Principais fatores relacionados à impossibilidade de amamentação em Puérperas assistidas no Isea/ Principles related fators à amamentação impossibility of em Puérperas assistidas no Isea

Tamyris da Silva Jardim, Glaucia Pereira Viana, Wivianne Ouriques Cruz, Thiago de Oliveira Assis, Gabriel Duarte de Lemos, Karen Julyanna da Silva Almeida, Carina Scanoni Maia, Ana Janaina Jeanine Martins de Lemos Jordao

Abstract


A amamentação é uma das etapas mais relevantes da vida reprodutiva da mulher e sua realização traz benefícios cientificamente comprovados. Apesar das vantagens, sua prática está aquém do que é preconizado pelos órgãos de saúde. Muitos são os fatores que impossibilitam a puérpera de amamentar, os principais influenciadores desses fatores são as condições socioculturais, psicológicas e físicas da mulher, bem como as condições de saúde da criança. A não ocorrência da amamentação, além de privar o binômio mãe-filho de vantagens como nutrição adequada da criança, prevenção de doenças crônicas e infecciosas; prevenção de câncer de mama e hemorragias na mulher, geralmente é acompanhada por sentimentos negativos acerca da impossibilidade de amamentar. Diante do contexto, é de fundamental importância que sejam desenvolvidas atividades que verifiquem as causas de não realização da amamentação pelas puérperas. Como objetivo, esta pesquisa propôs identificar os fatores que mais frequentemente impedem a amamentação entre as usuárias do banco de leite do ISEA. Trata-se de estudo descritivo com abordagem quantitativa. Tem-se como amostra 90 questionários que atenderam aos critérios de elegibilidade. A causa mais frequente de interdição à amamentação foi a prematuridade; 85% das mulheres afirmaram sentimentos negativos diante da impossibilidade de amamentar. Apenas 19% das participantes realizam acompanhamento psicológico. Através dos dados obtidos neste trabalho, espera-se que órgãos de saúde e entidades de ensino sejam estimulados a promover ações que atenuem os fatores que impossibilitam a amamentação. Além disso, há expectativa de maior apoio à saúde mental das mulheres que não conseguem amamentar seus filhos, reduzindo-se assim as consequências da não realização da amentação.


Keywords


Amamentação, Impossibilidade de amamentar, Aleitamento.

References


Amamentação do bebê prematuro é possível e precisa ser incentivada. Rede Nacional Primeira Infância, 2019. Disponível em: . Acesso em: 17 de out. de 2019.

AMARAL, J.; Práticas de Assistência à saúde do recém nascido. Departamento de Saúde Materno Infantil/Faculdade de Medicina/ UFC., Fortaleza, 2015.

BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília (DF); 2009 (Série C. Projetos, Programas e Relatórios). Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf

BRASIL, Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Cuidados com o recém-nascido pré-termo. Brasília, 2011.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil. Brasília, 2009.

CAVALHERI, V. A. N. Fissura labiopalatal e aleitamento materno. Rev Cefac, v. 2, n. 1, p. 53-65, 2000.

DE ARAÚJO, M. F. M, et al. O papel imunológico e social do leite materno na prevenção de doenças infecciosas e alérgicas na infância. Northeast Network Nursing Journal, v. 7, n. 3, 2016.

DIEHL, J. P.; ANTON, M. C.. Fatores emocionais associados ao aleitamento materno exclusivo e sua interrupção precoce: um estudo qualitativo. Aletheia, Canoas, n. 34, p. 47-60, 2011.

ESCOBAR, A. M, de U.; OGAWA, A. R.; HIRATSUKA, M.; KAWASHITA, M. Y.; TERUYA, P. Y.; GRISI, S.; TOMIKAWA, S. O.; Aleitamento materno e condições socioeconômico-culturais: fatores que levam ao desmame precoce. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [periódico online]., Recife, v.2, n.3, p.253-261. 2002.

