Prevalência de dor crônica em idosos: revisão integrativa da literatura / Prevalence of chronic pain in the older adults: an integrative literature review

Gabrielle Beatriz Kshesek, Larissa Gabriela Herculano de Souza, Luciano Alves Leandro

Abstract


O aumento significativo da população idosa em todo o mundo é um reflexo da prevalência de condições crônicas e a dor representa um potencial fator biopsicossocial ao caracterizar a relação do idoso, sua família e o Sistema de Saúde. Determinar a prevalência da dor crônica em idosos como um problema de Saúde Pública por meio de uma revisão da literatura. Revisão Integrativa da literatura por uma busca ativa de informações nas bases de dados: PubMed (National Library of Medicine), MEDLINE (Medical Literature Analisys and Retrieval Sistem), Science Direct, Scielo (Scientific Electronic Library Online) e Portal de Periódico Capes/MEC, com produção bibliográfica compreendida de 2011 à 2021, baseada nos descritores: “idoso”, “dor crônica” e “prevalência” de forma integrada. Foram incluídos estudos originais que avaliaram prevalência da dor crônica em idosos com ≥60, de ambos os sexos e com amostra representativa da população estudada. A busca foi limitada por publicações nos idiomas português e inglês e do tipo artigo científico e a metodologia seguiu as recomendações PRISMA. Foram identificados oito (8) artigos que preencheram os critérios de inclusão e a prevalência de dor crônica em idosos variou de 30% a 68,6% entre os estudos abordados entre Europa, Ásia e o continente americano, caracterizando aspectos biopsicossociais, questões psicossomáticas e a relação de condições de vida e saúde caracterizando políticas de saúde.  A prevalência de dor crônica em idosos apresentou grande variabilidade entre os estudos analisados potencializando caminhos para prevenção, proteção e reabilitação do idoso no contexto gerontológico.


Keywords


Envelhecimento, Dor crônica, Idoso, Prevalência.

References


Organização mundial da saúde. Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. 2015.

Magagnin, R. C., Silva Filho, N. G., & Rossetto, H. D. F. Z. O processo de envelhecimento e os problemas de mobilidade em espaços públicos e edificados. Pesquisa em arquitetura e urbanismo: Desafios Urbanos. Cultura Acadêmica. São Paulo. (2018).

Ferreira LK, Meireles JFF, Ferreira MEC. Avaliação do estilo e qualidade de vida em idosos: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro, 2018.

Pereira LV, Vasconcelos PP, Souza LAF. Prevalência, intensidade de dor crônica e autopercepção de saúde entre idosos: estudo de base populacional. Rev.Latino-Am.Enfermagem, Goiás, 2014.

Silveira MM, Pasqualoti A, Colussi EL. Prevalência de dor crônica em adultos e idosos. Revista de atenção à saúde, Rio Grande do Sul, 2012.

Carvalho RC, Maglioni CB, Machado GB, de Araújo JE, da Silva JRT, da Silva ML. Prevalence and characteristics of chronic pain in Brazil: a national internet-based survey study. BrJP. 2018;1(4):331-8.

Ferretti F, Silva MR, Pegoraro F, Baldo JE, Sá CA. Chronic pain in the elderly, associated factors and relation with the level and volume of physical activity. BrJP. 2019, v. 2, n. 1.

National Health Interview Survey (NHIS), 2016.

Zanin C, Candido JB, Jorge MSG, Wibelinger LM, Doring M, Portella MR. Sarcopenia and chronic pain in institutionalized elderly women. BrJP. 2018, v. 1, n. 4.

Marini AM, Martins M, Forni JE, Araujo Filho GM. Papéis ocupacionais e qualidade de vida em indivíduos com dor crônica. Ciência em Movimento - Reabilitação e Saúde. 2017;38(19):119-26.

Morís G, Wood L, Fernández-Torrón R, González-Coraspe JA, Turner C, Hilton-Jones D etal. Chronic pain has a strong impact onquality of life in facioscapulohumeral muscular dystrophy. Muscle Nerve. 2018;57(3):380-7.

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005; 52(5):546-53.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2017, p. 54.

Liberati A, Altman DG, Tetzlaff J, Mulrow C, Gøtzsche P, Ioannidis JPA, et al. The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. PLoS Med. 2009 Jul;6(7).

Larsson C, Hansson EE, Sundquist K, Jakobsson U. Dor crônica em idosos: prevalência, incidência e fatores de risco. Scand J Rheumatol. 2017 Jul;46(4):317-325.

Vu, Huyen Thi Thanh et al. “Older Patient Satisfaction with Chronic Pain Management in the National Geriatric Hospital in Vietnam.” Patient preference and adherence 2020; v. 14 1801-1809.

Dahlhamer J, Lucas J, Zelaya C, Nahin R, Mackey S, DeBar L, Kerns R, Von Korff M, Porter L, Helmick C. Prevalence of Chronic Pain and High-Impact Chronic Pain Among Adults United States, 2016. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2018 14;67(36):1001-1006.

Liberman O, Freud T, Peleg R, Keren A, Press Y. Dor crônica e síndromes geriátricas em pacientes de moradia comunitária com idade ≥ 65 anos. J Pain Res. 2018 Jun; 19(11):1171-1180.

Torres JL, da Silva SLA, Ferreira FR, Mendes LPS, Machado LA. A dor crônica está associada ao aumento do uso de cuidados de saúde entre idosos em idade comunitária no Brasil: o Estudo Dor no Idoso. Fam Pract. 2019;36(5):594-599.

