Conhecendo o tratamento de hipertensão no sus Acolhimento, diagnóstico e medicamentos disponíveis / Getting to know the treatment of hypertension at sus Reception, diagnosis, and available medications

Bárbara Rayne Santos de Alencar, Leandro Dobrachinski, Dulcinete Valéria de Albuquerque Ferreira, Pedro Eduardo Gouveia Gonçalves de Oliveira, Nelter Guilherme Retlen Costa Queiroz

Abstract


A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é conceituada como um estado clínico multifatorial em que os indivíduos têm uma elevação sustentada de maior ou igual a 140 mmHg (Pressão Arterial Sistólica- PAS) e a 90mmHg (Pressão Arterial Diastólica-PAD),  atingindo cerca de 36 milhões de indivíduos adultos no Brasil, em que 60% são idosos.  A Sociedade Brasileira de Hipertensão em 2018 relatou que cerca de 77% das pessoas com o primeiro episódio de Acidente Vascular Encefálico (AVE) têm HAS, além do alto risco de   doenças cardiovasculares. Diante das comuns possibilidades de complicações, surge, no atual modelo do Sistema Único de Saúde (SUS), a necessidade de não somente diagnosticar e rastrear os hipertensos, como também de acompanhá-los individual e cuidadosamente, por meio de um itinerário, que é a Linha de Cuidado (LC) específica a esses pacientes, buscando a promoção, a prevenção, a cura e a reabilitação dos usuários.  Dessa forma, tem-se por objetivo compreender o papel exercido pelos membros da Equipe de Saúde quanto ao manejo clínico atual (acolhimento, diagnóstico e tratamento) do paciente hipertenso no SUS. Para que o atendimento específico ao paciente hipertenso esteja em conformidade com o previsto pela LC, há a importância da atuação conjunta da Equipe de Saúde de maneira completa, devendo ser composta, em cada Unidade Básica de Saúde (UBS), por um Médico , dois Enfermeiros, um ou dois Técnicos de enfermagem e quatro a seis ACS(Agentes Comunitários de Saúde), em que cada componente tem sua função específica  dentro da unidade. É válido ressaltar a necessidade de inserção de outros profissionais, como nutricionistas e dentistas, para uma melhor cura e prevenção. A presente revisão, portanto, visa a proporcionar uma melhor compreensão, não somente para o acadêmico de medicina, como também para a população e para a equipe de saúde, quanto ao manejo clínico que deve ser oferecido ao paciente com Hipertensão Arterial Sistêmica, mostrando as etapas do acolhimento que deve ser oferecido, as dificuldades de rastreamento e de diagnóstico, as possibilidades e disponibilidade de medicações e demais tratamentos, além da dinâmica farmacológica frente a multifatorialidade do paciente.


Keywords


Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), Atenção primária à Saúde, Equipe de Saúde.

References


BRANDÃO, Andrea Araujo; NOGUEIRA, Armando da rocha. Manual de Hipertensão Arterial.2018. Disponivel em : < https://socerj.org.br/antigo/wp-content/uploads/2018/04/Manual_Hipertensa%CC%83o_Arterial_Completo_Final.pdf> Acesso em 11 fev. 2021.

CADERNOS de Atenção Básica: Hipertensão Arterial Sistêmica. 15. ed. Brasília - DF: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica15.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021

FEITOSA, Isabella de Oliveira; PIMENTEL, Adelma. HIPERDIA: práticas de cuidado em uma unidade de saúde de Belém, Pará HIPERDIA: care practices in a health facility in Belém, ParáHIPERDIA: prácticas de atención en un centro de salud en Belém, Pará. Rev. NUFEN, Belém , v. 8, n. 1, p. 13-30, 2016 . Disponível em . Acesso em 22 fev. 2021

GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 12. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

LAVRAS, Carmen. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Campinas SP, 2011. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/sausoc/2011.v20n4/867-874/. Acesso em: 12 fev. 2021.

KATZUNG, Bertram G.; TREVOR, Anthony J. (Orgs.). Farmacologia básica e clínica. 13 ed. Porto Alegre: McGraw-Hill, 2017.

MANEJO da Hipertensão Arterial Sistêmica e Diabetes Mellitus na Atenção Primária à Saúde. Brasília - DF: COMISSÃO PERMANENTE DE PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE, 2018. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/04/hipertencao-e-diabetes-Manejo_da_HAS_e_DM_na_APS.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

MENGUE, Sotero Serrate; BERTOLDI, Andréa Dâmaso. Acesso e uso de medicamentos para hipertensão arterial no Brasil. Rio Grande do Sul: Revista de Saúde Pública, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/v50s2/pt_0034-8910-rsp-s2-S01518-87872016050006154.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

Ministério da Saúde.Caderno de atenção primária rastreamento. Série A. Legislação em saúde. 2010.disponivel em: Acesso: 11 fev. 2021

Ministerio da saude. Caderno de atenção básica Hipertensão Arterial Sistemica. Serie A.Legislaçao em saude.2010 Disponivel em: Acesso: 11 fev. 2021.

Ministerio da saude. LINHA DE CUIDADO À PESSOA COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Série A. Legislação em Saúde.2019. Disponivel em: Acesso: 11 fev. 2021

Rang, H.P; Dale, M.M. Editora Elsevier, 8aedição, 2016. Farmacologia Clínica. Fuchs, F.D.; Wannmacher, L. Editora Guanabara Koogan, 4aedição, 2010.

TOLEDO,J. C. Y. et.al. Revista Brasileira de Hipertensão, Rio de Janeiro,V.25,N.1,Pag. 7,2018.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-196

Refbacks

  • There are currently no refbacks.