O uso de metilfenidato em crianças com tdah e sua repercussão: Uma revisão literária / The use of methylphenidate in children with adhd and its repercussion: A literary review

Ana Carolina Neller Finta, Isabelle Leão Nogueira, Carolline Patan de Matos, Maria Rosa Cordeiro Ferreira, Luciana Cação Vilela Bueno, Luísa Rodrigues Cardoso, Fernanda Nunes Garcia, Mônica Cecília Rincon de Oliveira, Danilo Curado Sampaio, Darci Candido da Silva Filho, André Carvalho Lindemam

Abstract


Introdução: O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um distúrbio psiquiátrico caracterizado por sintomas como falta de atenção e impulsividade, podendo afetar significativamente o comportamento da criança tanto em casa quanto no ambiente escolar. Esse trabalho teve por objetivo acrescentar achados teóricos que permitam os estudos sobre o tema em questão. Método: Foram utilizadas trinta e sete fontes bibliográficas, pesquisadas em sites acadêmicos, como Pubmed, Scielo e Diretrizes atuais. Resultados: Este estudo examina o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Essa patologia caracteriza-se por sintomas como impulsividade, atenção facilmente desviada e hiperatividade, os quais podem se perpetuar na fase adulta em até 80% dos casos. Os critérios diagnósticos são baseados principalmente no DSM-V e classificam a doença em três classes: TDAH predominantemente desatento, TDAH predominantemente impulsivo/hiperativo e TDAH combinado. Existem formas psicoterápicas de tratamento, porém estudos informam que a associação ou mesmo o uso de psicoestimulantes de forma isolada têm mostrado melhores resultados, sendo os medicamentos mais usados a Ritalina® e o Concerta®, cujo composto-base é o Metilfenidato. O artigo também aborda o uso consciente do psicofármaco e a manutenção da ética médica nas suas prescrições, através de um diagnóstico preciso. Conclusões: Foi observado a necessidade de uma maior capacitação dos profissionais da saúde que estão em contato com crianças, com adolescentes e com adultos portadores do TDAH na sua vida diária. O estudo também enfatiza a importância do estabelecimento de critérios diagnósticos concretos para que o uso do metilfenidato seja realizado, ao mesmo tempo, de forma consciente e respeitando os princípios da ética médica.

Keywords


Metilfenidato, TDAH, Crianças.

References


Faraone SV, Sergeant J, Gillberg C, Biederman J. The worldwide prevalence of ADHD: is it an American condition? World Psychiatry. 2003 june; 2.

American PA. American Psychiatric Association: Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Rohde LA, Miguel FECM, Benetti L, Gallois C, Kieling C. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância e na adolescência: considerações clínicas e terapêuticas. Rev. Psiquiatria Clínica. 2004; 31:124-131.

Pastura G, Mattos P. Efeitos colaterais do metilfenidato. Rev. Psiquiatria Clínica. 2004; 31:100-104.

Caliman LV. Notas sobre a história oficial do Transtorno do déficit de atenção/hiperatividade TDAH. Psicologia: Ciência e Profissão. 2010. p.46-61.

Gomes MJM, Confort MF. TDAH: Implicações no Relacionamento Interpessoal. Revista Episteme Transversalis.2017 jul./dez. p.119-132.

Gomes MJM, Confort MF. TDAH: Implicações no Relacionamento Interpessoal. Episteme Transversalis. 2018; 8.

Ferreira SS, Santos TS, Ribeiro PD. Aspectos terapêuticos do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade- TDAH. LINKSCIENCEPLACE-Interdisciplinary Scientific Journal. 2017 Out./Dez. p.118-134.

Greenhill LL, Abikoff HB, Arnold LE, et al. Medication Treatment Strategies in the MTA Study: Relevance to Clinicians nad Researchers. J am Acad Child Adolesc Psychiatry. 1996; 35:1304-1313.

Grevet EH, Abreu PB, Shansis F. Proposta de uma abordagem psicoeducacional em grupos para pacientes adultos com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Revista de Psiquiatri. 2003; 25:446-452.

Rohde LA, Halpern R. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: atualização. Jornal de Pediatria. 2004; 80:61-70.

Rohde LA, Barbosa G, Tramontina S, Polanczyk G. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2000; 22:7-11.

