Atuação da fisioterapia no paciente oncológico traqueostomizado: Uma revisão narrativa / Physical therapy in tracheostomized oncology patients: A narrative review

Fernanda Olivato Alves, Lívia Ribeiro Zalaf, Amanda Estevão da Silva, Carla Corrêa Gutschov

Abstract


O câncer é uma das doenças com as maiores taxas de mortalidade do mundo e, devido aos avanços do tratamento e o aumento da expectativa de vida hoje pode ser considerada uma doença crônica, sendo o câncer de cabeça e pescoço um dos mais prevalentes. O tratamento mais utilizado é a cirurgia para retirada total ou parcial do tumor e dentro do contexto de tratamento desses tipos de cânceres, existe a traqueostomia. A traqueostomia é um procedimento cirúrgico realizado para dar continuidade ao tratamento e preservação da via aérea. A equipe multiprofissional é essencial para o tratamento sendo que o fisioterapeuta atua ativamente no cuidado do paciente em todas as fases que envolvem a traqueostomia. Analisar a atuação da fisioterapia no paciente oncológico traqueostomizado. Trata-se de uma revisão bibliográfica de caráter narrativo, utilizando palavras chaves como: “traqueostomia”, “oncologia”, “fisioterapia”, pesquisados no banco de dados: PubMed, SciELO e PEDro. Os artigos incluídos no estudo foram publicados entre 2007 á 2020. Dos 106 trabalhos encontrados, 72 artigos foram excluídos por não abordarem o tema e 34 artigos foram incluídos no estudo.  Concluímos que a atuação da fisioterapia no paciente oncológico traqueostomizado é eficaz e necessária, desde o pré-operatório até o processo de pós-decanulação, e que apesar das mudanças de vida desde o diagnóstico o acompanhamento fisioterapêutico favorece ao retorno às atividades de vida diária ou a reinserção social.

 


Keywords


Traqueostomia, oncologia, fisioterapia.

References


Instituto Nacional de Câncer (homepage da internet). Estimativa do Cancer de 2020. Disponivel em: https://www.inca.gov.br/estimativa/introducao.

Onco guia(homepage da internet). Guia Detalhado de Laringe e Hipofaringe. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/guia-detalhado/2927/134/.

Brito CMM, Bazan M, Pinto CA, Baia WRM e Battistella LR. Manual de Reabilitação em Oncologia do ICESP. Editora Manole. Ano 2014.

Sarmento GJV. ABC da Fisioterapia Respiratória. Editora Manole, Ano 2015.

Silva TB. Traqueostomia em pacientes internados em unidades de terapia intensiva de hospitais públicos do distrito federal: prevalência, indicações, tempo para realização do procedimento e técnica. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologias em Saúde). Universidade de Brasília; 2014.

Castro AN. Oikawa SE, Domingues TAM, Hortense FTP, Domenico EBL. Educação em saúde na atenção ao paciente traqueostomizado: percepção de profissionais de enfermagem e cuidadores. Rev Bras De Cancerologia, 2014; 60(4):305-313.

Carvalho CSU. A necessária atenção à família do paciente oncológico. Revista Brasileira de Cancerologia. 2008; 54(1): 87-96.

Silveira PCC. Estratégias de ensino para o manejo da traqueostomia pelo paciente e cuidador. Minas Gerais. Monografia para Formação Pedagógica em educação para profissionais da saúde. Polo Lagoa Santa. Universidade Federal de Minas Gerais. 2014.

Sakae TM, Henrique BC, Prates MAS, Maraschin JF, Silva RM. Traqueostomia precoce e tardia em pacientes de uma unidade de terapia intensiva no sul do Brasil. Rev Bras Clinica Medica São Paulo 2010. Nov-dez; 8(6):500-4.

Traqueostomia: uma revisão atualizada. Arthur Vianna, Roberta F. Palazzo r Catarina Aragon. Pulmao, RJ 2011;20(3):39-42.

Sutt A-L et al., Earlier tracheostomy is associated with an earlier return to walking, talking, and eating, Australian Critical Care. https://doi.org/10.1016/j.aucc.2020.02.006.

Gomes CA,Rugno FC, Rezende G, Cardoso RC, Carlo MMRP. Tecnologia de comunicação alternativa para pessoas laringectomizadas por câncer de cabeça e pescoço. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. 2016;49(5):463-474.

