Jardins Verticais como uma proposta de ambiente agradável e de baixo custo em Escolas Públicas / Living walls as a proposal for a pleasant and low-cost environment in Public Schools

Ismael Inácio dos Santos, Guilherme Gustavo de Sousa Oliveira, Ketlen Karen Braga Da Silva, Renan Karlo Reitz, Maria Beatriz Nunes de Souza

Abstract


A crescente preocupação com a degradação ambiental associada à expansão das cidades, acarreta diminuição de áreas com vegetação, bem como nas mudanças bruscas no ecossistema e consequente alteração na saúde da população. A escola é o espaço em que compartilhamos conhecimento, experiências e aprendemos sobre relações socioambientais. É onde nos conectamos também com a educação ambiental, porém muitas vezes esses espaços carecem de um ambiente mais acolhedor para os alunos. Em busca de uma solução capaz de amenizar essa problemática traçada no ambiente escolar, surge como alternativa os jardins verticais, uma vez que são capazes de gerar melhorias ambientais e econômicas. Dessa maneira, o objetivo dessa proposta é fazer com que os alunos tenham um ambiente escolar mais confortável e agradável, utilizando uma decoração de baixo custo. Os materiais para a confecção do jardim vertical são acessíveis, como mudas nativas, garrafas pet, cordas, substratos e mudas. Essa prática resulta em um jardim educativo, no qual a cada etapa de elaboração do jardim vertical é possível extrair alguns temas, desde a educação ambiental, abordando temas como sustentabilidade, até conteúdos abordados na química, como compostos inorgânicos. Os jardins verticais proporcionam uma estética agradável e uma melhoria do microclima, valorizando o ambiente escolar para as aulas.

Keywords


jardim vertical, atividade prática, educação ambiental.

References


AFONSO, M. S. M.; TIPPLE, A. F. V.; SOUZA, A. C. S. e; PRADO, M. A. do; ANDERS, P. S. A Qualidade do Ar em Ambientes Hospitalares Climatizados e sua Influência na Ocorrência de Infecções. Revista Eletrônica de Enfermagem, [S. l.], v. 6, n. 2, 2006. DOI: 10.5216/ree.v6i2.818.

ANDRADE, Marcelo Leandro Feitosa de; MASSABNI, Vânia Galindo. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

BARBOSA, M. C.; FONTES, M. S. G. DE C. Jardins verticais: modelos e técnicas. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, v. 7, n. 2, p. 114-124, 30 jun. 2016.

BATIZ, E. C. et al . Avaliação do conforto térmico no aprendizado: estudo de caso sobre influência na atenção e memória. Produção., São Paulo , v. 19, n. 3, p. 477-488, 2009.

BELEM, A. L. G.; NUCCI, J. C. Dependência Energética e Tecnológica (Hemerobia) do Bairro Santa Felicidade - Curitiba PR. Caminhos de Geografia, v. 15, n. 51, 2014.

CACHAPUZ, A. et al. (Orgs.). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

DOS SANTOS, Adriana Maria et al. Implementation of a project for the organic agriculture experience in rural schools: climate studies, vegetable gardens, and free-range poultry production. Journal of Animal Behaviour and Biometeorology, v. 7, n. 2, p. 66-72, 2020.

DULLIUS, A. I. et al. REUSE TECHNOLOGY: USE OF PET BOTTLES IN THE CONSTRUCTION OF VERTICAL VEGETABLE GARDENS IN EARLY CHILDHOOD EDUCATION SCHOOLS. In: 10th International Symposium on Technological Innovation. 2019.

FROTA, A. B.; SCHIFFER, S. R. Manual de Conforto Térmico: Arquitetura/ Urbanismo. São Paulo, SP: Studio Nobel, 2003.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e Patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LEAL, C. E. A era das organizações sustentáveis. Revista Eletrônica Novo Enfoque da Universidade Castelo Branco, v. 8, n. 8, p. 1–11, 2009.

LOH, S. Living Walls – A Way to Green the Built Environment. Environment Design Guide, TEC 26, 2008. Disponível em: http://eprints.qut.edu.au/28172/.

PERES, R. B. Uso e ocupação do solo e impactos ambientais urbanos. Cadernos do Cescar. São Carlos: Gráfica e Editora Futura, p. 173–183, 2011.

PERINI, K.; OTTELÉ, M.; HAAS, E.M.; RAITERI, R. Greening the building envelope, façade greening and living wall systems. Journal of Ecology, Genoa, v.1, n. 1, p.1-8, 2011. http://dx.doi.org/10.4236/oje.2011.11001.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Coleção Ideias Sustentáveis. Rio de Janeiro: Garamond, 2000. 96 p.

SCHERER, M. J. & FEDRIZZI, B. M. Jardins Verticais: Potencialidades para o Ambiente Urbano. Revista Latino Americana de Inovação e Engenharia de Produção. Vol. 2, n. 2 . Jan /jun. 2014

Conheça o projeto IPTU verde. Viva o Condomínio, Curitiba, 19 de ago. de 2019. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2021.

THAIENNY, et al. 2019. Jardins Verticais Como Recurso Estético E Solução Termoacústica De Baixo Custo Em Ambientes Internos E Externos. Disponível em: https://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3827. Acessado em: 10/09/2021.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-180

Refbacks

  • There are currently no refbacks.