Determina o Regulamento Técnico para os procedimentos Hemoterápicos. D.O.U - Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 24 jun. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de informação: sangue e hemoderivados. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. – 7. ed. – Brasília - DF, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Manual de orientações para promoção da doação voluntária de sangue / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. – 1. ed., reimpr.- Brasília: Ministério da Saúde, 2015a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de informação: sangue e hemoderivados: dados de 2014. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. – 9 ed. – Brasília - DF, 2015b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 158, de 04 de fevereiro de 2016. Redefine o regulamento técnico de procedimentos hemoterápicos. Brasília, DF, 04 fev. 2016.

BRENER, S. et al. Fatores associados à aptidão clínica para a doação de sangue – determinantes demográficos e socioeconômicos. Revista Brasileira de Hematologia e hemoterapia, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 108-113, 2008.

CAMPOS, J.L., KIEL, G., BORDIGNON, J. Avaliação epidemiológica das rejeições dos doadores de sangue em um banco de sangue de Cascavel em um período de seis anos. Revista Thêma et Scientia, v. 3, n. 1, 2013.

CANÇADO, R. D. et al. Avaliação laboratorial da deficiência de ferro em doadoras de sangue. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, São Paulo, v. 29, Sup. 2, p 153-159, 2007.

CARRAZZONE, C.F.V.; BRITO, A.M. de; GOMES, Y.M. Importância da avaliação sorológica pré-transfusional em receptores de sangue. Rev. Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 26, n. 2, p. 93-98, 2004.

CASTRO, V. O papel do voto de auto exclusão na segurança transfusional. Rev. Bras. Hematol. Hemoter, v. 31, n. 4, p. 213-214, 2009.

DI COLLI, L. Primodoadores de sangue: retornos para doação e inaptidão temporária. 2012. 113 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) Universidade Estadual de Londrina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Londrina, 2012.

DORLHIAC-LLACER, P. E. Doação de Sangue e Testes Laboratoriais no Sangue do Doador. IN: CHAMONE, D. A. F.; NOVARETTI, M. C. R.; DORLHIAC-LLACER, P. E. Manual de Transfusão Sanguínea, São Paulo: Roca, 2001, p.01-08.

FLAUSINO, G.F. et al. Ciclo de produção do sangue e a transfusão: o que o médico deve saber. Rev Med Minas Gerais. v. 25, n.2, p. 269-279, 2015.

HEMOCE, Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará. Passo a passo da Doação de Sangue. Disponível em: . Acesso em 28 de outubro 2018.

HEMOMINAS. Jornal. n. 18, out, nov, dez, 2007.

HEMOMINAS. Fundação. Condições e restrições. Disponível em: < http://www.hemominas.mg.gov.br/doacao-e-atendimento-ambulatorial/doacao-de-sangu Acesso em 28 de março 2018.

MACEDO, F.R.M. et al. Perfil Sociodemográfico e Epidemiológico de Candidatos à Doação de Sangue. Arquivos de Ciências da Saúde. v.22, n.4, p. 87-91, 2015.

MARTINS, P.R.J et al. Perfil do doador de sangue auto excluído no Hemocentro Regional de Uberaba-MG (HRU) no período de 1996 a 2006. Revista Brasileira de hematologia e Hemoterapia, v. 31, n. 4, p.222-227, 2009.

MONTEIRO, D.K.; COMPARSI, B. Principais fatores associados à inaptidão temporária e permanente de candidatos à doação de sangue. Revista Saúde Integrada, v. 8, n. 15-16, 2015.

PINHO, A. M.; LOPES, M. I. V.; LIMA, M. J. R.; CASTRO, V. Triagem Clínica de Doadores de Sangue – Brasília: Ministério da Saúde, Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS, 2001.

RAMOS, V.F, FERRAZ, F.N. Perfil Epidemiológico dos Doadores de Sangue do Hemonúcleo de Campo Mourão – PR no Ano de 2008. Rev. Saúde e Biol., v. 5, n. 2, p. 14-21, 2010.

REUTER, C.P et al. Características Demográficas e Epidemiológicas de Doadores Aptos e Inaptos Clinicamente em um Banco de Sangue Regional de Santa Cruz o Sul, RS. Cinergis, v. 11, n. 2, p. 35-41, 2010.

RIBEIRO, P.B.C. Eficácia da triagem clínica de doadores de sangue da Fundação HEMOPE como método preventivo de doenças transmitidas por transfusão. Pernambuco [Dissertação de Mestrado em saúde coletiva- DMS/ UFPE], 2004.

ROHR, J.I.; BOFF, D.; LUNKES, D.S. Perfil dos candidatos inaptos para doação de sangue no serviço de hemoterapia do Hospital Santo Ângelo, RS, Brasil. Revista de Patologia Tropical, v. 41, n.1, p. 27-35, 2012.

VIEIRA, G.N.T et al. Tiragem Clínica do Processo de Doação de Sangue: Análise da Recusa de Doadores. Revista de Enfermagem, Recife, v. 9, n.1, p. 424-430, 2013




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-016

Refbacks

  • There are currently no refbacks.