Perfil epidemiológico da dengue na Bahia entre os anos de 2010 à 2019 / Epidemiological profile of dengue in Bahia between 2010 and 2019

Ana Maria Fernandes Menezes, Kaic Trindade Almeida, Kamila Santos Barros, Michele Alves dos Santos, Cristiele Lara Fernandes Menezes

Abstract


A dengue é uma arbovirose originada de países da Oceania e Sudeste Asiático, de cunho viral transmitido pela fêmea do Aedes Aegypti. Dentro de suas subclassificações, o vírus desenvolve quatro tipos de sorotipos, o que intervém de forma direta na sua classificação. Ademais, destaca-se ainda a localização Geografia da Bahia, o que convém para um clima tropical, propiciando a proliferação do Agente Biológico de transmissão. Expor a situação epidemiológica do estado da Bahia em relação a Dengue entre os anos 2010 e 2020. As pesquisas evidenciam algumas condições observadas como o destaque para o sexo feminino em relação aos casos notificados, a faixa etária de maior acometimento são jovens entre 20 a 34 anos, representando 30% dos casos notificados. Em relação a etnia predominante, é notório o destaque para a população parda e para a escolaridade, foi observado uma falha no preenchimento das fichas, inviabilizando a apuração da mesma. No que tange as variáveis, o critério de confirmação mais utilizado foi o exame clínico- epidemiológico, a classificação final de maior destaque é a Dengue Clássica, no entanto a mesma possui falha na apresentação da base de dados e por fim, o ano de maior incidência de casos se mostra em 2013. Ao fim do estudo, concluímos que o sexo feminino se destaca em relação a notificação dos casos. Adjunto a isso, observa- se a falha no banco de dados SINAN e o não comprometimento da vigilância sanitária no preenchimento das fichas, o que claramente dificulta a realização de pesquisas desse cunho no país.


Keywords


Aedes aegypti, Epidemiologia, Perfil de saúde, Saúde pública.

References


CAMPBELL, Grant L. et al. West nile virus. The Lancet infectious diseases, v. 2, n. 9, p. 519-529, 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para prevenção e controle de epidemias de dengue / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 160 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

SOUZA, Claudio Lima; DE SOUZA PAIXÃO, Rudily; OLIVEIRA, Márcio Vasconcelos. Dengue: Aspectos epidemiológicos de um surto ocorrido em Barra da Estiva, Bahia, Brasil, em 2014. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 41, n. 4, 2017.

SANTOS, Natália Ferreira et al. Análise epidemiológica da dengue no município de Vitória da Conquista-Bahia, no período de 2011 a 2014. C&d-revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista, v. 9, n. 2, p. 111-123, 2016.

, Maurício L.; TEIXEIRA, Maria Glória. Dengue no Brasil: situação epidemiológica e contribuições para uma agenda de pesquisa. Estudos avançados, v. 22, p. 53-72, 2008.

Novo Protocolo do Brasil para manejo clínico dos pacientes com dengue segue classificação atual da Organização Mundial da Saúde. Opas, 2016. Disponívelem:https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=4980:novo-protocolo-do-brasil-para-manejo-clinico-dos-pacientes-com-dengue-segue-classificacao-atual-da-organizacao-mundial-da-saude&Itemid=812 . Acesso em : 26 de Agosto de 2020.

TEIXEIRA, Tatiana Rodrigues de Araujo et al. Análise espacial e temporal da dengue no contexto sócio-ambiental do Município do Rio de Janeiro, 1996-2006. 2009. Tese de Doutorado.

CASTRO PASSOS, Madalena; FIGUEIREDO, Maria Aparecida Araújo. Mortalidade por dengue no estado da Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 35, n. 3, p. 687-687, 2011.

MELO, Adriana Suely de Oliveira et al. Estado nutricional materno, ganho de peso gestacional e peso ao nascer. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 10, n. 2, p. 249-257, 2007.

BAHIA. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Boletim epidemiológico, Bahia, n.17, Outubro. 2011. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/wp-content/uploads/2017/11/boletim_epidemiologico_N17_2011_03.10.2011.pdf . Acesso em: 06 abril.2021.

DE OLIVEIRA STEFANI, Ana Laura et al. Perfil socioepidemiológico dos casos de dengue notificados no município de Itumbiara-Goiás (BR) no período de 2007 a 2017. Saúde e meio ambiente: revista interdisciplinar, v. 9, p. 53-67, 2020.

COSTA, Antonia Khaynnam Silva et al. Dengue e Chikungunya: soroepidemiologia em usuários da atenção básica. Revista Enfermagem, UFPE on line, v. 13, n. 4, p. 1006-1014, 2019.

GONÇALVES, Caio Willer Brito et al. Estudo Epidemiológico da Dengue em um Estado do Norte do Brasil. AMAZÔNIA: SCIENCE & HEALTH, v. 8, n. 3, p. 83-90, 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA . Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

CARVALHO, Ana Paula Teixeira de et al. Perfil epidemiológico da dengue e seus determinantes no município de Uberlândia nos anos de 2011 a 2015. 2017.

GUEDES, Deise Aparecida de Melo Oliveira; ROCHA, Benigno Alberto Moraes da. Perfil epidemiológico dos casos de dengue notificados em Ceres-Goiás, de 2014 a 2015. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 9, n. 2, 2019.

EVANGELISTA, Luanna Soares de Melo; OLIVEIRA, Fernando Luiz Lima de; GONÇALVES, Larissa Maria Feitosa. Aspectos epidemiológicos do dengue no município de Teresina, Piauí. BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista (Online), v. 9, n. 103, p. 32-39, 2012.

NASCIMENTO, Laura Branquinho do et al. Caracterização dos casos suspeitos de dengue internados na capital do estado de Goiás em 2013: período de grande epidemia. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 475-484, 2015.

PAULOVSKI, Kamila Tejo; COLAVITE, Ana Paula. MAPEAMENTO COLABORATIVO. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, v. 11, n. 1, p. 70-84, 2020.

RODRIGUES, Allan Eduardo Pereira et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE EM PALMAS DE 2015 A 2017. Revista de Patologia do Tocantins, v. 7, n. 3, p. 26-30, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-237

Refbacks

  • There are currently no refbacks.