Desafio do Diagnóstico do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade na população pediátrica e suas consequências / The challenge of diagnosing Attention Deficit Hyperactivity Disorder in the pediatric population and its consequences

Rayana Cabral Gouvêa, Larissa Palma, Letícia Alves Rodrigues de Azevedo, Leticia Piuco Borges, Paula Lima Sperandio, Pedro Henrique Martins Vilela, Viviane Portela da Silveira, Diogo Pena Moreira

Abstract


O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é um transtorno neuropsiquiátrico com agitação, impulsividade e maior tendência à distração. Trata-se de uma doença de importante prevalência na infância, acometendo 4 a 10% das crianças, e que se perpetua ao longo da vida adulta, causando importantes prejuízos sociais, financeiros e emocionais. O diagnóstico é feito por entrevista, sendo necessário a presença insistente de sintomas antes dos doze anos de idade e pelo menos cinco critérios de desatenção e cinco de hiperatividade. Por ser um diagnóstico sem auxílio de propedêutica complementar, pode sofrer interferências da diversidade de variáveis sintomatológicas, inclusive pela possível interferência de terceiros - como pais, professores ou a indústria farmacêutica - em querer medicalizar desnecessariamente o paciente. O tratamento ideal envolve tanto o uso de medicação, sendo o metilfenidato o padrão-ouro, quanto o auxílio psicoterápico, principalmente por meio da terapia cognitiva comportamental, sendo ambos utilizados em longo prazo. A associação da psicoterapia permite à criança o aprendizado de técnicas de autocontrole para que possa lidar melhor com sua sintomatologia, enquanto o tratamento farmacológico atua por meio da interferência na dopamina e recaptação de noradrenalina, diminuindo a inquietação e distração e melhorando a memória e a regulação do humor.


Keywords


Transtorno do Deficit de Atenção com Hiperatividade, Pediatria, Diagnóstico.

References


ANDRADE, P. F. S. M.; VASCONCELOS, M. M. Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Residência Pediátrica. v.8, n. 1, p. 64-71, 2018.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico E Estatístico De Transtornos Mentais - DSM V. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 59-65.

AMÉRICO, C. P. et al. A criança com TDAH: análise do desempenho escolar e engajamento motor. Cinergs. v.17, n.2, p. 150-156, 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO DÉFICIT DE ATENÇÃO. Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Rio de janeiro: ABDA, 2017. 25p.

BÉLANGER, S. A. et al. ADHD in children and youth: Part 1-Etiology, diagnosis, and comorbidity. Paediatr Child Health. v.23, n.7: p.447-453, 2018.

BITTENCOURT, C.P. Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na infância e adolescência: abordagem clínica e terapêutica. Trabalho de Conclusão de Curso do Centro Universitário Unifacig, Manhuaçu, 2019.

BONATI, M. et al. Dez anos (2011-2021) do Registro italiano de TDAH na Lombardia para o diagnóstico e tratamento de crianças e adolescentes com TDAH. Crianças. v. 8, n. 7, p. 598, 2021.

BORGES, G.P. et al. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade infantil: avaliação e tratamento. Revista Saúde e Educação, v.5, n.1, p.119-134, 2020.

CALIXTO, F.G.C.; SOARES, S.L.; VASCONCELOS, F.U.P. A aprendizagem e o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade: uma análise da produção brasileira. Editora Unijuí, v.36, n.113, p.74-84, 2021.

CHU, K. C. et al. Usando eletroencefalografia móvel e actigrafia para diagnosticar transtorno de déficit de atenção / hiperatividade: estudo de comparação caso-controle. JMIR Ment Health. v. 7, n. 6, 2020.

DAVELA, J. D. S. C.; ALMEIDA, J. Y. TDAH: revisão bibliográfica sobre definição, diagnóstico e intervenção. 2016. 25 f. Monografia (Aprimoramento Profissional) - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2016.

FARAONE, S. V. et al. Declaração de Consenso Internacional da Federação Mundial de TDAH: 208 Conclusões baseadas em evidências sobre o transtorno. Neurosci. Biobehav. Rev. v. 128, p. 789-818, 2021.

FRANCA, E. J. et al. Importância do diagnóstico precoce em crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade: revisão narrativa. Revista Eletronica Acervo Cientifico. v. 35, p. 1-7, 2021.

HADDAD, A. H. et al. Deficiência de personalidade em crianças e adolescentes com TDAH. Revista Paidéia. v.31, p.1-9, 2021.

KLIEGMAN, R.M. et al. Tratado de Pediatria. Rio de Janeiro: ELSEVIER, 2018. 17. 309p.

LACET C.; ROSA, M.D. Diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e sua história no discurso social: desdobramentos subjetivos e éticos. Psicologia Revista. v.26, n.2, p.231-253, 2017.

MAIA, M.I.R.; CONFORTIN, H. TDAH e aprendizagem: um desafio para a educação. PERSPECTIVA, Erechim. v. 39, n.148, p. 73-84, 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. BOLETIM BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE. Metilfenidato no tratamento de crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Brasília: MS, 2014. 2p.

MUZZI, M. C.; RIZZUTTI, S. Follow-UP de crianças diagnosticadas com transtorno do déficit de atenção/ Hiperatividade e tratamento medicamentoso. Brazilian Journal of Development. v.7, n.4, p.42005-42025, 2021.

NATIONAL INSTITUTE FOR HEALTH AND CARE EXCELLENCE (NICE). Attention deficit hyperactivity disorder: Diagnosis and management of ADHD in children, young people and adults. Londres: NICE, 2019. 40-43p.

OLIVEIRA, J. P. F. L.; PERIN, V. N.; ESPOSITO, S. B. O uso excessivo de Metilfenidato na infância e os falsos diagnósticos de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Brazilian Journal of Development. v.7, n.6, p. 61749-61769, 2021.

PAULA, C.; MOGNON, J. F. Aplicabilidade da terapia cognitivo-comportamental (TCC) no tratamento do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na infância: revisão integrativa. Cad. da Esc. de Saúde. v.17, n.1, p.76-88, 2017.

POWELL, V. et al. O que explica a ligação entre o TDAH na infância e a depressão na adolescência? Investigar o papel das relações entre pares e realização acadêmica. Eur Child Adolesc Psychiatry. v.29, n.11, p.1581–1591, 2020.

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Transtornos hipercinéticos: protocolo clínico. Santa Catarina: SUS, 2015.16p.

SILVA, H. C.; GHAZZI, M.S. Diagnóstico na infância: Quais as implicações possíveis? Interação Psicol. v. 20, n. 2, p. 135-¬143, 2016.

ZANGRADE, H.J.B.; COSTA, A.B.; AOSANI, T.R. Infância tarja preta: sentidos da medicalização atribuídos por crianças diagnosticadas com TDAH. Brazilian Journal of Development. v.7, n.3, p. 25317-25336, 2021.

WOLRAICH, M. L.; HAGAN, J. F.; ALLAN, C. AAP Subcommittee On Children And Adolescents With Attention-deficit/Hyperactive Disorder. Clinical Practice Guideline for the Diagnosis, Evaluation, and Treatment of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder in Children and Adolescents. Pediatrics. v. 144, n. 4, p. 1-27, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-252

Refbacks

  • There are currently no refbacks.