A estenose mitral como sequela em pacientes com febre reumática / Mitral stenosis as a sequel in patients with rheumatic fever

Reinaldo Andrade Neto, Murilo Fava e Sanches, Adriano Bondezan Anatólio, Lucas Gomes Ribeiro, Maria Eduarda Boni Kist, Rafaela Teixeira Marques

Abstract


INTRODUÇÃO: A febre reumática (FR) e a cardite reumática afetam especialmente crianças e adultos jovens, e são complicações deflagradas por uma infecção pelo Streptococcus B-hemolítico do Grupo A. O objetivo deste estudo de revisão é sintetizar os dados da literatura atual acerca da estenose mitral em pacientes com febre reumática, pois ainda é uma doença prevalente em nosso país. METODOLOGIA: A revisão foi realizada mediante análise de artigos científicos pesquisados em quatro bases de dados. Dessa forma, foram escolhidos 19 artigos e 1 livro, após critérios de inclusão e exclusão. RESULTADOS: Alguns dos artigos utilizados para realização deste trabalho, explicam a íntima relação entre a Febre Reumática com uma maior incidência de casos de Cardite Reumática e Estenose Mitral. DISCUSSÃO: O diagnóstico da FR se baseia no critério de Jones, sendo a cardite reumática um dos critérios maiores, comprometendo invariavelmente a valva mitral, gerando sequelas incapacitantes, com grande custo social e econômico. Na América Latina, 21.000 casos de FR aguda ocorrem anualmente. CONCLUSÃO: A doença ainda é prevalente em países subdesenvolvidos, onerando, por exemplo, o SUS em 157 milhões anualmente. Dessa forma, o entendimento de sua fisiopatologia é muito importante para prevenção, diagnóstico e manejo de complicações.

Cardiopatia Reumática, Estenose da Valva Mitral, Febre Reumática.


Keywords


Cardiopatia Reumática, Estenose da Valva Mitral, Febre Reumática.

References


BARBOSA, P. J. B., et al. Diretrizes brasileiras para diagnóstico, tratamento e prevenção da febre reumática da sociedade brasileira de cardiologia, da sociedade brasileira de pediatria e da sociedade brasileira de reumatologia. Arq Bras Cardiol, Salvador, v. 93, n. 3, 2009. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

BITAN, A., et al. Rheumatic mitral stenosis: long-term follow-up of adult patients with nonsevere initial disease. Cardiology, v. 145, 2020. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

BONOW, R. O., et al. Braunwald - Tratado de doenças cardiovasculares. 10. ed. São Paulo: Guanabara Koogan, 2016.

CARRILHO-FERREIRA, P., et al. Severe rheumatic mitral stenosis: a 21st century medusa. Arch Intern Med, v. 171, n. 16, 2011. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

FELDMAN, T. Rheumatic mitral stenosis. On the rise again. Postgrad Med, v. 93, n. 6, 1993. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

FIGUEIREDO, E. T., et al. Febre reumática: uma doença sem cor. Arq. Bras. Cardiol., v. 113, n. 3, 2019. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

GOMES, N. F. A., et al. Caracterização histológica das lesões da valva mitral de pacientes com cardiopatia reumática. Arq. Bras. Cardiol., v. 116, n. 3, 2021. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/abc/a/GdmY38DrCHdVhnRrfmKmyym/?lang=pt> Acesso em: 30 set. 2021.

IUNG, B.; VAHANIAN, A.. Epidemiology of acquired valvular heart disease. Can J of Cardiol, v. 30, n. 9, 2014. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

IUNG, B., et al. Management of atrial fibrillation in patients with rheumatic mitral stenosis. Heart, v. 104, n. 13, 2018. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29453328/> Acesso em: 30 set. 2021.

KATZENELLENBOGEN, J. M., et al. Rheumatic heart disease: infectious disease origin, chronic care approach. BMC Health Serv Res., v. 17, n. 1, 2017. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

KUMAR, R. K.; TANDON R. Rheumatic fever & rheumatic heart disease: The last 50 years. Indian J Med Res., v. 137, n. 4, 2013. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3724245/> Acesso em: 30 set. 2021.

LUO T, MENG X. Rheumatic mitral valve repair: the Score procedure. Asian Cardiovasc and Thorac Ann., v. 28, n. 7, 2020. Disponível em: < https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0218492320935251?journalCode=aana> Acesso em: 30 set. 2021.

OLIVEIRA, I. S., et al. Perspectivas epidemiológicas, fisiopatológicas e clínicas da doença reumática cardíaca: uma revisão bibliográfica. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 5, n. 5, 2020. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

PEREIRA, B. A. F., et al. Febre reumática: atualização dos critérios de Jones à luz da revisão da American Heart Association – 2015. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 57, n. 4, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rbr/a/63PDN73Q3NnRyRf8Vywhrjd/?lang=pt> Acesso em: 30 set. 2021.

RIBEIRO, F. M., et al. Caso 2 - homem de 70 anos de idade. Portador de estenose mitral e fibrose pulmonar, que desenvolveu sepse após valvoplastia mitral por balão. Arq. Bras. Cardiol., v. 94, n. 4, 2010. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/abc/a/fcCkNc7ksPw8xcsGpxFzfxb/?lang=pt#> Acesso em: 30 set. 2021.

RUSSEL E. A., et al. Medical management of rheumatic heart disease: a systematic review of the evidence. Cardiol Rev., v. 26, n. 4, 2018. Disponível em: Acesso em: 30 set. 2021.

SILVA, A.P., et al. Frequência de internações por febre reumática em um hospital pediátrico de referência em um período de 20 anos. Rev. paul. pediatr., v. 28, n. 2, 2010. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rpp/a/ZzpZQqtSQxKmSZYCYqBDPMy/abstract/?lang=pt> Acesso em: 30 set. 2021.

XANTHOPOULOS A., et al. Mitral Valve stenosis: still a clinical challenge? Cardiology, v. 140, n. 1, 2018. Disponível em: < https://www.karger.com/Article/Fulltext/487664> Acesso em: 30 set. 2021.

WUNDERLICH, N.C., et al. Rheumatic Mitral Valve stenosis: diagnosis and treatment options. Curr Cardiol Rep., v. 21, n. 3, 2019. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30815750/> Acesso em: 30 set. 2021.

WOLDU, B.; BLOOMFIELD, G.S. Rheumatic heart disease in the twenty-first century. Curr Cardiol Rep., v. 18, n. 10, 2016. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27566329/> Acesso em: 30 set. 2021




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-207

Refbacks

  • There are currently no refbacks.