A Intervenção do Enfermeiro na Prevenção e Detecção Precoce da Sépsis na Pessoa em Situação Crítica: Uma Revisão Integrativa da Literatura / Nurse Intervention in the Prevention and Early Detection of Sepsis in Critically Ill Persons: An Integrative Literature Review

Alexandra Maria Vitorino Silveira, Carla Alexandra Fernandes do Nascimento

Abstract


A sépsis é definida como uma disfunção orgânica potencialmente fatal causada por uma resposta desregulada do hospedeiro à infeção, o que torna imprescindível a identificação precoce e o tratamento imediato e adequado. Sendo a pessoa em situação crítica mais propensa a desenvolver sépsis, o enfermeiro deve identificar precocemente a sua deterioração fisiológica, de modo a que as intervenções possam ser realizadas o mais atempadamente possível. Identificar as intervenções de enfermagem na prevenção e identificação precoce da sépsis na pessoa em situação crítica. Partindo da questão de investigação “Quais as Intervenções de enfermagem que promovem a prevenção e deteção precoce da Pessoa com sépsis em Unidade de cuidados intensivos ou Serviço de urgência”? e alicerçada na estratégia de pesquisa PICo, realizou-se uma Revisão Integrativa da Literatura dos artigos publicados entre 2015 e 2020 disponíveis no motor de busca EBSCOhost e nas bases de dados CINAHL® e MEDLINE®. As intervenções de enfermagem centram-se na criação e implementação de protocolos que apoiem o reconhecimento precoce da sépsis e na formação das equipas de forma a garantir uma abordagem precoce, segura e eficaz, bem como, na implementação de medidas que promovam a prevenção e o controlo de infeção. A pesquisa realizada demonstrou que o enfermeiro é fundamental na prevenção, na identificação precoce e no tratamento da sépsis. Os enfermeiros tornam-se imprescindíveis para a realização de intervenções que visam atingir as máximas: “Reconhecer, Ressuscitar, Referir”, sendo necessários programas formativos que maximizem esta intervenção.


Keywords


Intervenções de enfermagem, Pessoa em situação crítica, Sépsis, Controlo de infeção, Identificação precoce.

References


Almeida AJL. (2020). Abordagem ao paciente com sepse: do ambiente pré-hospitalar à unidade de terapia intensiva. In: Associação Brasileira de Enfermagem; Vargas MAO, Nascimento ERP, organizadoras. PROENF Programa de Atualização em Enfermagem: Terapia Intensiva: Ciclo 4. Porto Alegre; p. 117-63.

Bloch, E., Rotem, T., Cohen, J., Singer, P., & Aperstein, Y. (2019). Machine Learning Models for Analysis of Vital Signs Dynamics: A Case for Sepsis Onset Prediction. Journal of Healthcare Engineering, 2019, 5930379. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1155/2019/5930379

Bruce, H. R., Maiden, J., Fedullo, P. F., & Kim, S. C. (2015). Impact of nurse-initiated ED sepsis protocol on compliance with sepsis bundles, time to initial antibiotic administration, and in-hospital mortality. Journal of Emergency Nursing, 41(2), 130–137. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jen.2014.12.007

Burrell, A. R., McLaws, M.-L., Fullick, M., Sullivan, R. B., & Sindhusake, D. (2016). SEPSIS KILLS: early intervention saves lives. The Medical Journal of Australia, 204(2), 73. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em:

http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=mdc&AN=26821106〈=pt-pt&site=ehost-live

Crilly, J., Robinson, J., Sharman, V., Cross, J., Romero, B., Teasdale, T., & Keijzers, G. (2019). Recognition, response and outcomes of sepsis: A dual site retrospective observational study. International Emergency Nursing, 46, N.PAG. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ienj.2019.06.005

Delawder, J. M., & Hulton, L. (2020). An Interdisciplinary Code Sepsis Team to Improve Sepsis-Bundle Compliance: A Quality Improvement Project. JEN: Journal of Emergency Nursing, 46(1), 91–98. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jen.2019.07.001

Direção-Geral da Saúde (2017). Via Verde Sépsis no Adulto. Em Norma no 010/2016 de 30/09/2016 atualizada a 16/05/2017. Acedido em: 15/09/2020. Disponível em: https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0102016-de-30092016-pdf.aspx

Hagel, S., Ludewig, K., Pletz, M. W., Frosinski, J., Moeser, A., Wolkewitz, M., Gastmeier, P.,