Ciola G, Silva MF, Yassuda MS, Neri AL, Borim FSA. Dor crônica em idosos e associações diretas e indiretas com variáveis sociodemográficas e de condições de saúde: uma análise de caminhos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2020, v. 23, n. 3.

Ardoino I, Franchi C, Nobili A, Mannucci PM, Corli O; REPOSI Investigators. Pain and Frailty in Hospitalized Older Adults. Pain Ther. 2020 Dec;9(2):727-740.

Li R, Dworkin RH, Chapman BP, Becerra AZ, Yang L, Mooney CJ, Seplaki CL. Dor crônica moderada a grave na vida posterior: fatores de risco e resiliência para recuperação. Go to the journal of pain SciencieDirect. 2021 Mai; 84: 203-207.

Alves ES, Oliveira NA, Terassi M, Luchassi BM, Pavarina SCL, Inouye K. Pain and sleeping problems in the elderly. BrJP. 2019, v. 2, n. 3.

Morais D, Terassi M, Inouye K, Luchesi BM, Pavarini SCI. Dor crônica de idosos cuidadores em diferentes níveis de fragilidade. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2016, v. 37, n. 4.

Carvalho AD, Souza EP. O idoso e as dores crônicas: como viver com elas. Revista multidisciplinar de psicologia. 2017; v. 11, n.38.

Paz MG, Souza LAF, Tatagiba BSF, Serra JR, Moura LA, Barbosa MA, Pereira LV. Factors associated with quality of life of older adults with chronic pain. Revista Brasileira de Enfermagem. 2021, v. 74, n. 2.

Blyth FM, Noguchi N. Chronic musculoskeletal pain and its impact on older people. Best Pract Res Clin Rheumatol. 2017;31(2):160-8.

Bonafé M, Jorge MSG, Portella MR, Doring M, Scortegagna SA, Wibelinger LM. Factors related to chronic pain in institutionalized elderly. BrJP. 2020, v. 3, n. 4.

Zis P, Daskalaki A, Bountouni I, Sykioti P, Varrassi G, Paladini A. Depressão e dor crônica em idosos: vínculos e desafios de gestão. Clin Investig Aging. 2017; 12: 709–720.

Vasconcelos FH, de Araújo GC. Prevalence of chronic pain in Brazil: a descriptive study. BrJP. 2018;1(2):176-9.

Van Hecke O, Torrance N, Smith BH. Chronic pain epidemiology and its clinical relevance. Br J Anaesth. 2013;111(1):13-8.

Alves BH, Vasconcelos PK, Silva LTC, Silva SNM, Patrício FD, Dantas R, Melo BYP. Alterações da qualidade do sono em idosos e sua relação com doenças crônicas. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, 2020 v. 3, n. 3, p.5030-5042

Ferretti F, Santos DT, Giuriatti L, Gauer APM, Teo CRPA. Sleep quality in the elderly with and without chronic pain. BrJP. 2018, v. 1, n. 2;141-146.

Lopes JM, Fernandes SG, Dantas FG. Associação da depressão com as características sociodemográficas, qualidade do sono e hábitos de vida em idosos do Nordeste brasileiro: estudo seccional de base populacional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):521-31.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). World report on ageing and health. 2015.

Leandro, L. A., Gomes, L. M. R., & Chevônica, J. P. Multidimensional assessment of frailty in hospitalized elderly. PAJAR - Pan American Journal of Aging Research, 2020 8(1):1-10.

Ferretti F, Silva MR, Pegoraro F, Baldo JE, Sá CA. Chronic pain in the elderly, associated factors and relation with the level and volume of physical activity. BrJP. 2019, v. 2, n. 1.

Santos FAA, Souza JB, Antes DL, D’Orsi E. Prevalência de dor crônica e sua associação com a situação sociodemográfica e atividade física no lazer em idosos de Florianópolis, Santa Catarina: estudo de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2015, v. 18, n. 1.

National Institutes of Health. Comitê Coordenador Interagências de Pesquisa em Dor. Estratégia nacional para a dor: uma estratégia abrangente para a dor no nível de saúde da população. Washington, DC: Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, 2016.

Santos FC, Moraes NS, Pastore A, Cendorogio MS. Chronic Pain in long-lived elderly: prevalence, characteristics, measurements and correlation with serum vitamin D level. Received from the discipline of geriatrics and gerontology, federal university of São Paulo. 2015, v. 16, n.3.

Raggi A, Corso B, Minicuci N, Quintas R, Sattin D, De Torres L, et al. Determinants of quality of life in ageing populations: results from a cross-sectional study in Finland, Poland and Spain. PLoS One. 2016;11(7).

Marques P. Cuidado à saúde do idoso: Uso De Medicamentos, Polifarmácia e Práticas Integrativas e Complementares. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas. 2020.

Carvalho FG. O trabalho da fisioterapia na assistência ao idoso na atenção básica. Caderno Saúde e Desenvolvimento. 2013;3(2):1-34.

Menezes GRS, Silva AS, Silvério LC, Medeiros ACT. Impacto da atividade física na qualidade de vida de idosos: uma revisão integrativa. Ver. Braz. J. Hea. Rev. Curitiba, 2020; v.3. n.2, 2490-2498.

Maia et al. Importância da inclusão do profissional Fisioterapeuta na atenção básica de saúde. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, 2015; v. 17, n. 3, p. 110-115.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-227

Refbacks

  • There are currently no refbacks.