Análise dos fatores biopsicossociais do absenteísmo na enfermagem / Analysis of biopsychosocial factors of absenteeism in nursing

Sérgio Gomes de Miranda, Katiulcy Carvalho Oliveira, Luciene Apolinário de Araújo, Gabriela Eiras Ortoni, Kárita Mayara Socorro Lopes da Silva, Nayara Barbosa Ferreira, Lara Tavares Santiago Borges, Thaís Almeida Rodrigues

Abstract


O texto discute a complexidade do trabalho da enfermagem em seus vários aspectos relativos às relações e interações entre profissional e paciente, bem como entre outros/as profissionais de saúde. Traz o absenteísmo como um fator agregador de problemas para a equipe, haja vista a ausência de um/a profissional sobrecarregar os/as demais funcionários/as. Seus agravantes são: físico, mental, social e espiritual, proporcionando, consequentemente, o adoecimento. Identificar quais as principais causas de absenteísmo entre os/as profissionais da enfermagem, apontando os fatores que levam à falta ao trabalho, bem como os danos causados pelo absenteísmo. Trata-se de uma revisão de literatura, realizada por meio de busca on-line das principais causas de absenteísmo na enfermagemOs dados foram coletados por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Foram selecionados 18 (dezoito) artigos no período de 2008 a 2019. Evidenciou-se que o absenteísmo na área da enfermagem é multifatorial, representado em três categorias distintas inter-relacionadas: psicológicas, biológicas e sociais. Conclusão: As principais causas do absenteísmo por profissionais de enfermagem são multifatoriais, envolvendo os aspectos psicológicos, biológicos e sociais. É de extrema necessidade a elaboração de estratégias eficazes dentro do ambiente de trabalho, proporcionando um local com melhor qualidade laboral, visando estratégias preventivas à saúde do/a trabalhador/a, onde o/a cuidador/a também será cuidado.


Keywords


Saúde do/a Trabalhador/a, Absenteísmo, Multifatorial, Enfermagem.

References


ABREU, D.M.R.; GONÇALVES, A.D.M.R.; SIMÕES, A.L.A. Motivos atribuídos por profissionais de uma unidade de terapia intensiva para ausência ao trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem. Mai.- jun. v. 67, n. 3. p. 386 - 93, 2014.

ABREU, R.M.A., SIMÕES, A.L.A. Ausências por adoecimento na equipe de enfermagem de um hospital de ensino. CiênCuid Saúde. 2009; 8(4): 637 - 44.

ABREU, R.M.D.; SIMÕES, A.L.A. Ausência por adoecimento na equipe e enfermagem de um hospital ensino. Cienc. Cuid. Saúde. Out./dez. v. 8, n. 4, p. 637- 644, 2009.

ANDRADE, L.Z.C.; SILVA, V.M.; LOPES, M.V.O.; CHAVES, D.B.R.; TÁVORA, R.C.O. Desobstrução ineficaz vias aéreas: prevalência e espectro de seus indicadores clínicos. Acta paul. Enferm. v. 27, n. 4, p. 319 - 25, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-0194201400054.

BENTO, A. Como fazer uma revisão da literatura: Considerações teóricas e práticas. Revista JÁ (Associação Acadêmica da Universidade da Madeira), n. 65, anos VII (p. 42 - 44), 2012.

BREY, C. et al. O absenteísmo entre os trabalhadores de saúde de um hospital público do sul do Brasil. Revista de enfermagem do Centro Oeste Mineiro. Curitiba, v. 7, p. 1 - 10, 2017.

CARNEIRO, T.M.; FAGUNDES, N.C. Absenteísmo entre trabalhadoras de enfermagem em unidade de terapia intensiva de hospital universitário. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, jan./mar. v. 20, n. 1, p. 84 - 9, 2012.

CARVALHO, C. G.; MAGALHÃES, S.R. Quem cuida do cuida(dor): Principais fatores que interferem na saúde dos profissionais de enfermagem: uma visão biopsicossocial. J. REs. Funda Care On. jul./set. v. 5, n. 3, p. 122 - 131, 2013.

CARVALHO, L.S.F.; MATOS, R.C.S.; SOUZA, N.V.D.O.; FERREIRA, R.E.D.S. Motivos de afastamento por licença de saúde dos trabalhadores de enfermagem. CiêncCuid Saúde. v. 9, n. 1, p. 60 - 6, 2010.

