Melhorias às práticas terapêuticas preventivas ao suicídio no sistema único de saúde – SUS / Improvements to suicide preventive therapeutic practices in the Brazilian unique health system – UHS

Maria Júlia Zimmermann Hering, Camila Purnhagen Broering, Ricardo Crisóstomo Ribeiro, Angela Duebbers Cunha, Carlos Roberto de Oliveira Nunes

Abstract


O suicídio é uma problemática de saúde pública. Apesar das taxas mundiais apresentarem uma redução nas mortes autoprovocadas, os índices no Brasil são crescentes. A população adulta registra as maiores taxas de crescimento na mortalidade por suicídio. Neste contexto, revisar a literatura para identificar práticas preventivas contribui à melhoria dos atuais métodos adotados no Sistema Único de Saúde brasileiro. Foram revisados artigos publicados por pares, nas bases PubMed e LILACS, utilizando as palavras-chave suicide, prevention e intervention, com os filtros de publicação entre 2015 e 2020, e estarem integralmente disponíveis no formato open access. Com base nestes critérios, foram revisados três artigos, com estudos desenvolvidos no continente europeu, focados em práticas preventivas ao suicídio. Observou-se que todas as novas propostas terapêuticas envolvem métodos com autorrelato e estabelecimento de relação de confiança entre paciente e terapeuta. Os testes psicométricos aplicados são simples, com robustez analítica e de fácil adaptação a qualquer sistema se saúde, indicando os níveis de sofrimento psíquico e possíveis sinais de ideação ao suicídio. No Brasil, os Centros de Atendimento Psicossocial (CAPS) são os responsáveis por acolher e acompanhar pacientes com diferentes transtornos psicológicos e/ou psiquiátricos. Entretanto, ainda não há uma padronização às métricas de avaliação do sofrimento psíquico, nem de práticas preventivas às mortes por suicídio. Desta forma, a revisão de literatura e os métodos preventivos revisitados apontam possíveis caminhos para um melhor atendimento psicológico de pacientes com intenção de tirar a própria vida. A partir destes instrumentos adaptados, e da aplicação sistemática destes formulários, melhoras nas políticas públicas de prevenção ao suicídio podem ser propostas. A prevenção ao suicídio através de avaliações psicométricas não apenas representa uma alternativa para a redução da mortalidade por esta causa, mas também um menor gasto público para o tratamento e a melhor qualidade de vida em longo prazo destes pacientes.


Keywords


Prevenção, Suicídio, Avaliação psicológica.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio: informando para prevenir. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 2014. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index9/?numero=14. Acesso em: set. 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. A campanha Setembro Amarelo salva vidas! Brasil: ABP. 2020. Disponível em: https://www.setembroamarelo.com/. Acesso em: set. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 05 de outubro de 1988. Brasília, DF: Diário Oficial da União 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: set 2021.

BRASIL. Diretrizes metodológicas: elaboração de revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos randomizados. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

CORONEL, M.K.; WERLANG, B.S.G. Problem-solving and suicide attempt: systematic review. Rev Bras Ter Cognitivas, v. 6, n. 2, p. 59-82, 2010.

D’OLIVEIRA, C.F.; BOTEGA, N.J. (org.). Prevenção do suicídio: Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Brasil: Ministério da Saúde; 2006.

DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA. Secretaria de Políticas de Saúde. Programa saúde da família. J. Public Health, v. 34, n. 3, p. 316-319, 2000.

DUCASSE D. et al. Acceptance and commitment therapy for the management of suicidal patients: A randomized controlled trial. Psychother Psychosom, v. 87, n. 4, p. 211-222, 2018.

Ducasse D. et al. Acceptance and commitment therapy for management of suicidal patients: a pilot study. Psychother Psychosom, v. 83, p. 374-376, 2014.

FIOCRUZ. Saúde da família. Brasil: Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: https://pensesus.fiocruz.br/saude-da-familia. Acesso em: set. 2021.

FIOCRUZ. Sus. Brasil: Fundação Oswaldo Cruz. 2020. Disponível em: https://pensesus.fiocruz.br/sus. Acesso em: set. 2020.

FREITAS S.B. et al. Cognitive-behavioural therapy and cognitive-behavioural coaching: differences and similarities between the two approaches. Rev Bras Ter Cognitivas, v. 10, n. 1, p. 54-63, 2014.

GYSIN-MAILLART, A. et al. A novel brief therapy for patients who attempt suicide: A 24-months follow-up randomized controlled study of the Attempted Suicide Short Intervention Program (ASSIP). PLoS Med, v. 13, n. 3, p. 1–21, 2016.

ITENS P. et al. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiol Serv Saúde, v. 24, n. 2, p. 335–342, 2015.

JOBES, D.A. et al. Assessment and treatment of suicidal clients in a university counseling center. J Couns Psychol, v. 44, n. 4, p. 368-377, 1997.

LOVISI, G.M. et al. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Braz J Psychiatry, v. 31, p. 86–94, 2009. (Supl. 2).

MENEZES, J.C.L.; MURTA, S.G. Adaptação Cultural de Intervenções Preventivas em Saúde Mental Baseadas em Evidências. Psico-USF Campinas, v. 23, n. 4, p. 681-91, 2018.

MICHEL, K.; JOBES, D.A. Building a therapeutic alliance with the suicidal patient. Washington, DC: American Psychological Association, 2011.

MICHEL K. et al. A novel therapy for people who attempt suicide and why we need new models of suicide. Int J Environ Res Public Health, v. 14, n. 3, p. 243, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. SUS: 27 anos transformando a história da saúde no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/35647-sus-27-anos-transformando-a-historia-da-saude-no-brasil. Acesso em: set. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Genebra, Suíça: OMS; 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Suicide data. Base de dados, 2019. [S.l.]: OMS, 2019. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/suicideprevent/en/. Acesso em: set. 2021.

RYBERG W. et al. Managing suicidality within specialized care: A randomized controlled trial. J Affect Disord, v. 249, p. 112-120, 2019.

VIEIRA, M.T. et al. Fatores de risco de suicídio em homens e mulheres: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 2, p. 6474-6484, 2021.

ZALSMAN G. et al. Suicide prevention strategies revisited: 10-year systematic review. Lancet Psychiatry, v. 3, n. 7, p. 646-659, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-240

Refbacks

  • There are currently no refbacks.