Curioni OA, Carvalho MB, Sobrino JS, Rapoport A. Resultados oncológicos da laringectomia parcial no carcinoma glótico inicial. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, set/out. 2002; V.68, n.5, 673-677.

Ferreira LL, Cavenaghi OM. Traqueostomia precoce no desmame da ventialcao mecânica. Sociedade Brasileira de Clinica Medica. São Paulo, 2011 nov-dez;9(6):432-436.

Paiva TM, Filho WW, Schleder JC, Ramos GHA, Kowalski LP. Complicações respiratórias em cirurgias oncológicas de grande porte em cabeça e pescoço: revisão de literatura. Rev Bras de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, out/nov/dez 2014v.43, n 4, p. 213-219.

Vegara AM, Bescós-Atín C, Gutiérrez-Santamaría J, Masià-Gridilla J, Pamias-Romero J, Sáez-Barba M. Manejo de la vía aérea en oncología de cabeza y cuello. Revista Española de Cirugía Oral y Maxilofacial. 2014; 36(4): 164-168.

Porto GD, Filho WW, Schleder JC, Lima AR, Camargo P, Costa C. Alterações pneumofuncionais de pacientes com neoplasias em trato aerodigestivo alto em pós-operatório. Rev Bras de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, abril/maio/junho 2013, v42, n 2, p.59-64.

Juliano SRR, Juliano MCR, Cividanes JP, Houly JGS, Gebara OCE, Cividanes VLG, Catão EC. Medidas dos níveis de pressão do balonete em unidade de terapia intensiva: considerações sobre os benefícios do treinamento. Rev Bras de Terapia Intensiva, Jul-Set, 2007, vol. 19 N 13.

Goes RSS, Silva SOP, Lima CB. Traqueostomia na unidade de terapia intensiva: visão do enfermeiro. Temas de Saude, João Pessoa, 2017, vol 17, N4.

Gouveia BC. Intervenção Fisioterapêutica no pós-operatório de câncer de cabeça e pescoço – estudo de dois casos. Uberlândia. Monografia em Educação Física e Fisioterapia. Universidade Federal de Uberlândia; 2017.

Schultz K, Souza RV. Atuação Fisioterapia na cirurgia de cabeça e pescoço. Fonoaudiologia em Cancerologia. 1999.

Schleder JC, Pereira LS, Wosiacki W, Costa C. Conduta fisioterapêutica em pacientes submetidos a cirurgia de pelviglossomandibulectomia. Pratica Hospitalar, Nov-Dez/2007, ano IX-N54.

Coimbra K, Xavier P, Oliveira MS. Abordagem fisioterapêutica no portador de traqueostomia. Revista Saúde e Física & Mental-UNIABEU, ago-dez 2012 v.1 n.1.

Castro AAM, Rocha S, Reis C, Leite JRO, Porto EF. Comparação entre as técnicas de vibrocompressão e de aumento do fluxo expiratório em paciente traqueostomizados. Fisioterapia e Pesquisa, jan-mar. 2010, v.17, n.1, p18-25.

Paiva TM. Estudo piloto de aplicabilidade da fisioterapia pré-operatória em pacientes candidatos à cirurgia oncológica de cabeça e pescoço. Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do titulo de Mestre em Ciências. Orientador: Prof Dr. Luiz Paulo Kowalski. São Paulo, 2014.

Torres, SMRR. Estudo randomizado para avaliação da eficiência da fisioterapia respiratória no pré-operatório de pacientes submetidos a tratamento cirúrgico de câncer de boca, laringe e faringe. Dissertação apresentada a faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção do titulo de Mestre em Ciências. Orientador: Prof. Dr. André Lopes Carvalho. São Paulo, 2010;

Gomes RHS, Santos RS. Avaliação da capacidade e comprometimento funcional em pacientes traqueostomizados de um hospital público de Curitiba. Revista CEFAC, jan-fev, 2016, 18(1):120-128.

Pascotini FS, Denardi C, Nunes GO, Trevisan ME, Antunes VP. Treinamento muscular respiratório em pacientes em desmame da ventilação mecânica. ABCS Health Sci. 2014;39(1):12-16;

Barros APB, Portas JG, Queija DS. Implicações da traqueostomia na comunicação e na deglutição. Rev Bras de Cirurgia de Cabeça e Pescoço, jul/ago/set 2009, v.38, n.3, p.202-207.

