Síndrome de Gerstmann - Relato de caso/ Gerstmann syndrome - Case report

Rafaela Lemos Quirino, Sadrack Hiran da Silva Júnior, Yumi Kudo e Leandro, Ana Caroline Resende dos Santos, Pedro Henrique Nakada, Mariana Pires Silveira, Brenda Martins Fernandes, Luana Rodrigues Fernandes, Lucas Manrique Rodrigues, Luciana Hahmann Abreu, Luisa Campos, Luisa Campos de Souza

Abstract


INTRODUÇÃO: A síndrome de Gerstmann (SG) é uma clássica desordem neurológica, de rara incidência, descrita primeiramente por Joseph Gerstmann no ano de 1924. Tal conceito foi alterado três anos após, instaurando-se, a propósito, como a existência de quatro fatores, tais como a agnosia digital, a agrafia, a desorientação direita-esquerda e a discalculia. OBJETIVOS: Relatar um caso de um paciente que apresentou a Síndrome de Gerstmann. MÉTODOS: Trata-se de um estudo retrospectivo, com realização de coleta de dados para revisão de prontuário. A amostra foi por conveniência e fez parte dela um paciente do sexo feminino com 52 anos de idade. APRESENTAÇÃO DO CASO: Paciente de 52 anos, hipertensa, que apresentou agnosia digital, agrafia, desorientação direita-esquerda e discalculia. O exame físico revelou as alterações acima descritas. Foram realizados exames complementares laboratoriais, que se encontram dentro dos parâmetros de normalidade, exceto pela ressonância que evidenciou lesão no giro angular sendo fechado o diagnóstico. CONCLUSÃO: A síndrome de Gerstmann é um distúrbio neurológico raro, o qual, em seu primeiro relato, houve a sugestão de que provavelmente seria um distúrbio cognitivo e proprioceptivo de mãos e braços do paciente, mas o conceito da síndrome foi alterado após três, estabelecendo a presença de agnosia digital, agrafia, desorientação direita-esquerda e discalculia. No presente trabalho, houve o relato de caso de um paciente de 52 anos de idade com apresentação de Síndrome de Gerstmann isolada após 5 semanas.


Keywords


Síndrome de Gerstmann, Agnosia dos dedos, Distúrbios neurológicos.

References


Maia FLH, Pinheiro TD, de Lemos RP, Rodrigues TA, de Freitas GR. Síndrome de Gerstmann: relato de caso e breve revisão bibliográfica. 2020:388-416.

Altabakhi IW, Liang JW. Gerstmann Syndrome. StatPearls. 2019.

Ardila A. A proposed reinterpretation of Gerstmann's syndrome. Arch Clin Neuropsychol. 2014;29(8):828-33.

João RB, Filgueiras RM, Mussi ML, de Barros JEF. Transient Gerstmann syndrome as manifestation of stroke: Case report and brief literature review. Dement. e Neuropsychol. 2017;11(2):202-205.

Rusconi E, Cubelli R. The making of a syndrome: The English translation of Gerstmann's first report. Cortex. 2019;117:277-283.

Kinsbourne M, Warrington EK. Um estudo da agnosia dos dedos. Brain. 1962; 85:47-66.

Gerstmann J. Fingeragnosie und Agraphie — ein neues Syndrom. Arch Psychiatr Nervenkr Z Gesamte Neurol Psychiatr. 1927;108:152-77.

Morris HH, Lüders H, Lesser RP, Dinner DS, Hahn J. Transient neuro-anormalidades psicológicas (incluindo a síndrome de Gerstmann) durante estimulação cortical. Neurology. 1984;34:877-83.

Roux FE, Boetto S, Sacko O, Chollet F, Tremoulet M. Writing, calculate finger recognition in the angular gyrus region: a cortical study of Gerstmann syndrome stimulation. J Neurosurg. 2003;99(4):716-727.

Gold M, Adair JC, Jacobs DH, Heilman KM. Right-left confusion in Gerstmann's syndrome: a model of body centered spatial orientation. Cortex. 1995;31(2):267-83.

Uzuner GT, Ubur A, Erten M, Uzuner N. A Rare Clinical Antity; Pure Gerstmann Syndrome. J Stroke and Cerebrovasc Dis. 2020;29(10):105-61.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-277

Refbacks

  • There are currently no refbacks.