CARVALHO, P. D. et al. Cargas de trabalho e a saúde do trabalhador de enfermagem: revisão integrativa. Cogitare Enferm, Rio Grande, v. 22, n. 1, p. 01 - 11, 2017.

CHIAVENATO, I. Recursos humanos. 8. ed. São Paulo: Atlas; 2004.

COELHO, M. A. et al. Absenteísmo da equipe de enfermagem das unidades clínicas de um hospital universitário da região centro-oeste do Brasil. Revista Uruguaya de Enfermería, Montevideo, maio. v. 11, n. 1, 2016.

Conselho Federal de Enfermagem (Brasil). Resolução nº. 543/2017. Atualiza e estabelece parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nos serviços/locais em que são realizadas atividades de enfermagem. [resolução na internet]. Diário Oficial da União 2017. [acesso em 19 jun. 2019].

Conselho Federal de Enfermagem (Brasil) - COFEN. Site: http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/. Acesso em 21.06.2019.

COSTA, F. M.; VIEIRA, M.A.; SENA, R.R. Absenteísmo relacionado à doenças entre membros da equipe de enfermagem de um hospital escola os da equipe de enfermagem de um hospital escola. Rev. Bras. Enferm, Brasília. Jan. - fev. v. 62, n. 1, p. 38 - 44, 2009.

DEJOURS C. A loucura do trabalho: estudo da psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez; 1992.

FERREIRA, A.B.H. Mini Aurélio escolar do século XXI: o minidicionário da língua portuguesa. 5ª ed. Rev. ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 2014.

FERREIRA, E.V. et al. Absenteísmo dos trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário do estado de Pernambuco. Rev. Rene. Fortaleza, out/dez. v. 12, n. 4, p. 742-9, 2011. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index .php/revista/article/view/292.

FERREIRA, R.C. et al. Abordagem multifatorial do absenteísmo por doença em trabalhadores de enfermagem. Rev. Saúde Pública. v. 46, n. 2, p. 259-68, 2012.

FUGULIN, F.M.T.; GAIDZINSKI, R.R.; KURCGANT, P. Ausências previstas e não previstas da equipe de enfermagem das unidades de internação do HU-USP. Rev. Esc. Enferm USP. v. 37, n. 4, p. 109-17, 2003.

FURLAN, J.A.S.; STANCATO, K.; CAMPOS, C.J.G.; SILVA, E.M. O profissional de enfermagem e sua percepção sobre absenteísmo. Rev. Eletr. Enf. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ree.v20.46321.

GALINDO RH et al. Síndrome de Burnout entre enfermeiros de um hospital geral da cidade do recife. RevEscEnferm USP, 2012;46(2):420-7.

GIL-MONTE, P.R. El síndrome de quemarse por eltrabajo (síndrome de burnout) em profesionales de enfermería. Rev. Eletr. Inter Ação Psy. [Internet]. 2002 [citado 2010 nov. 13];1(1):19- 33. Disponível em: http://www.bvsde.paho.org/bvsacd/cd49/ artigo3.pdf

GIOMO, D.B.; FREITAS, F.C,; ALVES, L.A,; ROBAZZI, M.L. Acidentes de trabalho, riscos ocupacionais e absenteísmo entre trabalhadores de enfermagem hospitalar. Ver Enferm UERJ. v. 17, n. 1, p. 24-9. 9, 2009.

HALL, E. Nurse burnout in a high stress health care environment: prognosis better than expected? Junho, 2010. Disponível em: http://eprints.otago.ac.nz/278/1/ Hall_working_paper2.pdf.

HERDMAN, T.H,; KAMITSURU, S. N. International Nursing Diagnoses: Definitions & Classification, 2015-2017. Oxford: Wiley Blackwell, 2014.

INOUE, K.C.; MATSUDA, L.M.; SILVA, D.M.P.P.; UCHIMURA, T.T.; MATHIAS, T.A.F. Absenteísmo-doença da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Rev. Bras Enferm. 2008.

LAUS, A.M,; ANSELMI, M.L. Absences of nursing workers at a teaching hospital. Rev. Esc. Enferm USP v. 42, n. 4, p.; 681 - 689, 2008. Disponível em: http:// www.scielo.br/pdf/reeusp/v42n4/en_v42n4a09.pdf

LEE, J.B.; ERICKSEN, L.R. Effects of a policy change on three types of absence. J. Nurs Adm. v. 20, n. 7/8, p. 37-40.