Lima FAA. Trantorno do Déficit de atenção e Hiperatividade, entendedo melhor a criançá com TDAH no contexto da escola pública [página na internet]. Brasília: UAB/UnB; 2011. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/2345/1/2011_FranciedilinaAlvesdeOliveiraLima.pdf

Vetter VL, Elia J, Erickson C, Berger S, Blum N, Uzark K, Webb CL. Cardiovascular Monitoring of Children and Adolescents with Heart disease receiving stimulant Drugs: A Scientific Statement From the American Heart Association Council on Cardiovascular Disease in Young Congenital Cardiac Defects Committee and Council on Cardiovascular Nursing. Circulation. 2008; 117: 2407-23.

Wolraich ML, Wibbelsman CJ, Brown TE, et al. Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder Among Adolescents: a review of the diagnosis, treatment, and clinical implications. Pediatrics. 2005; 115:1734-46.

Andrade CRM. Silva WAP, Filho JFB, Silveira JCC. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Revista Med Minas Gerais. 2011. p.455-464.

Schatz DB, Rostain AL. With comorbid anxiety: a review of current literature. Jornal Atten Disord. 2006; 10.

International Narcotics Control Board – INCB. Psychotropic Substances. 2014; [Acesso em: 24 set. 2018]. Disponível em: https://www.incb.org/documents/Psychotropics/technical-publications/2013/en/English_2013_Tech_pub.pdf.

Faraone SV, Buitelaar J. Comparing the efficacy of stimulants for ADHD in children and adolescents using meta-analysis. European Child & Adolescent Psychiatry. 2010 abr. p.353-364.

Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde – BRATS [página na internet]. Metilfenidato no tratamento de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade [Acesso em: 22 set. 2018]. 2014 mar; 23. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33884/412285/Boletim+Brasileiro+de+Avalia%C3%A7%C3%A3o+de+Tecnologias+em+Sa%C3%BAde+%28BRATS%29+n%C2%BA+23/fd71b822-8c86-477a-9f9d-ac0c1d8b0187?version=1.1.

Ortega F, Barros D, Caliman L, Itaborahy C, Junqueira L, Ferreira CP. A Ritalina no Brasil: produções, discursos e práticas. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2010 jul/set; 14:499-510.

Moura MH. As consequências do uso prolongado e não terapêutico do metilfenidato. Ariquemes-RO: FAEMA; 2014 [citado 2017 fev 28].

Brasil - Legislação UNCISAL. Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.

Cesar ELR, Wagner GA, Castaldellimaia JM, Silveira CM, Andrade AG, Oliveira LG. Uso prescrito de cloridrato de Metilfenidato e correlatos entre estudantes universitários brasileiros. Revista de Psiquiatria Clínica. 2012; 39:183-188.

Bennett FC, Brown RT, Craver J, Anderson D. Efeitos colaterais do Metilfenidato. 1999: 46:929-944.

Clark MA, Finkel R, Rey JÁ, Whalen K. Farmacologia Ilustrada. 5ed. Porto Alegre: Ed. Artmed; 2013.

Papalia DE, Feldman RD, et al. Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Terceira Infância. 12ed. Porto Alegre: Artmed; 2013.

Carneiro SM, et al. O uso não prescrito de metilfenidato entre acadêmicos de medicina. Cadernos UniFOA. 2013; 8.

Freitas F, Amarante P. Psiquiatrização da vida e o DSM V: desafios para o início do século XXI. INFORME ENSP [página na internet]. 2012; [Acesso em: 29 abr. 2019]. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/29782.

Fernandes CT, Marcondes JF. TDAH: Transtorno, Causa, Efeito e Circunstância. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas. 2017. p.48-52.

Cruz BA, Lemos FCS, Piani PPF, Brigagão JIM. Uma crítica à produção do TDAH e a administração de drogas para crianças. Estudos de Psicologia (Natal). 2016 jul./set. p.282-292.

Arbex D. Holocausto Brasileiro. São Paulo: Geração Editorial; 2013.

Dantas JB. Tecnificação da vida: uma discussão sobre o discurso de medicalização da sociedade. Fractal Revista de Psicologia. 2009. p. 563-580.

Soalheiro NI, Mota FS. Medicalização da vida: doença, transtornos e saúde mental. Polis e Psique. 2014; 4: 1-21.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-296

Refbacks

  • There are currently no refbacks.