Medeiros GC, Sassi FC, Silva CL, Andrade CRF. Critérios para decanulação da traqueostomia: revisão de literatura. CoDAS 2019;31(6);

Corte MMD, Vicente LCC, Friche AAL. Decanulação: indicadores sociodemograficos, clínicos e fonoaudiólogos preditivos de sucesso. Audiology Communication Research. 2019; 24.

Mendes F, Ranea P, Oliveira ACT. Protocolo de desmame e decanulação de traqueostomia. Revista UNILUS ensino e pesquisa, jul-set 2013, v.10, n.20.

Hausberger CS, Gomes RHS, Leonor VD, Gaspar MRF, Junior CS, Santos RS. Proposta de protocolo para decanulação realizada por equipe multidisciplinar Tuiuti: Ciencia e Cultura, 2016, n.52, p.11-18.

Mendes TAB, Carvalheiro LV, Arevalo RT, Sonegth R. Estudo preliminar sobre a proposta de um fluxograma de decanulação em traqueostomia com atuação interdisciplinar. Einstein. 2008-6(1):1-6;

Lima CA, Siqueira TB, Travassos EF, Macedo CMG, Bezerra AL, Junior MDSP, Andrade FMD, Franca ETF. Influência da forca da musculatura periférica no sucesso da decanulação. Rev Bras de Terapia Intensiva. 2011; 23(1):56-61.

Pereira CM, Dias R, Ferreira VC, Ferreira MB. Traqueostomia: Atuação fisioterapêutica na decanulação. Ciências e Saúde da Teoria à pratica. Capitulo 34;

Freitas AAS. Os cuidados cotidianos aos homens adultos hospitalizados com traqueostomia por câncer na laringe. Dissertação de Mestrado para obtenção do titulo de Mestre em Enfermagem. Orientadora: Prof Dra. Maria Jose Coelho. Rio de Janeiro, 2012;

Costa CC, Favero TC, Rosa FB, Steidl SEM, Mancopes R. Decanulação: atuação fonoaudiologia e fisioterapêutica. Distúrbios Comunicação de São Paulo, mar 2016, 28(1):93-101.

Santos J, Vieira R, Santos MD, Amorim M, Xavier D. Índice de falência na extubação orotraqueal em uma UTI oncológica na Amazônia Ocidental. Educacion Fisica y Deportes, Revista Digital, ago-2015, Buenos Aires, Año 20, n207.

Araujo NG, Azevedo BS, Ribeiro LDD, Farias CAC, Souza VF, Nascimento AAP. Atuação da fisioterapia no cuidado e desmame da traqueostomia: artigo de revisão. Fisioterapia na Atenção à Saúde. 2020, capitulo 21.

Controle de Sintomas do Câncer Avançado em Adultos. Normas e recomendações do INCA. Revista Brasileira de Cancerologia. 2000, 46(3): 243-256;

Oliveira JL, Fonseca LF, Guedes A. Benefícios da Ventilação Mecânica não invasiva (VNI) na assistência aos pacientes oncológicos em Cuidados Paliativos. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Monografia para Obtenção da especialização em Fisioterapia Hospitalar. Salvador-Bahia, 2009.

Abreu ACS, Marinho DF, Cardoso IBP. Tecnologia Educativa para cuidadores de pacientes submetidos a traqueostomia: estudo de validação. Revista Atendimento de Saúde, jan-mar 2019, v.17, n.59, p.19-32.

Silva MDL, Nardin JM. Avaliação Manual do numero de plaquetas em pacientes oncológicos que apresentam trombocitopenia Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 8:60-73;

Morano MTAP. Impacto da reabilitação pulmonar nos marcadores inflamatórios pré-operatórios e nas complicações pulmonares pós-operatórias de pacientes com câncer de pulmão candidatos a ressecção pulmonar. Tese submetida ao Programa de pós-graduação Stricto Sensu em Cirurgia do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceara como requisito parcial para a obtenção do grau de Doutor em Ciências Médico-Cirúrgicas. Fortaleza-2011.

Silva TO, Peixoto MI, Santos CM, Siqueira MI, Vasconcelos AA, Melo LS. Avaliação da forca, desempenho e massa muscular de pacientes oncológicos e a sua relação com parâmetros subjetivos e antropométricos. Nutr. clin. diet. hosp. 2018; 38(2):92-98.

Annoni R, Pires-Neto RC. Ineficácia da técnica de alivio de pressão por meio de válvula em insuflar o cuff Rev Bras Ter Intensiva. 2014;26(4):367-372.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.