Redução de danos: um olhar integrado a partir da clientela, profissionais e gestores / Damage reduction: an integrated look from the clients, professionals and managers

Amanda França Cruz Ximenes, Caio Calado Macêdo, Luise Paloma Souza Silva, Luã Rodrigues Leite, Maria Eduarda Calado Macêdo, Marcus Túlio Caldas, Suzana França Cruz Ximenes, Vivian Letícia Rudnick Ueta

Abstract


Introdução: A Redução de Danos caracteriza-se como uma política de saúde pública que atua na perspectiva transdisciplinar, propondo reduzir os prejuízos de natureza biológica, social e econômica do uso de drogas. No Brasil, a primeira experiência ocorreu em 1989, em Santos. Desde então, vem sendo ampliada mundialmente. Objetivos: O projeto consiste em pesquisar a política de Redução de Danos, investigando os aspectos históricos, seus conceitos e formulações e compreender as ações dessa política a partir da experiência da clientela, profissionais de saúde e gestores envolvidos nessa prática. Métodos: Em uma primeira etapa, utilizou a pesquisa bibliográfica buscando investigar os fundamentos históricos e conceituar esta política. Em seguida, tendo como instrumento entrevistas narrativas, foi feita uma aproximação entre a experiência da clientela, profissionais e gestores. Resultados: Esta política foi tida como multifacetada, de cunho humanista, caracterizada pelo acolhimento radical, respeito aos direitos e à liberdade de escolha individual; entretanto o preconceito esteve bastante presente. Conclusão: Necessita ter sua conceituação aprimorada para que haja ampliação.


Keywords


Redução de Danos, Políticas Públicas, Gestores, Clientela.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva Coordenação Nacional de DST e AIDS. A política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL. Política Nacional sobre Drogas/Brasília, Presidência da República, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2005.

BRASIL. Política Nacional sobre Drogas/Brasília, Presidência da República, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2019.

DIEHL, A.; CORDEIRO, D. C.; LARANJEIRA, R. (Orgs.) Tratamentos farmacológicos para dependência química: da evidência científica à prática clínica. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DUAILIBI, S.; VIEIRA, D. L.; LARANJEIRA, R. Políticas públicas para o controle de álcool, tabaco e drogas ilícitas. In: A. DIEHL; D. C. CORDEIRO; R. LARANJEIRA (Orgs.). Dependência Química: prevenção, tratamento e políticas públicas, 2011.

EDWARDS, G.; MARSHALL, E. J.; COOK, C. C. H. O tratamento do alcoolismo: um guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 1999.

GADAMER, H.G. Hegel, Husserl e Heidegger. Tradução de Marco Antonio Casanova. Petrópolis: Vozes, 2012

GADAMER, HG. Verdade e Método. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

GIORGI, A.; SOUSA, D. Método fenomenológico de investigação em psicologia. Lisboa: Fim de século, 2012.

INGLEZ-DIAS, A.; RIBEIRO, J.M. BASTOS, F. I.; PAGE, K. Política de redução de danos no Brasil, contribuições de um programa norte-americano. Ciência e Saúde coletiva. Rio de Janeiro, v.19, n.1, 2014, pp. 147-158.

JUNGES, J. R.; ZOBOLI, E. L. C. P.; PATUSSI, M. P.; SCHAEFER, R.; DELLA NORA, C. R. Construção e validação do instrumento “Inventário de problemas éticos na atenção primária em saúde”. Revista Bioética. Brasília, v.22, n.2, 2014, pp.309-317.

LAPORTE, A.M.A.; VOLPE, N. Existencialismo: uma reflexão antropológica e política a partir de Heidegger e Sartre. Curitiba: Juruá, 2009.

LA TAILLE, I. Moral e ética: uma leitura psicológica. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 26, n.1, 2010, pp.105-114.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis. Florianópolis, v. 10, 2007, p. 37-45.

MARQUES, A. C. P. R.; ZALESKI, M. Redução de danos: é possível utilizar essa estratégia terapêutica no Brasil? In: A. DIEHL; D. C. CORDEIRO; R. LARANJEIRA (Orgs.). Dependência Química: prevenção, tratamento e políticas públicas, 2011.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1996.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, Portaria n 1028, 1º julho de 2005

RAMOS, S. P.; BERTOLOTE, J. M. O Alcoolismo Hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

RIBEIRO, M.; LARANJEIRA, R. O tratamento do usuário de crack. Porto Alegre: Artmed, 2012.

RICHARSON, R.J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SANTOS, V. E.; SOARES, C. B.; CAMPOS, C. M. S.. A produção científica internacional sobre redução de danos: uma análise comparativa entre MEDLINE e LILACS.SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 8, n. 1, abr. 2012. Disponível em . Acesso em 02 nov. 2014.

Uwe, F. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIDAL, S. V.; MOTTA, L. C. S.; GOMES, A. P.; SIQUEIRA-BATISTA. Problemas bioéticos na Estratégia Saúde da Família: reflexões necessárias. Revista Bioética. Brasília, v.22, n.2, 2014, pp.347-357.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-135

Refbacks

  • There are currently no refbacks.