ESTEVES, Tania Maria Brasil et al. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida: revisão sistemática. 2014.

FIGUEIREDO, B.; DIAS, C.C.; BRANDÃO, S.; CANÁRIO, C.; NUNES, R. Breastfeeding and postpartum depression: state of the art review. J Pediatr.,Rio de Janeiro, p.332-338, 2013.

FRAGOSO, A. P. R; FORTES, R. C. Fatores associados à prática do aleitamento materno entre nutrizes de um hospital público do Distrito Federal. J Health Sci Inst, v. 29, n. 2, p. 114-8, 2011.

GALLO, P.R; TAKUSHI, S. A. M.; TANAKA, A. C. d’A.; MACHADO, M. A. M. de P. Motivação de gestantes para o aleitamento materno. Revista de Nutrição, Campinas. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 de maio de 2016.

MACIEL, Luciana Pessoa, et al. Transtorno mental no puerpério: riscos e mecanismos de enfrentamento para a promoção da saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 2019, 1096-1102

MARQUES, E. S.; COTTA, R. M. M.; MAGALHÃES, K. A.; SANT'ANA, L. F. da R; GOMES, A. P.; BATISTA, R. S. A influência da rede social da nutriz no aleitamento materno: o papel estratégico dos familiares e dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v.15, p.1391-1400, 2010.

MAROTTI, J; GALHARDO A. P. M; FURUYAMA R. J; PIGOZZO, M. N; CAMPOS, T. N; LAGANÁ, D. C. Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo. São Paulo, Vol. 20, n. 2, p. 186-194, Mai/Ago 2008.

MOTA, Helena Cristina Marques. A importância da amamentação e o que pode ainda ser feito para a promover. 2017

NEVES, C. V; MARIN, A. H. A impossibilidade de amamentar em diferentes contextos. Barbarói, n. 38, p. 198-214, 2013.

ODDY, H. W. Aleitamento materno na primeira hora de vida protege contra mortalidade neonatal. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 89, n. 2, p. 109-111, mar./abr. 2013.

PEREIRA, Eduarda Borges, et al. Benefícios Da Amamentação Para A Saúde Da Mulher E Do Bebê. Anais da Jornada Odontológica de Anápolis-JOA, 2019

RESENDE, K.M; DE OLIVEIRA, D. M. V. A amamentação como fator relevante no estabelecimento do vínculo afetivo mãe-filho. Anuário de Produção Científica, v. 1, n. 1, 2012.

ROCCI, E.; FERNANDES, R. A. Q. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev. bras. enferm. [periódico online]., v.67, n.1, p.22-27.,2014.

ROCHA, Gabriele Pereira, et al. Condicionantes da amamentação exclusiva na perspectiva materna. Cadernos de saúde pública, 2018, 34: e00045217

SILVA, K, R, et al. Prevalência dos diagnósticos de enfermagem de amamentação no binômio mãe-filho em unidade básica de saúde. 2014. Revista Rene. 2014 jan-fev; 15(1):99-107

SILVA, Vera AAL, et al. Aleitamento materno: indicadores e fatores associados à amamentação exclusiva num aglomerado urbano subnormal assistido pela Estratégia de Saúde da Família. Jornal de Pediatria, 2019, 95.3: 298-305.

TAKEMOTO, A. Y, et al. Preparo e apoio à mãe adolescente para a prática de amamentação-doi: 10.4025/cienccuidsaude. v10i3. 17362. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 10, n. 3, p. 444-451, 2012.

UEMA, R. T. B.; TACLA, M. T. G. M.; ZANI, A. V.; DE SOUZA, S. N. D. H.; ROSSETTO, E. G.; SANTOS, J. C. T.; Insucesso na amamentação do prematuro: alegações da equipe. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 36, n. 1, supl, p. 199-208, ago. 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. WHO recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. World Health Organization, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-013

Refbacks

  • There are currently no refbacks.