Perfil epidemiológico dos casos de sífilis em gestantes no município de Macapá, Amapá, de 2015 a 2017 / Epidemiological profile of syphilis cases in pregnant women in Macapá city, Amapá, from 2015 to 2017

Ana Catarina Mattos Fernandes, Isabela Marques de Farias, Joaquim Cialdine Portela Neto, Brenda Matsunaga Laurindo

Abstract


Introdução: A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível, causada pela bactéria treponema pallidum. A organização mundial de saúde (oms) considera como agravante a possibilidade de transmissão de doença de mãe para filhos durante o período gestacional, intensificando a importância de análise da doença sífilis congênita. Esse trabalho teve como objetivos analisar o perfil epidemiológico de gestantes com sífilis  no municípios de Macapá-AP, no período de 2015 a 2017, analisando  as variáveis: faixa etária, escolaridade, raça ou cor e classificação clínica. Metodologia: Estudo epidemiológico descritivo, com abordagem quantitativa, realizado a partir de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), disponível no Departamento de Informática do SUS (DATASUS), tabulados pelo TABNET, referentes aos casos de sífilis gestacional notificados no município de Macapá, entre janeiro de 2015 a dezembro de 2017. Resultados: Entre 2015 e 2017, foram notificados 340 casos de sífilis gestacional no município de Macapá, com tendência crescente entre os anos de análise. O intervalo com maior Coeficiente de Incidência se concentrou entre 2016 (N=110) e 2017 (N=131), corroborando com o padrão nacional. Ao analisar a variável “Faixa Etária” observou-se a predominância de gestantes com sífilis entre a idade de 20 a 29 anos (49,4%), quanto à variável “Escolaridade”, observou-se o maior numero de registros para as que estão no grupo 5ª a 8ª série incompleta (26%), para “Raça ou cor” houve uma predominância no grupo classificado como Pardos (75,9%), a variável “Classificação clínica”, registrou  um elevado índice de falta de preenchimento da mesma durante a notificação compulsória, porem entre os casos registrados, a maior prevalência é de sífilis primária. Conclusão: A sífilis em gestantes necessita de mais atenção no município de Macapá, o crescente número de casos serve como alerta para o Setor de Planejamento da cidade e os demais órgãos públicos.

 


Keywords


Sífilis. Treponema pallidum. Sífilis gestacional. Perfil epidemiológico.

References


Organização Mundial de Saúde (OMS). Sexually transmitted infections.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - Sífilis. Ed. Premium. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 7ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº. 33, de 15 de julho de 2005. Inclui doenças à relação de notificação compulsória, define agravos de notificação imediata e a relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados pelos Laboratórios de Referência Nacional ou Regional. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (BR), Coordenação Nacional DST/ AIDS. Boletim epidemiológico AIDS e DST. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

OLIVEIRA, L. R., et al. Evaluation of preventative and control measures for congenital syphilis in State of MatoGrosso. Revistada Sociedade Brasileira de MedicinaTropical, v. 47, n. 3, p. 334-340, 2014.

NONATO, S.M.; MELO, A.P.S.; GUIMARAES, M.D.C.Syphilis in pregnancyandfactorsassociatedwith congenital syphilis in Belo Horizonte-MG, Brazil, 2010-2013.Epidemiologia e Serviços daSaúde. Brasília, v.24, n.4, 24pp.681-694, 2015.

Confederação Nacional dos Municípios (CMN). «Dados gerais do município de Macapá - AP»

Lima-Costa M.F. & Barreto S.M. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv Saúde, v.12, n.4, p.189-201, 2013.

OLIVEIRA, D. M. B., et al. Comparação do perfil epidemiológico da sífilis gestacional no município de Vespasiano com os municípios de Belo Horizonte e Betim no período de 2013 a 2016. Trabalhos de Conclusão de Curso de Medicina FASEH. Vespasiano, v.2, n.2, 2017.

VALDERRAMA, J., et al. Maternal and congenital syphilis case definitions. Epidemiological Bulletin, v. 26, n. 1, p. 12-15, 2005.

PAIVA, V., et al. Idade e uso de preservativo na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 1, p. 45-53, 2008.

MORAES, M. B., et al., análise dos casos de sífilis congênita no município de manhuaçu/MG. Pensar Acadêmico, v. 17, n. 1, p. 50-59, 2019

ALMEIDA, M. F. G. & PEREIRA, S. M. Caracterização epidemiológica da sífilis congênita no Município de Salvador, Bahia. DST Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, Rio de Janeiro, v. 3-4, n.1, p. 144-156, 2007.

COSTA, C. C., et al.. Sífilis congênita no Ceara: analise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 1, p. 152-159, 2013.

ARAUJO, E. C., et al. Importância do pré-natal na prevenção as sífilis congênita. Revista Paranaense de Medicina, v. 1, n. 20, p. 144-156, 2006.

TOGNERE, B. P., et al. Estudo epidemiológico dos casos de gestantes Com sífilis nos municípios de Vespasiano e Belo Horizonte no período de 2013 a 2018. Trabalhos de Conclusão de Curso de Medicina FASEH. Vespasiano, v.2, n.2, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-009

Refbacks

  • There are currently no refbacks.