O real time efficient: menos tempo e mais volume no treinamento / Real time efficient: less time and more volume in training

Roberto Moriggi Junior, Bruna Monteiro Rofino, João Francisco Barbieri, Daniel Franco de Godoy, Thiago Mattos Frota de Souza, Leonardo Emmanuel de Medeiros Lima, Jones Augusto Rosas Villacrezab, Gustavo Paula Leite de Almeida, Aylton José Figueira Júnior

Abstract


Atualmente um fator que dificulta a aderência da população ao exercício físico é a duração das sessões de treino. Diferentes fatores explicam tal condição, mas falta de tempo gerada pela vida cotidiana e treinos longos, estão associadas, e acabam sendo motivos de evasão pelos praticantes. Dentre os métodos para redução do tempo no treinamento resistido, os métodos 6/20 (ou pesado/leve) e o rest-pause (RP) podem ser complementares, um devido à redução da carga ocorrer durante o intervalo (peso/leve) e o outro pela manutenção do estímulo sem que ocorra alteração da carga (rest-pause), sendo assim, estes métodos parecem ser vantajosos para quem procura treinos com menor tempo de duração. OBJETIVO: Avaliar o impacto do método RP e do pesado/leve (P/L), no volume de treino e no tempo total do exercício supino reto com barra. MÉTODOS: Participaram da pesquisa 10 homens treinados, média de 3 anos de treinamento de força, média de idade de 24,4 ± 4,0 anos. Foram realizados 2 testes de uma repetição máxima (1RM), para calcular a sobrecarga usada no treinamento. O grupo P/L executou 4 séries de supino, 2 séries à 70% de 1RM e 2 séries à 50% de 1RM. O grupo rest-pause (REST) realizou 2 séries, a primeiro à 70% de 1RM e a segunda à 50% de 1RM usando o método rest-pause. O presente estudo caracteriza-se por uma pesquisa experimental do tipo cross-over e que as condições foram invertidas na quarta sessão de treinamento. RESULTADOS: O grupo REST obteve maior volume total (3034±717,7 vs. 2907±705,3 kg) em um menor tempo (529,7±16,1 vs. 682,3±15,1 segundos) comparado com o grupo P/L, aproximadamente 2,5 min de diferença entre os protocolos. CONCLUSÃO: Concluiu-se que o grupo REST obteve maior volume total em um menor tempo comparado com o grupo P/L, sugerindo esse método para auxiliar a aderência em programas de exercícios. Contudo, são necessários mais estudos com outros exercícios avaliando outras variáveis, a fim de afirmar com clareza seus benefícios.

 

 


Keywords


Volume de Treino, Rest-Pause, Tempo da Sessão, Treinamento de Força.

References


BIRD, S. P.; TARPENNING, K. M.; MARINO, F. E. Designing resistance training programmes to enhance muscular fitness: A review of the acute programme variables. Sports Medicine, 2005.

BOMPA, T.O; HAFF, G.G. Periodização: Teoria e Metodologia do Treinamento. 5. ed. São Paulo: Phorte, 2012.

BROWN, L. E; WEIR, J. P. Asep procedures recommendation i: accurate assessment of muscular strength and power. Journal of Exercise Physiology, 2001.

FIGUEIREDO, V.C; SALLES, B. F; TRAJANO, G, S. Volume for muscle hypertrophy and health outcomes: the most effective variable in resistance training. Sports Medicine. 2017.

FISHER, J; et al. Evidence-based resistance training recommendations MedicinaSportiva.2011.

FLECK, S; KRAEMER, W. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

GENTIL, P. Bases Científicas do Treinamento de Hipertrofia. 5. ed. CREATESPACE PUB, 2014.

HARRYS, R. C; et al. The time course of phosphorylcreatineresynthesis during recovery of the quadriceps muscle in man. European Journal of Physiology¸1976.

IVERSEN, VM, NORUM, M., SCHOENFELD, BJ ET AL. Sem tempo para levantar? Projetando Programas de Treinamento com Economia de Tempo para Força e Hipertrofia: Uma Revisão Narrativa. Sports Med (2021).

KRAEMER, W.J; DUNCAN, N.D; VOLEK J.S. Resistance training and elite athletes: adaptations and program considerations. Journal of Orthopaedic& Sports Physical Therapy, 1998.

LAMBERT e FLYNN; Fatigue during high-intensity intermittent exercise application to bodybuilding. Sports Medicine, 2002.

LIMA, B. M; et al. Planned load reduction versus fixed load: a strategy to reduce the perception of effort with similar improvements in hypertrophy and strength. International Journal of Sports Physiology and Performance, 2018.

MARSHALL, P.W.M; et al. Acute neuromuscular and fatigue responses to the rest-pause method. Journal of Science and Medicine in Sport, 2012.

MELO, C.C. et al. Fatores que influenciam a evasão de clientes em uma academia: Estudo de caso. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, Brasília, v.7, n° 2, outubro 2017.

OGASAWARA, R; et al. Low-load bench press training to fatigue results in muscle hypertrophy similar to high-load bench press training. International Journal of Clinical Medicine, 2013.

PRESTES, J. et al. Strength and muscular adaptations following 6 weeks of restpause versus traditional multiple-sets resistance training in trained subjects. National Strength and Conditioning Association, 2017.

RATAMESS, N. A; et al. The effect of rest interval length on metabolic responses to the bench press exercise. European Journal of Applied Physiology, 2007.

SCHOENFELD, B; et al. Strength and hypertrophy adaptations between low- vs. high-load resistance training: a systematic review and meta-analysis. Journal of Strength and Conditioning Research, 2017.

SILVA, M. S; et al. Análise do efeito de diferentes intensidades e intervalos de recuperação na percepção subjetiva de atletas. Motricidade, 2011.

TAHARA, A.K.; SCHWARTZ, G. M.; SILVA, K.A. Aderência e manutenção da prática de exercícios em academias. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-315

Refbacks

  • There are currently no refbacks.