Um caso de síndrome pós-toracotomia: aspectos sobre a abordagem e manejo da dor em pacientes oncológicos / A case of post-thoracotomy syndrome: aspects on pain approach and management in oncologic patients

Bruno Vítor Martins Santiago, Odilea Gonçalves Rangel, Maud Parise, Nivaldo Ribeiro Villela

Abstract


A dor no paciente oncológico é uma entidade complexa e quase sempre multifatorial. Ela é um importante fator de incremento da morbidade e mortalidade em pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos, sobretudo, quando se tratam de toracotomias. Diversos fatores podem contribuir para que esses pacientes apresentem um elevado grau de dor no pós-operatório de cirurgias torácicas, entre os quais destacam-se: a secção de estruturas e retração dos músculos e ligamentos pelo afastador de Finochietto; irritação da pleura e dos nervos intercostais pelos drenos tubulares torácicos; fraturas ocasionais dos arcos costais; escores elevados de ansiedade e depressão pré-operatórios; controle descendente inibitório ineficiente e o não tratamento da dor aguda pós-operatória de forma adequada. A incidência de dor crônica pós-operatória (DCPO), em toracotomias, pode chegar a 80%, das quais cerca de 30% podem ter características neuropáticas, tornando o manejo da dor algo extremamente desafiador. Neste sentido, entender os mecanismos implicados na perpetuação da dor pode ser uma estratégia de atuar preventivamente e minimizar desfechos clínicos desfavoráveis. Assim, objetivo deste relato de caso é demonstrar a complexidade envolvida na abordagem terapêutica de um paciente com DCPO, pós-toracotomia, e discutir sobre as diferentes abordagens terapêuticas, levando em consideração a humanização do atendimento, integralização e interdisciplinariedade no cuidado centrado no paciente e em suas múltiplas dimensões (dor total).

 


Keywords


Neoplasias Pulmonares, Toracotomia, Dor Crônica, Anestesia e Bloqueio Paravertebral.

References


Alwan, A. (2011). Global status report on noncommunicable diseases 2010. World Health Organization.

Mendes, T. R., Boaventura, R. P., Castro, M. C., et al. (2014). Ocorrência da dor nos pacientes oncológicos em cuidado paliativo. Acta paulista de enfermagem, 27, 356-361.

Pinto, A. C., Cunha, A. A., Othero, M. B., et. al. (2009). Manual de cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Diagraphic.

Sadatsune, E. J., Leal, P. D. C., Clivatti, J.,et al. (2011). Dor crônica pós-operatória: fisiopatologia, fatores de risco e prevenção. Rev Dor, 12(1), 58-63.

Thomaz, A. (2010). Dor oncológica: conceitualização e tratamento farmacológico. Revista Onco, 24-9.

Ercolani, D., Hopf, L. B. D. S., & Schwan, L. (2018). Dor crônica oncológica: avaliação e manejo. Revista Acta Médica, Rio Grande do Sul, 39(2), 151-162.

Costa, C. A., Santos, C., Alves, P., & Costa, A. (2007). Dor oncológica. Revista portuguesa de pneumologia, 13(6), 855-867.

Miceli, A. V. P. (2002). Dor crônica e subjetividade em oncologia. Revista Brasileira de Cancerologia, 48(3), 363-373.

DeSantana, J. M., Perissinotti, D. M. N., Oliveira, J. O. D., et al. (2020). Definição de dor revisada após quatro décadas.

Pessini, L. (2009). Humanização da dor e sofrimento humanos no contexto hospitalar. Revista Bioética, 10(2).

Cardoso, A. I. C. R. (2014). Controlo da dor em pacientes oncológicos.

Abreu, M. A. V., Reis, P. E. D., Gomes, I. P.,et al. (2009). Manejo não farmacológico da dor em pacientes com câncer: revisão sistemática. Online braz. j. nurs.(Online).

Mendes, C. M. C., Machado, D. M., & Linartevichi, V. F. (2020). Índice de dor neuropática em pacientes oncológicos e conduta farmacológica. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), 2(4), 424-428.

de Melo Cardoso, M. G. (2012). Classificação, fisiopatologia e avaliação da dor. Manual de cuidados paliativos ANCP, 113.

Scott, D. A., & Macintyre, P. E. (2015). Postoperative pain. Pain: The person, the science, the clinical interface, 66.

Kraychete, D. C., Sakata, R. K., Lannes, L. D. O. C.,et al. (2016). Dor crônica persistente pós-operatória: o que sabemos sobre prevenção, fatores de risco e tratamento?. Revista Brasileira de Anestesiologia, 66, 505-512.

Perkins, F. M., & Kehlet, H. (2000). Chronic pain as an outcome of surgery: a review of predictive factors. The Journal of the American Society of Anesthesiologists, 93(4), 1123-1133.

Althaus, A., Hinrichs‐Rocker, A., Chapman, R., et al. (2012). Development of a risk index for the prediction of chronic post‐surgical pain. European Journal of Pain, 16(6), 901-910.

VIEIRA, C., BRÁS, M., & FRAGOSO, M. (2019). Opióides na Dor Oncológica e o seu Uso em Circunstâncias Particulares: Uma Revisão Narrativa. Acta Medica Portuguesa, 32(5).

Ferreira, K. A. S. L., de Siqueira, S. R. D. T., & Teixeira, M. J. (2008). ATENDIDOS EM CENTRO MULTIDISCIPLINAR DE DOR. CAD. SAúDE COLET, 16(3), 449-470.

Minson, F. P., Assis, F. D., Vanetti, T. K., et al. (2012). Procedimentos intervencionistas para o manejo da dor no câncer. Einstein (São Paulo), 10, 292-295.

Rangel, O., & Telles, C. (2012). Tratamento da dor oncológica em cuidados paliativos. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto (TÍTULO NÃO-CORRENTE), 11(2).




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-150

Refbacks

  • There are currently no refbacks.