MAGALHÃES, N.A.C. et al. O absenteísmo entre trabalhadores de enfermagem no contexto hospitalar. Rev., enferm. UERJ, Rio de Janeiro, abr./jun. v. 19, n. 2, p. 224-30, 2011.

MANTOVANI, M. V. et al. Absenteísmo por enfermidade em profissionais de enfermagem. Revista mineira de enfermagem, jul./set. v. 19, n. 03, p. 641-646, 2015.

MARQUES, O. D. et al. O absenteísmo- doença da equipe de enfermagem de um hospital universitário, Revista Brasileira de Enfermagem, Goiânia, set./out. v. 68, n. 5, p. 876-872, 2015.

MARTINATO, B.N.C.M.; SEVERO, F.D.; MARCHAND, E.A.A.; SIQUEIRA, H.C.H. Absenteísmo na enfermagem: Uma revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, mar. v. 31, n.1, p.160-166, 2010.

MARZIALE, P.H.M. et al. Consequências da exposição ocupacional a material biológico entre trabalhadores de um hospital universitário. Escola Anna Nery. Revista de Enfermagem v. 18, n. 1, jan-mar, 2014.

MININEL, V.A.; BAPTISTA, P.C.P.; FELLI, V.E.A. Cargas psíquicas e processos de desgaste em trabalhadores de enfermagem de hospitais universitários brasileiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 19, n. 2, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/rlae/v19n2/pt_16.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Perfil da enfermagem no Brasil, 2015. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem-no-brasil. Acesso em: 21 jun. 2019.

OLIVEIRA, P.R.; TRISTÃO, R.M.; NEIVA, E.R. Burnout e suporte organizacional em profissionais de UTI Neonatal. Educ Profis Ciênc Tecnol. v. 1, n. 1, p. 27-37, 2006.

RUIZ, C.O.; RIOS, F.L. EL burnout o síndrome de estar quemado em los profesionales sanitarios: revisión y perspectivas. Int. J Health Psychol. v. 4, n. 1, p. 137-60, 2004.

SANCINETTI, T.R.; GAIDZINSKI, R.R.; FELLI, V.E.A.; FUGULIN, F.M.T.; BAPTISTA, P.C.P.; CIAMPONE, M.H.T et al. Absenteísmo – doença na equipe de enfermagem: relação com a taxa de ocupação. Rev. Esc. Enferm USP. v. 43 (esp. 2), p. 1277-83, 2009.

SCHMOELLER, R., et al. Cargas de trabalho e condições de trabalho e condições de trabalho de enfermagem: revisão narrativa. Rev gaúcha Enfermagem, Porto Alegre (RS) 2011, jun.; 32(2):368-77

SHIMIZU, H.E. Como os trabalhadores de enfermagem enfrentam o processo de morrer. Rev Brás Enferm. v. 60, n. 3, p. 257-62, 2007.

SILVA, S.M.; BAPTISTA, P.C.P.; FELLI, V.E.A.; MARTINS, A.C.; SARQUIS, L.M.M.; MININEL. V.A. Intervention strategies for the health of university hospital nursing staff in Brazil. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 21, n. 1, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000100003.

SILVA, D. M. P. P.; MARZIALE, M. H. P. Condições de trabalho versus absenteísmo-doença no trabalho de enfermagem. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 5, Supl., p. 166-172, 2008.

SILVEIRA, R. P. da. et. al. A prática profissional no contexto do cuidado em saúde mental: revisão integrativa. Brazilian Journal of Health Review ISSN: 2595-6825 18979 Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.5, p. 18976-18997 sep./oct. 2021.

Sulzbacher M, Reck AV, Stumm EMF, Hildebrandt LM. O enfermeiro em unidade de tratamento intensivo vivenciando e enfrentando situações de morte e morrer. Sci. Med. 2009.

THOMAS, C.M.; KELLGREN, M. Benner’s Novice to Expert Model: An Application for Simulation Facilitators. Nurs Sci Q. v. 30, n. 3, p. 227-234, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0894318417708410.

UMANN, J. et al. Absenteísmo na equipe de enfermagem no contexto hospitalar. Cien ccuid Saúde, Santa Maria, jan./mar. v. 10, n.1, p.184-190,. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-158

Refbacks

  • There are currently no refbacks.