Espiritualidade e religiosidade na atenção domiciliar / Spirituality and religiosity in home care

Bruno Feitosa Espino, Gleide Regina de Sousa Almeida Oliveira

Abstract


A maioria das condições associadas à necessidade de Atendimento Domiciliar são crônicas e causam significativo impacto na qualidade de vida, além do perfil relacionado à população idosa. Ser resiliente ou desenvolver resiliência é uma forma de superar os prejuízos ocasionados por diversas limitações presentes na população em AD. No Brasil, a maior parte da população considera a religião muito importante em sua vida, com destaque da religiosidade para indivíduos idosos, os quais compõem a maioria dos pacientes em AD. Religiosidade diz respeito ao quanto um indivíduo acredita, segue e pratica uma determinada religião. Espiritualidade é entendida como a busca pessoal de compreensão relacionada a questões existenciais maiores e suas relações com o sagrado e/ou transcendente. Assim, várias organizações de liderança na área de saúde têm incluído recomendações de avaliações da espiritualidade como parte integrante de um adequado cuidado aos pacientes². Aspectos biológicos, psicológicos e sociológicos têm sido tradicionalmente relacionados como fatores determinantes de resiliência. Diversos estudos demonstram relações entre maior espiritualidade, religiosidade e melhor saúde mental, desfechos clínicos, maior sobrevida, bem estar geral e qualidade de vida. Entretanto, é necessário haver consenso de significado quanto ao fenômeno ao qual se observa.


Keywords


Espiritualidade, Resiliência Psicológica, Religião, Equipe de Assistência ao paciente, Cuidado domiciliar, Cuidados Paliativos.

References


ABUCHAIM, Silvia Cristina Borragini. Espiritualidade/Religiosidade como recurso terapêutico na prática clínica. Orientador: Rita Maria Lino Tarcia. 2018. 193 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil, [2018].

CESCON, Everaldo. Neurociência e Religião: AS pesquisas neurológicas em torno da experiência religiosa. Teocomunicação, Porto Alegre, Brasil, ano 2011, v. 41, n. 2, ed. 2, p. 293 - 314, 1 dez. 2011.

CURCIO, Cristiane Schumann Silva et al. Investigação dos conceitos de religiosidade e espiritualidade em amostra clínica e não clínica em contexto brasileiro: uma análise qualitativa. Interação em psicologia, Revista da Universidade federal do Paraná, ano 2019, v. 23, n. 2 edição, p. 281 - 292, 7 jun. 2019.

GALLIAN, Dante Marcello Claramonte et al. Humanidades e humanização em saúde: a literatura como elemento humanizador para graduandos da área da saúde. COMUNICAÇÃO SAÚDE EDUCAÇÃO, Revista Interface, ano 2014, v. 18, n. 48 edição, p. 139 - 150, 28 out. 2013.

GUSSO, Gustavo; LOPES, José Mauro Ceratti. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. Artes Médicas, 2019.

HEFTI, René et al. O modelo interdisciplinar de cuidado espiritual: Uma abordagem holística de cuidado ao paciente. Religião e Saúde, Periódicos PUC MINAS, ano 2016, v. 14, n. 41 edição, p. 13 - 47, 15 mar. 2016.

LIPTON, BRUCE H. A BIOLOGIA DA CRENÇA: Ciência e espiritualidade na mesma sintonia: o poder da consciência sobre a matéria e os milagres. 1 . ed. São Paulo: Butterfly Editora, [2007]. 256 p. ISBN 978-85-88477-67-4.

LUCCHETTI, Giancarlo et al. Saúde, espiritualidade e religiosidade na visão dos estudantes de medicina. Saúde e espiritualidade, Revista Brasileira de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Jundiaí SP, ano 2013, v. 11, n. 1 edição, p. 6 - 11, 17 out. 2012.

MONTERO, Paula. Desdobramentos contemporâneos no estudo das religiões. A teoria do simbólico de Durkheim e Lévi Strauss, CEBRAP, ano 2014, v. 9, n. 8 edição, p. 125 - 142, 12 fev. 2014.

MOREIRA-ALMEIDA, Alexander et al. Versão em português da Escala de Religiosidade da Duke - DUREL. Religiosidade e espiritualidade, Revista de Psiquiatria Clínica, ano 2008, v. 35, n. 1, ed. 1, p. 31 - 32, 21 nov. 2008.

MOREIRA-ALMEIDA, Alexander et al. Envolvimento religioso e fatores sociodemográficos: resultados de um levantamento nacional no Brasil. Psiquiatria Clínica, Revista de Psiquiatria Clínica, ano 2010, v. 37, n. 1 edição, p. 18 - 21, 12 maio 2010.

MOURA, Isis Suruagy Correia. Novos desafios: A Biologia da crença. Saúde e Sociedade, Revista Portal da Universidade Federal de Alagoas, ano 2017, v. 2, ed. 1, p. 380 - 382, 1 jan. 2017.

OLIVEIRA , Janaine Aline Camargo de. Desafios do cuidado integral em saúde:: a dimensão espiritual do médico se relaciona com sua prática na abordagem espiritual do paciente?. Orientador: José Eluf Neto. 2018. 156 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde) - Universidade de São Paulo, USP, Brasil., São Paulo, Brasil, [2018].

OLIVEIRA, Sergio Felipe de. Estudo da estrutura da glândula pineal humana empregando métodos de microscopia de luz, microscopia eletrônica de varredura, microscopia de varredura por espectrometria de raio-X e difração de raio-X. Orientador: Esem Pereira Cerqueira. 1998. 139 f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Neurociências e Comportamento) - Universidade de São Paulo, USP, Brasil., São Paulo, [1998].

ORANGOTANGOS selvagens estão usando plantas medicinais, constatam cientistas. NATURE, Londres, p. 1 - 3, 1 dez. 2017

ROMANELLI, Rosely A. A cosmovisão antroposófica: educação e individualismo ético. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, ano 2015, p. 49 - 66, 1 jun. 2015.

ROSS, Michael H. Histologia: Texto e Atlas. 7. ed. rev. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, [2018]. ISBN 978-85-277-2964-2.

SANTOS , Jorge Andréa dos. Forças sexuais da Alma. 9. ed. Goiás: FEB, [2010]. 160 p. ISBN 978-8573280845.

SILVEIRA, Patrícia dos Santos et al. A influência da religiosidade e espiritualidade no enfrentamento da doença. Psicologia.PT, Portal dos psicólogos, ano 2018, v. 6, n. 7 edição, p. 1 - 22, 10 jun. 2018.

ZERBETTO, Sonia Regina et al. Religiosidade e espiritualidade: mecanismos de influência positiva sobre a vida e tratamento do alcoolista. Religiosidade e espiritualidade, Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, ano 2017, v. 21, n. 1 edição, p. 1 - 8, 5 out. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-130

Refbacks

  • There are currently no refbacks.