Harbarth, S., Brunkhorst, F. M., Kesselmeier, M., & Scherag, A. (2019). Effectiveness of a hospital-wide infection control programme on the incidence of healthcare-associated infections and associated severe sepsis and septic shock: a prospective interventional study. Clinical Microbiology and Infection : The Official Publication of the European Society of Clinical Microbiology and Infectious Diseases, 25(4), 462–468. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.cmi.2018.07.010

Harley, A., Johnston, A. N. B., Denny, K. J., Keijzers, G., Crilly, J., & Massey, D. (2019). Emergency nurses’ knowledge and understanding of their role in recognising and responding to patients with sepsis: A qualitative study. International Emergency Nursing, 43, 106–112. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ienj.2019.01.005

Kumar, A., Roberts, D., Wood, K. E., Light, B., Parrillo, J. E., Sharma, S., Suppes, R., Feinstein, D.; Zanotti, S., Taiberg, L., Gurka, D., Kumar, A., & Cheang, M. (2006). Duration of hypotension before initiation of effective antimicrobial therapy is the critical determinant of survival in human septic shock. Critical Care Medicine, 34(6), 1589–1596. Acedido em: 02/10/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1097/01.CCM.0000217961.75225.E9

MacQueen, I. T., Dawes, A. J., Hadnott, T., Strength, K., Moran, G. J., Holschneider, C., Russell, M. M., & Maggard-Gibbons, M. (2015). Use of a Hospital-Wide Screening Program for Early Detection of Sepsis in General Surgery Patients. The American Surgeon, 81(10), 1074–1079. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=mdc&AN=26463311〈=pt-pt&site=ehost-live

Miranda, L. F. B., Capistrano, R. de L. & Souza, S. A. de. (2018). Atuação do Enfermeiro Emergencista no Controle de Sepse. Revista eletrônica trimetral de enfermaria, 7(7), 76–83. Acedido em: 15/09/2020. Disponível em: http://atuação-do-enfermeiro-emergencista-no-controle-de-sepse-v7-n7.pdf

Qin, Q., Xia, Y., & Cao, Y. (2017). Clinical study of a new Modified Early Warning System scoring system for rapidly evaluating shock in adults. Journal of Critical Care, 37, 50–55. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2016.08.025

Rhodes, A., Evans, L. E., Alhazzani, W., Levy, M. M., Antonelli, M., Ferrer, R., Kumar, A., Sevransky, J.E., Sprung, C., Nunnally M.E., Rochwerg. B., Rubenfeld, G., Angus, D., Annane, D., Beale, J., Bellinghan, G.J., Bernard, G.R., Chiche, J-D., Coopersmith,C., & Dellinger, R. P. (2017). Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Sepsis and Septic Shock: 2016. Em Intensive Care Medicine. 43. 304–377. Doi 10.1007/s00134-017-4683-6

Singer, M., Deutschman, C. S., Seymour, C., Shankar-Hari, M., Annane, D., Bauer, M., Bellomo, R., Bernard, G., Chiche, J-D, Coopersmith, C., Hotchkiss, R., Levy, M., Marshall, J., Martin, G.S., Opal, S.M., Rubenfeld, G.D., van der Pol, T., Vincent, J-L., & Angus, D. C. (2016). The third international consensus definitions for sepsis and septic shock (sepsis-3). JAMA - Journal of the American Medical Association, 315(8), 801–810. Acedido em: 26/09/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1001/jama.2016.0287

Shashikumar, S. P., Stanley, M. D., Sadiq, I., Li, Q., Holder, A., Clifford, G. D., & Nemati, S. (2017). Early sepsis detection in critical care patients using multiscale blood pressure and heart rate dynamics. Journal of Electrocardiology, 50(6), 739–743. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jelectrocard.2017.08.013

Souza, A., Garcia, R., & Neto, M. (2020). Assistência de enfermagem em unidade de terapia intensiva nas alterações sistêmicas causadas pela sepse. Brazilian Journal of Health Review, 3 (2), 11398-11404. Doi: 10.34119/bjhrv3n5-003

Souza, M., & Carvalho, R. (2010). Revisão Integrativa: o que é e como fazer. einstein, Vol. 8, pp. 102–106. São Paulo. Acedido em: 15/10/2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf

Storozuk, S. A., MacLeod, M. L. P., Freeman, S., & Banner, D. (2019). A survey of sepsis knowledge among Canadian emergency department registered nurses. Australasian Emergency Care, 22(2), 119–125. Acedido em: 27/11/2020. Disponível em https://doi.org/10.1016/j.auec.2019.01.007




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-144

Refbacks

  • There are currently no refbacks.